China joga uma carta nuclear de modo grosseiro

- THE EPOCH TIMES - James R. Gorrie - 24 SET, 2021 - Tradução César Tonheiro -

Os militares chineses exibem seus mísseis DF-5B durante um desfile militar na Praça Tiananmen, em Pequim, em 3 de setembro de 2015. O regime chinês pode colocar suas forças nucleares em alerta "gatilho-sensível". (Rolex Dela Pena / AFP / Getty Images)

Pequim avisa sem rodeios a Austrália contra aderir ao pacto dos EUA e do Reino Unido - ou então será alvo de armas nucleares


Se alguma vez houve dúvidas sobre como a China se comportará como uma superpotência, há menos hoje do que ontem. Esta semana, em uma entrevista televisionada com um aparente porta-voz do regime chinês, o mundo soube que a Austrália será considerada um alvo válido para armas nucleares se adquirir submarinos com propulsão nuclear.

Os australianos não estão pensando em adquirir submarinos com armas nucleares , veja bem, apenas com energia nuclear. Há uma grande diferença entre os dois, é claro, mas não no que diz respeito à China.

Uma clara ameaça nuclear

Em 20 de setembro, Victor Gao, baseado em Pequim, vice-presidente do Centro para a China e Globalização, disse a um entrevistador australiano que “... se o governo australiano quiser ... se tornar nuclear, com submarinos nucleares, eles [os australianos] perderão o privilégio de não serem alvejados com ogivas nucleares. É tão simples assim ... esta é a consequência mais profunda.”

Sem dúvida, Gao falou com a aprovação da liderança do Partido Comunista Chinês (PCC), apresentando seu ponto de vista ao fazer a seguinte pergunta ao governo e ao povo australiano: “Você realmente quer ser um alvo em uma possível guerra nuclear? Ou você quer se livrar da 'ameaça nuclear' daqui para frente?”

É um ultimato e tanto.

Por que Pequim transmitiria uma ameaça tão clara e sem precedentes de um ataque nuclear potencial contra a Austrália, um de seus principais parceiros comerciais que não representa uma ameaça militar ofensiva?

E por que agora?

Tempo é tudo

O momento não é tão ruim quanto se poderia pensar.

Sim, na esfera econômica, o comércio está crescendo entre as duas nações. Mesmo com o boicote de Pequim ao vinho australiano e outros bens, a Austrália exportou mais de US $ 16 bilhões para a China em julho de 2021, um novo recorde.

Mas em agosto, a Câmara de Comércio e Indústria Australiana informou que os exportadores australianos estão tentando se afastar da China porque manter operações comerciais normais com a maior economia da Ásia é "impossível". Os atritos comerciais levaram a Austrália a buscar mercados substitutos em outras partes da Ásia, irritando a China, que depende fortemente das importações australianas de minério de ferro.

Geopoliticamente, a estratégia de Pequim visa atingir vários objetivos, e o momento certo desempenha um papel significativo nessa nova política provocativa.

Em primeiro lugar, o PCCh quer minimizar o poder e a influência americana na região. Isso envolve intimidar a Austrália e, por extensão, a Nova Zelândia, em uma tentativa de isolá-los da aliança EUA e Reino Unido.

(ED) Ministro da Defesa australiano Peter Dutton, Ministra das Relações Exteriores Marise Payne, Secretário de Estado dos EUA Antony Blinken e Secretário da Defesa Lloyd Austin posam para uma fotografia de grupo no Departamento de Estado em Washington em 16 de setembro de 2021. (Andrew Harnik / Pool / AFP via Getty Images)

É provável que se pense em Pequim que as garantias de segurança americanas sejam menos certas hoje do que no passado. A desastrosa retirada americana do Afeganistão e o esvaziamento do sistema de defesa anti-mísseis de Israel, Iron Dome, nesta semana, fazem os Estados Unidos parecerem fracos e pouco confiáveis.

E, claro, a retomada da produção de armas nucleares pela Coreia do Norte sem a reação dos EUA é uma mudança radical em relação ao governo anterior dos EUA. A passividade diante da agressão apenas reforça a percepção de fraqueza. Na mente de nossos aliados sul-coreanos e japoneses, eles podem estar concluindo que os Estados Unidos não têm nenhum plano ou vontade de confrontar a Coreia do Norte, que age como o substituto beligerante da China.

Portanto, o PCCh pode ter decidido que agora é o momento perfeito para explorar essa fraqueza.

Um Teste de Vontades

Além disso, a política / ameaça nuclear da China pode ter como objetivo testar a vontade política do governo australiano e provavelmente incitar a opinião pública contra a nuclearização da região. Mas até agora, a Austrália não mostrou nada além de determinação no que diz respeito a aderir ao pacto AUKUS, e nenhuma onda antinuclear da opinião pública ocorreu ... ainda.

Independentemente de qualquer um ou todos esses fatores, a Austrália tem uma herança cultural e política compartilhada com os Estados Unidos e o Reino Unido que provavelmente não será violada. É membro fundador da Commonwealth por mais de 70 anos, uma organização dedicada à democracia, direitos humanos e boa governança. Também faz parte do “Five Eyes” - a relação de compartilhamento de inteligência entre os Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia - desde 1956.

Não é realista para a China pensar que pode convencer a Austrália a rejeitar sua história pela opressão que o PCCh traz à mesa.

Uma nova era de confronto começou

Mas o que o desajeitado pronunciamento de alvos nucleares de Pequim faz é enviar todo o pensamento e diálogo sobre segurança regional para um contexto muito mais arriscado. A China não está mais se comportando de maneira mais ou menos paciente, como fazia no passado. Pode haver razões para isso, como uma economia fraca e a perda de soft power em todo o mundo. Seja qual for a causa, Pequim está agindo da maneira que as nações agem quando têm a agressão na vanguarda de suas políticas e o poder militar para apoiá-la.

Além do mais, o PCCh está acostumado a governar por ditames e força bruta, e sua diplomacia reflete isso. Assim, ao colocar abertamente a ameaça de ataque nuclear no léxico diplomático, Pequim deixou muito menos espaço na mesa para nuances diplomáticas e concessões. Em qualquer caso, a impaciência diplomática é frequentemente uma característica demonstrada por nações sob o governo de um homem só, cujo poder, por padrão, tem uma vida útil limitada, tornando o tempo essencial.

O mundo ficou muito mais perigoso.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele mora no sul da Califórnia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/china-plays-a-clumsy-nuclear-card_4013554.html


Para acessar o Conteúdo acima: https://www.heitordepaola.online/



12 views0 comments