China engana ambientalistas ocidentais

- THE EPOCH TIMES - Stu Cvrk - 11 JAN, 2022 -

Esta vista aérea tirada com um drone mostra poluição sendo emitida por fábricas de aço em Hancheng, província de Shaanxi, China, em 17 de fevereiro de 2018. (Fred Dufour/AFP/Getty Images)

A busca da China por emissões líquidas zero é uma farsa


Pequim é só conversa e nenhuma ação em termos de atingir sua meta de emissões líquidas zero.


O líder chinês Xi Jinping declarou em 2020 que a China será “neutra em carbono” e alcançará “emissões líquidas zero” até 2060. Este anúncio foi recebido com muito alarde pelos defensores da energia verde em todo o mundo.


De acordo com o jornal estatal Global Times, Pequim também está “totalmente envolvida” no esquema de comércio de carbono dos verdes.


“O mercado nacional de carbono da China, o maior sistema de comércio de emissões [emissions trading system] (ETS) do mundo, foi lançado oficialmente na sexta-feira, marcando um marco para a inovação institucional do país em impulsionar o desenvolvimento verde e um passo crucial para o país descarbonizar sua economia até 2060”, disse o relatório.


Desde esse grande anúncio, tem havido muitos artigos na mídia estatal chinesa cantando as virtudes da grande marcha da China comunista para um futuro verde.


Aqui estão algumas das manchetes do Agitprop dessa narrativa tresloucada:


• “China aberta a trabalhar com os EUA no Acordo de Paris” • “A hora de tomar medidas climáticas é agora” • “Verde é ouro – Xi Jinping inova na luta contra as mudanças climáticas” • “O caminho verde levará à neutralidade de carbono” • “Formulação do plano de carbono ganhando velocidade” • “Analistas elogiam os compromissos climáticos de Xi”


Em 7 de janeiro, o último agitprop do jornal comunista China Daily afirmou que a China é a editora número um de estudos de emissão líquida zero no mundo.


“A China tem uma liderança clara na publicação de pesquisas nas últimas duas décadas relacionadas à meta climática mundial de atingir emissões líquidas zero-carbono, descobriu um relatório recente. … A China produziu cerca de 400.000 publicações relacionadas, seguida pelos Estados Unidos com 280.000”, segundo o relatório.


Mas o PCC é realmente sério sobre alcançar a neutralidade de carbono e emissões líquidas zero, ou isso é apenas mais uma de suas cabeças falsas? E todos esses estudos chineses valem alguma coisa em termos de ações concretas tomadas?


Duas definições são a fim de enquadrar a resposta a essas perguntas:


Carbono neutro refere-se ao processo de fabricação, produção de energia ou uso de energia “que não tem ou resulta em adição líquida de dióxido de carbono à atmosfera”, de acordo com o dicionário Merriam-Webster.


Este é um eufemismo criado por defensores da energia verde associados à suposição não comprovada e ao suposto “consenso de 97% entre os cientistas” (desmascarado aqui) de que o dióxido de carbono gerado pelo homem causa o “aquecimento global”.


Emissões líquidas zero envolvem uma determinada entidade – por exemplo, um país, uma indústria ou uma fábrica – que alcançou “um equilíbrio geral entre as emissões de gases de efeito estufa produzidas e as emissões de gases de efeito estufa retiradas da atmosfera”, de acordo com o Climate Council.


Este é outro eufemismo verde baseado nas teorias não comprovadas em torno do “aquecimento global antropogênico”.


Emissões neutras em carbono e emissões líquidas zero são ferramentas políticas que os defensores da energia verde estão usando para desregulamentar a economia e criar novos fluxos de receita associados à compra e venda de créditos de carbono – como parte de um sistema grandioso de comércio e troca de carbono que será gerenciado pelos “governos verdes” em todo o mundo.


O conceito é que as “indústrias sujas” (por exemplo, aquelas cujos subprodutos de fabricação incluem dióxido de carbono e outros chamados “gases de efeito estufa”) serão fortemente regulamentadas. Essas indústrias serão forçadas a comprar créditos fiscais de carbono em troca de indústrias verdes que subproduzem sua cota governamental de gases de efeito estufa, a fim de compensar sua “poluição” definida pelo governo.


As empresas são incentivadas financeiramente (por exemplo, subsidiadas com dinheiro do contribuinte) para reduzir suas emissões abaixo de suas anuências de carbono. Com o tempo, isso permitiria que os governos inclinassem a balança em favor das indústrias verdes.

Uma usina movida a carvão é vista expelindo fumaça nos arredores de Linfen, na província chinesa de Shanxi, nesta foto sem data. Linfen é considerada uma das cidades com a pior poluição do ar do mundo. (Peter Parks/AFP/Getty Images)

A primeira incursão significativa da China no comércio de carbono começou com a criação da estatal Shanghai Environment and Energy Exchange (SEEE) em agosto de 2008. A empresa “é especializada em mitigação de mudanças climáticas e serviços de adaptação, incluindo China Carbon Emission Reduction (CCER), financiamento de carbono, eficiência energética, transferência de tecnologia climática e consultoria de planejamento e estratégias de desenvolvimento de baixo carbono”, segundo AlliedCrowds. A empresa dirigiu esquemas de comércio de emissões voluntários e não voluntários que evoluíram para um mercado de conformidade de emissões em 2014.


Como resultado desses comportamentos, os chineses implementaram um esquema nacional de comércio de emissões (ETS) em julho de 2021 como o elemento-chave do Mercado Nacional de Carbono. De acordo com o Business for Social Responsibility, o ETS nacional da China acabará por “cobrir um total de oito setores (geração de energia, petroquímica, química, materiais de construção, incluindo cimento, aço, metais não ferrosos, papel e celulose e aviação)”.


O Mercado Nacional de Carbono da China e o ETS se alinham aos planos dos defensores da energia verde na Europa e nos Estados Unidos, manifestados por meio do Acordo de Paris, que compromete os signatários a reduzir as emissões de gases de efeito estufa por meio de ações diretas. As trocas de carbono e os ETSs nacionais são vistos como os mecanismos de controle governamental que levarão a um “novo futuro verde para a humanidade”.


Mas isso é apenas uma fachada que mascara os verdadeiros objetivos verdes da China?

O Gatestone Institute sugeriu que o real objetivo verde de Pequim é reduzir a competitividade dos EUA enquanto aumenta a vantagem competitiva da China e expande a dependência mundial da fabricação chinesa e da produção de produtos verdes.


O Instituto destacou os seguintes pontos-chave: 1) A seriedade de Pequim em reduzir as emissões não se manifesta em seu último plano quinquenal, que não contém metas concretas ou ações necessárias para reduzir as emissões de dióxido de carbono; e 2) o Acordo de Paris dá à China (e à Índia) uma “carona livre de carbono” no curto prazo, enquanto a China está de fato aumentando rapidamente as emissões de dióxido de carbono.


Enquanto isso, os países europeus e os Estados Unidos são obrigados a atingir metas reais de emissões e reduções sob o Acordo de Paris, sobrecarregando ainda mais suas economias por meio de regulamentações verdes, enquanto a China permanece livre para expandir e poluir.


Um relatório do Rhodium Group em maio passado revela que a China é o maior emissor mundial de gases de efeito estufa [greenhouse gases] (GEE) com 27% do total em 2019, conforme descrito aqui:

Uma captura de tela do estudo do Rhodium Group. (Captura de tela via The Epoch Times)

As emissões de GEE da China em 2019 representaram um aumento de 25% em relação a 2009 – a tendência coincide com a evolução do Mercado Nacional de Carbono da China e ETS descritos acima.


Em suma, o impacto nas emissões e no plano para alcançar a neutralidade de carbono do ETS chinês foi insignificante. Agora sabemos o que realmente significa “emissões líquidas zero com características chinesas”.


As emissões zero com características chinesas também parecem ofuscar a expansão da produção de energia chinesa. Apesar de ser o maior emissor de carbono do mundo, a China encomendou mais capacidade a carvão em 2020 do que o resto do mundo desativou.


“O boom de carvão da China em 2020 mais do que compensou as reduções da capacidade de carvão no resto do mundo, levando ao primeiro aumento no desenvolvimento da capacidade global de carvão desde 2015.”, de acordo com relatório da Oilprice.com.


Apenas verdes e políticos ocidentais acreditam na propaganda do PCC de que a China alcançará “emissões líquidas zero” até 2060.


Por fim, é importante lembrar que os ativistas verdes ocidentais não limitam sua defesa a “parar o aquecimento global”. Seus interesses incluem deter a poluição de todos os tipos e proteger o meio ambiente em todos os aspectos. O foco verde do PCC tem sido principalmente nas mudanças climáticas porque há muito dinheiro a ser ganho na produção de componentes de tecnologia verde necessários ao resto do mundo, incluindo baterias, painéis de energia solar e veículos elétricos. O PCC está interessado em ganhar dinheiro em vez de “proteger o meio ambiente” (e “deter o aquecimento global causado pelo homem”).


Talvez esta seja a razão pela qual o PCC e sua mídia nunca discutem os seguintes problemas ambientais na China:


Ploriferação de algas tóxicas: superdesenvolvimento, incluindo escoamento de fertilizantes não tratados, resíduos de fábricas e esgoto humano, levou à poluição das fontes de água e produziu proliferação de algas tóxicas que tornam a água imprópria para o consumo e peixes e outros frutos do mar tóxicos.


Poluição tóxica da água: as descargas de águas residuais nos rios e no Mar da China Meridional têm sido extensas. O Greenpeace testou e detectou a presença de uma série de produtos químicos perigosos nas águas costeiras chinesas, incluindo ftalatos, antimônio e nonilfenol etoxilados (NPEs).


Poluição do ar: as pessoas na China continental usavam máscaras muito antes do surto de COVID-19; elas foram usados por causa da qualidade do ar horrível em muitas grandes cidades. A qualidade do ar chinês é afetada negativamente devido a descargas industriais não processadas, incluindo mercúrio, sulfatos, ozônio, carbono negro e também poeira do deserto da Mongólia.


Poluição do solo: as terras chinesas são atormentadas por “resíduos industriais que vazam das fábricas para o solo e atividades agrícolas, como a aplicação de fertilizantes e o uso de água poluída para irrigação”, de acordo com um relatório da Deutsche Welle (DW). Essa poluição levou a epidemias locais de câncer em várias áreas industriais do país (que não são relatadas na mídia chinesa). Pense em uma dúzia de Love Canals sem a limpeza.

Uma visão geral de uma refinaria de terras raras, ao norte da cidade de Baotou, na Mongólia Interior, na China, em 20 de agosto de 2012. Na orla da cidade chinesa de Baotou, um lago de 10 quilômetros quadrados está enegrecido pela poluição de fábricas de processamento de terras raras, elementos essenciais para a produção de telefones celulares e computadores. (Ed Jones/AFP via Getty Images)

Poluição plástica: Mais de 200 milhões de metros cúbicos de resíduos plásticos foram encontrados flutuando nas costas chinesas em 2018, principalmente “nas regiões do delta dos rios Yangtze e Pearl”, de acordo com o UK Independent. O artigo afirma ainda que a China é o principal gerador mundial de resíduos plásticos.


Conclusão


Xi Jinping e seus estenógrafos (taquígrafos) na mídia estatal chinesa anunciam grandiosamente a meta da China de alcançar “emissões líquidas zero” até 2060. Pesquisadores chineses estão produzindo fervorosamente estudos de emissões zero e white papers. Mas a China continua a liderar o mundo na construção de usinas de energia a carvão, ignorando outros problemas desafiadores de poluição ambiental que estão levando à morte de cidadãos chineses e investindo no desenvolvimento e fabricação de tecnologia verde para ganho monetário. Palavras versus ações. Emissões líquidas zero com características chinesas.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Stu Cvrk se aposentou como capitão depois de servir 30 anos na Marinha dos EUA em uma variedade de capacidades ativas e de reserva, com considerável experiência operacional no Oriente Médio e no Pacífico Ocidental. Por meio de educação e experiência como oceanógrafo e analista de sistemas, Cvrk é graduado pela Academia Naval dos EUA, onde recebeu uma educação liberal clássica que serve como base fundamental para seus comentários políticos.


ARTIGO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/china-fools-western-environmentalists_4201349.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


14 views0 comments