China envia navios de guerra perto de Taiwan e interrompe negociações de defesa com os EUA

- BLOOMERG - Cindy Wang e Rebecca Choong Wilkins - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 5 AGO, 2022 -


Pequim também impõe sanções não especificadas a Nancy Pelosi


Alto diplomata dos EUA diz que China está tentando mudar o status quo


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


A China continuou nesta sexta-feira seus exercícios militares mais provocativos em décadas e interrompeu as negociações de defesa com os EUA, à medida que as relações entre as maiores economias do mundo se deterioram após a viagem da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, a Taiwan.


Um dia depois de provavelmente disparar mísseis sobre a ilha de 23 milhões de pessoas, a China enviou navios de guerra pela linha mediana do Estreito de Taiwan na primeira incursão em anos. O Exército de Libertação Popular (sigla em inglês PLA) também enviou aviões de guerra pela fronteira definida pelos EUA, disse o Ministério da Defesa de Taiwan, no terceiro dia consecutivo de voos desde a visita de Pelosi.


O Ministério das Relações Exteriores da China anunciou sanções não especificadas contra Pelosi e sua família imediata pelo que disse ser sua “provocação flagrante”. Embora em grande parte simbólica, a medida faz da presidente da Câmara a funcionária americana de mais alto escalão sancionada por Pequim. A ação foi anunciada logo após Pelosi deixar o Japão após encerrar sua dramática viagem de uma semana.


Além de interromper as negociações com os EUA sobre defesa, a China anunciou que cancelaria um diálogo com líderes militares e interromperia as discussões sobre o clima - uma área em que as duas nações encontraram um terreno comum nos últimos anos.


“A China optou por exagerar e usar a visita da presidente Pelosi como pretexto para aumentar a atividade militar provocativa dentro e ao redor do Estreito de Taiwan”, disse o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, na sexta-feira em uma cúpula regional no Camboja, acusando a China de tentar mudar status quo no Estreito de Taiwan. “Não há justificativa para essa resposta militar extrema, desproporcional e escalada”.


Na quinta-feira, Pequim quebrou outro precedente ao disparar quatro mísseis balísticos sobre Taiwan e no que o Japão considera sua zona econômica exclusiva, segundo o Ministério da Defesa japonês. Embora nem a China nem Taiwan tenham confirmado as rotas de voo dos mísseis, o Comando do Teatro Oriental do PLA compartilhou uma reportagem da mídia estatal com um especialista dizendo que eles sobrevoaram a ilha. O Pentágono planejava manter o porta-aviões USS Ronald Reagan e seu grupo de ataque nas proximidades para monitorar a situação.

Mapa das trajetórias dos mísseis mostrou que pelo menos uma das armas teria sobrevoado Taipei antes de pousar na ZEE do Japão – um movimento que seria visto como uma grande escalada por Pequim.

O presidente Xi Jinping intensificou sua campanha de pressão de anos contra Taiwan depois que Pelosi se tornou a autoridade de mais alto escalão dos EUA em um quarto de século a visitar a ilha. O líder chinês precisa parecer forte enquanto defende os interesses territoriais do país da interferência estrangeira antes de uma remodelação do Partido Comunista na qual ele deve garantir mais cinco anos no poder.


"É uma demonstração de força que solidifica o poder político de Xi em casa e abre caminho para sua reeleição no terceiro mandato", disse Michael Raska, professor assistente da Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Cingapura. “O perigo é, claro, que ambos os lados possam interpretar mal as intenções estratégicas um do outro, e uma crise futura pode desencadear uma escalada não intencional, que paradoxalmente, ambos os lados pretendem evitar.”


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


A China denunciou a visita da terceira funcionária [na escala de sucessão] dos EUA como uma violação da promessa dos EUA há 50 anos de não reconhecer formalmente o governo de Taiwan, que Pequim reivindica como seu território. Os exercícios foram a demonstração de força mais provocativa de Pequim desde pelo menos 1995, quando disparou seis mísseis no mar durante vários dias após uma visita dos EUA do então presidente de Taiwan, Lee Teng-hui.


A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying, defendeu a resposta da China como “justificada e necessária” na sexta-feira. "Esta é uma luta contra a hegemonia, contra a interferência e contra a secessão", disse Hua em uma coletiva de imprensa regular em Pequim.


O Departamento Marítimo e Portuário de Taiwan disse na quinta-feira aos navios para evitar áreas designadas ao redor da ilha até 8 de agosto em águas a leste da ilha, sugerindo que Taipei acredita que os exercícios podem durar um dia a mais do que Pequim anunciou inicialmente.


Ao todo, o PLA disparou 11 mísseis em áreas de exercícios militares instaladas ao redor da ilha, disse o Ministério da Defesa de Taiwan. Também enviou 22 aviões de guerra sobre a linha mediana definida pelos EUA na quinta-feira pelo segundo dia consecutivo – o maior número desde que a ilha começou a divulgar dados em 2020.


Investidores de ações pareceram superar rapidamente o incidente depois que os reguladores locais sinalizaram a disposição de adotar medidas estabilizadoras, se necessário. O índice de ações de referência de Taiwan subiu 2,3% na sexta-feira para apagar suas perdas da semana.


O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse a Pelosi na sexta-feira em Tóquio que condenava fortemente os lançamentos de mísseis da China e que seu governo havia instado Pequim a cancelar seus exercícios militares imediatamente. Pelosi disse que havia apoio bipartidário em ambas as casas do Congresso para manter o status quo em Taiwan.


“Se não falarmos pelos direitos humanos na China por causa de interesses comerciais, perdemos toda a autoridade moral para falar sobre direitos humanos em qualquer lugar do mundo”, disse Pelosi.


Com assistência de Dan Murtaugh, Daniel Flatley, Jing Li e Isabel Reynolds


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.bloomberg.com/news/articles/2022-08-05/china-warships-cross-taiwan-strait-in-sign-drills-continuing?srnd=premium


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!




17 views0 comments

Related Posts

See All