China inicia a próxima crise global devorando o Sri Lanka

- GATESTONE INSTITUTE - Gordon G. Chang - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 20 MAI, 2022 -


· O Sri Lanka é apenas o ato de abertura (fissura) do mundo.

· Os eventos no Sri Lanka também destacam como a China está dominando o mundo. Pequim está corrompendo líderes nacionais, afogando-os em dívidas e, finalmente, desestabilizando seus governos. Pequim, ao que parece, tem como alvo particular as democracias.

· A China é o credor predatório do mundo, algo evidente em sua Iniciativa do Cinturão e Rota, também conhecida como BRI. O grande projeto de infraestrutura de Pequim é especializado em estradas, portos e ferrovias que têm, como os projetos do Sri Lanka, pouca ou nenhuma justificativa comercial. Até agora, 146 países assinaram acordos de memorando da BRI com Pequim.

· Os chineses estabeleceram um padrão. "A China estende a dívida em termos onerosos, apoia governos autoritários quando há colapsos financeiros ou desobediência civil e, em seguida, leva tudo o que pode encontrar", disse Cleo Paskal, da Fundação para a Defesa das Democracias, ao Gatestone.

· Em dezembro de 2017, Pequim assumiu o controle do porto de Hambantota.... Agora, há preocupações de que Hambantota acabará se tornando uma base naval chinesa. Os almirantes da China há muito observam o Sri Lanka...

· Uma base no Sri Lanka permitiria que aeronaves chinesas e combatentes de superfície, bem como submarinos, cortassem rotas marítimas no Oceano Índico e forçassem a vizinha Índia a desviar recursos militares para uma presença ameaçadora.

· O Sri Lanka está agora à procura de um resgate do Fundo Monetário Internacional, mas isso não é necessariamente uma boa ideia. A comunidade internacional não deveria estar ajudando uma China voraz a devorar sociedades pequenas e vulneráveis.

· Se o FMI resgatar o Sri Lanka sem garantir que não esteja mais alinhado com Pequim, terá subsidiado o investimento chinês e reforçado politicamente um país que se torna um representante chinês." – Cleo Paskal, Fundação para a Defesa das Democracias, para Gatestone, Maio, 2022.


A polícia usa gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes que exigem a renúncia do presidente do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa, em Colombo, em 19 de maio de 2022. (Foto de Ishara S. Kodikara/AFP via Getty Images)

Em 12 de maio, a Índia confirmou que forneceria ao governo desesperado do Sri Lanka 65.000 toneladas métricas de ureia, de acordo com uma linha de crédito existente de US$ 1 bilhão. A venda, que anula a proibição de Nova Délhi às exportações da commodity, alivia a pressão severa sobre o governo do presidente do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >


O Sri Lanka desde o final de março foi assolado por protestos violentos. As ordens de “atirar para matar” em grande parte restauraram a ordem, mas a agitação levou à substituição do primeiro-ministro Mahinda Rajapaksa, que já foi a figura política dominante do país. É improvável que seu irmão, o presidente, sobreviva ao tumulto. A atual crise econômica e financeira é a pior do Sri Lanka desde a independência da Grã-Bretanha em 1948.


O Sri Lanka é apenas o ato de abertura (fissura) do mundo. Os distúrbios ali constituem a primeira de uma série de crises prestes a engolir países vulneráveis, talvez até grandes. A guerra na Ucrânia, agravando os problemas subjacentes no Sri Lanka e em outros lugares, está abalando quase todos os cantos do planeta.


Os eventos no Sri Lanka também destacam como a China está dominando o mundo. Pequim está corrompendo líderes nacionais, afogando-os em dívidas e, finalmente, desestabilizando seus governos. Pequim, ao que parece, tem como alvo particular as democracias.


A uréia da Índia, um fertilizante, permitirá que os agricultores do Sri Lanka plantem na temporada de cultivo de Yala, de maio a agosto. Ele vem em um momento de necessidade crítica. O país estava gastando cerca de US$ 400 milhões anualmente para importar fertilizantes, mas não conseguiu fazer compras recentemente devido à falta de divisas. O governo no ano passado, para conservar as reservas monetárias, proibiu os fertilizantes químicos.


O Ministério das Finanças informa que o país tem apenas US$ 25 milhões em reservas externas utilizáveis, dificilmente suficientes para cumprir as obrigações de serviço. O Sri Lanka está programado para pagar US$ 7 bilhões em dívidas este ano, uma parte dos US$ 26 bilhões com vencimento em 2026. A dívida externa total do país é de US$ 51 bilhões.


A proibição de fertilizantes químicos forçou os agricultores a abandonar os arrozais, e alguns se juntaram aos protestos recentes.


Como resultado, há fome no país, e o aumento dos preços dos alimentos alimentou os protestos. “Moro em Colombo há 60 anos e nunca vi nada assim”, disse Vadivu, uma empregada doméstica, à AFP em março. “Não há nada para comer, não há nada para beber.” Este mês, os preços dos alimentos aqui, a cidade mais populosa do Sri Lanka, triplicaram em poucos dias.


O novo primeiro-ministro, Ranil Wickremesinghe, disse que garantiria que todos tivessem três refeições por dia. “Não haverá uma crise de fome, encontraremos comida”, disse ele à BBC.


Essa é uma promessa que Wickremesinghe poderá não ser capaz de cumprir. O Sri Lanka não pode resolver seus problemas sozinho. A pandemia do COVID-19 acabou com o turismo, principal fonte de receita. Além disso, a invasão russa da Ucrânia – ambos os países são grandes fontes de turistas para o Sri Lanka – acabou com as esperanças de uma recuperação este ano.


A questão, porém, vai além da chegada dos turistas. A guerra na Ucrânia parece estar encerrando um período de décadas de globalização, e essa transição será difícil para países que são especialmente dependentes de outros. A crise do Sri Lanka, portanto, é apenas o começo. “O Sri Lanka é o primeiro país a ceder às crescentes pressões econômicas desencadeadas pela guerra na Ucrânia”, afirmou o Guardian de Londres . “É improvável que seja o último.”


O Sri Lanka também enfrenta outra dificuldade: a China. O clã dominante de Rajapaksa, que há muito se presumia estar no bolso de Pequim, tomou emprestado pesadamente de fontes chinesas para empreendimentos mal concebidos. Muitos dos “projetos de elefantes brancos” estão no distrito de Hambantota, o lar dos Rajapaksas.


O porto de Hambantota, que perdeu US$ 300 milhões em seis anos, foi mal concebido desde o início. Os operadores portuários, portanto, não conseguiram atender US$ 1,4 bilhão em empréstimos da China. Perto do porto há um centro de conferências de US$ 15,5 milhões raramente usado. Graças a um empréstimo de US$ 200 milhões da China, o Sri Lanka conseguiu construir o aeroporto de Rajapaksa nas proximidades, que não conseguia pagar nem mesmo suas contas de eletricidade.


Em Colombo, há a resposta do Sri Lanka para Dubai: a cidade portuária financiada pelos chineses, uma ilha de 665 acres de aterro e uma “armadilha da dívida oculta”. Nessa cidade também está a Lotus Tower, nunca aberta ao público, também financiada pela China. “Qual é o sentido de se orgulhar desta torre se ficarmos implorando por comida?” perguntou Krishantha Kulatunga, o dono de uma pequena papelaria perto do marco. “Já estamos endividados até o pescoço.”


A China estendeu cerca de 17% da dívida total do país. Muito poucos sabem a extensão total do endividamento com os partidos chineses porque há empréstimos difíceis de rastrear às empresas estatais do Sri Lanka e ao banco central do país.

Qualquer que seja o valor, os empréstimos chineses quebraram o Sri Lanka. Em abril, declarou a suspensão do pagamento da dívida externa. A BBC relata que a suspensão, o primeiro default desde a independência, é “em grande parte porque não pode atender a empréstimos da China que pagaram por grandes projetos de infraestrutura”.


A China é o credor predatório do mundo, algo evidente em sua Iniciativa do Cinturão e Rota, também conhecida como BRI. O grande projeto de infraestrutura de Pequim é especializado em estradas, portos e ferrovias que têm, como os projetos do Sri Lanka, pouca ou nenhuma justificativa comercial. Até agora, 146 países assinaram acordos de memorando da BRI com Pequim. Alguns deles estão presos aos chineses.


Os chineses estabeleceram um padrão. “A China estende a dívida em termos onerosos, apoia governos autoritários quando há colapsos financeiros ou desobediência civil e depois pega tudo o que pode encontrar”, disse Cleo Paskal, da Fundação para a Defesa das Democracias, ao Gatestone.


Esse padrão é evidente no Sri Lanka. Em dezembro de 2017, Pequim assumiu o controle do porto de Hambantota, ficando com 70% do capital e assinando um contrato de arrendamento de 99 anos, depois que o projeto não conseguiu pagar empréstimos com juros altos concedidos pela China. Agora, há preocupações de que Hambantota se torne uma base naval chinesa.


Os almirantes da China há muito observam o Sri Lanka: em setembro e outubro de 2014, o governo do Sri Lanka permitiu que um submarino chinês e seu navio atracassem no Terminal Internacional de Contêineres Colombo, financiado pela China.


Uma base no Sri Lanka permitiria que aeronaves chinesas e combatentes de superfície, bem como submarinos, cortassem rotas marítimas no Oceano Índico e forçassem a vizinha Índia a desviar recursos militares para uma presença ameaçadora.


Não é coincidência que Djibuti, também fortemente endividado com partidos chineses, seja agora o local da primeira base militar offshore da China.


“Esse padrão está profundo, entrincheirado e se expandindo, então é como se todos os dominós tivessem sido montados e Pequim estivesse perfeitamente feliz em vê-los cair para que possa vir em socorro econômico e político e se consolidar ainda mais”. Paskal observou.


O Sri Lanka está agora à procura de um resgate do Fundo Monetário Internacional, mas isso não é necessariamente uma boa ideia. A comunidade internacional não deveria estar ajudando uma China voraz a devorar sociedades pequenas e vulneráveis.


“Não é de reestruturação financeira que você precisa, é de reestruturação política que você precisa antes de investir mais dinheiro”, disse Paskal. “Se o FMI resgatar o Sri Lanka sem garantir que não esteja mais alinhado com Pequim, terá subsidiado o investimento chinês e reforçado politicamente um país que se torna um representante chinês.”


Gordon G. Chang é o autor de The Coming Collapse of China , um ilustre membro sênior do Gatestone Institute e membro de seu Conselho Consultivo.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.gatestoneinstitute.org/18545/sri-lanka-crisis-china

13 views0 comments