China enfrenta problemas de segurança alimentar

- THE EPOCH TIMES - Antonio Graceffo - Tradução César Tonheiro - 27 SET, 2021 -

Um agricultor chinês pulverizando pesticida em um campo de trigo no condado de Chiping em Liaocheng, província de Shandong, leste da China, em 15 de março de 2017. (STR / AFP / Getty Images)

As novas reformas agrícolas de Xi Jinping se parecem muito com as políticas da era Mao. Como um jogo de tabuleiro, envolve movimentar pessoas e recursos, planejar o aumento da produção de alimentos e quanto será armazenado para o futuro, quem receberá quais recursos e quem será favorecido pelo Partido Comunista Chinês (PCC).


As políticas agrícolas de Mao mataram 30 milhões de pessoas. Xi provavelmente se sairá melhor, mas apenas por causa das importações de alimentos da França, Austrália, Estados Unidos, Holanda e Nova Zelândia.


Em 2020, como resultado da pandemia, inundações e uma série de outros fatores externos, a China enfrentava uma escassez de alimentos, à medida que os preços dos alimentos disparavam. Embora certos aspectos da economia pandêmica estejam melhores neste ano, a China ainda enfrenta os mesmos problemas sistêmicos, a saber, que o país tem muitas pessoas e não tem terra arável suficiente — cerca de 60% menos de terra arável per capita do que a maioria dos outros países. Enquanto isso, a população não só está crescendo, mas se tornando mais rica, exigindo mais carne e mais alimentos em geral.

A carne bovina australiana é vista em um supermercado em Pequim, em 12 de maio de 2020. (Greg Baker / AFP via Getty Images)

O PCCh advertiu seus cidadãos que a disparada dos preços da energia diminuirá o fornecimento de fertilizantes, impactando negativamente a segurança alimentar. Pequim planeja alocar o suprimento de produtos químicos e matérias-primas para fabricantes de fertilizantes, a fim de garantir que os suprimentos não acabem. A China usa quatro vezes a média global de fertilizantes, o que é incrivelmente prejudicial ao meio ambiente e representa uma ameaça à saúde humana.


Globalmente, os preços dos fertilizantes estão subindo devido a condições climáticas extremas e paralisações de fábricas, bem como à demanda da China. A China, sozinha, responde por 30% do consumo mundial de fertilizantes. Os agricultores estão sendo duramente atingidos, e o PCCh espera que a situação piore. A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC) está reprimindo o acúmulo de ureia e o aumento dos preços. Apesar de serem favorecidos pelo Partido, os produtores de ureia estão passando por momentos difíceis porque usam carvão, sujeitando-os às repressões de poluição de Pequim.


Apesar dos melhores esforços da China, eles ainda dependem fortemente do trigo e de outras importações de alimentos. As importações de alimentos da China de US $ 170 bilhões são mais que o dobro do tamanho de suas exportações de US $ 76 bilhões.

Trabalhadores transportam produtos de soja importados em um porto em Nantong, província de Jiangsu, China em 9 de abril de 2018. (Reuters)

A mídia estatal China Daily mantém uma página na web sobre “Pensamento de Xi Jinping”. Inclui histórias com títulos como “Xi Comentários sobre Esportes”, “Xi Solicita Transição Estável no Afeganistão”, “Xi Compromisso com o Clima” e outros. Recentemente, houve um impulso relacionado à reforma agrícola, promovendo o apoio de Xi aos agricultores. Agora que o suprimento de alimentos da China está ameaçado, o PCCh está tentando incluir os moradores rurais em seus planos de desenvolvimento econômico.


Um dos vídeos de propaganda na página Pensamento de Xi Jinping chama-se “Xi Jinping orgulhoso de ter sido um produtor rural”, que mostra Xi encontrando uma família de cafeicultores na Costa Rica. Os costarriquenhos comentaram como ele era modesto e como se orgulhava de sua história como produtor rural. Outro vídeo de propaganda explicou como por meio de Xi e do PCC, os sistemas de gestão agrícola foram criados com aplicativos de telefone celular que os agricultores podem usar para modernizar suas fazendas. O PCCh estabeleceu uma meta oficial de que, até 2035, todas as regiões deveriam alcançar a modernização agrícola e rural.


A modernização é apenas um componente das reformas agrárias do PCCh. Assim como na era Mao, os agricultores da China ainda estão sob um sistema de responsabilidade por contrato doméstico. Os agricultores não podem ser donos da terra em que trabalham. Em vez disso, são propriedades rurais coletivas, que alocam os direitos de uso da terra para famílias elegíveis.


Pequim insiste que o país deve manter uma “linha vermelha” de 120 milhões de hectares de terras cultiváveis permanentemente plantadas com alimentos, para que o país possa ser autossuficiente. O PCC planeja usar tecnologia, como organismos geneticamente modificados, para melhorar o rendimento das safras. Também fornecerá subsídios aos agricultores para o cultivo de grãos. Por outro lado, a “linha vermelha” também sugere que os moradores rurais sejam forçados a permanecer como moradores rurais para manter as fazendas cultivadas.

Um agricultor chinês trabalha em um campo de plantio de arroz híbrido na cidade de Changsha, província de Hunan, em 20 de junho de 2006. O Ministério da Agricultura chinês fez experimentos com arroz transgênico em animais, e os especialistas agora propõem que as autoridades impulsionem a industrialização dos arrozais transgênicos. (Imagens de Guang Niu / Getty)

O ministro da Agricultura, Tang Renjian, anunciou planos de “revitalização rural”, incluindo a transferência e arrendamento de terras rurais. As medidas visavam fechar a divisão urbano-rural, estabilizar a economia e ajudar centenas de milhões de agricultores que não puderam ir para a cidade e trabalhar durante os bloqueios. Antes da pandemia, a família rural média ganhava cerca de 1/3 do que ganhavam seus conterrâneos que moravam nas cidades. É por isso que quase 300 milhões de moradores rurais migram para as cidades em busca de trabalho a cada ano.


As promessas de Xi de melhorar a situação dos agricultores são feitas por medo da escassez de alimentos, e não por qualquer compromisso legítimo de aumentar significativamente a riqueza dos trabalhadores agrícolas. Alterar o sistema de responsabilidade familiar e outros programas de revitalização rural não fechará essa enorme lacuna de riqueza, nem encerrará o desejo de deixar a fazenda e trabalhar nas fábricas nas cidades. E se assim fosse, a China teria uma escassez de cerca de 300 milhões de operários.


Em 2020, Xi estava promovendo uma campanha “termine seu prato” ou (não jogue comida). Este ano, para combater a potencial escassez de alimentos, o PCCh adotou uma estrita campanha de propaganda e censura, forçando mensagens sobre como evitar o desperdício de alimentos. As plataformas de vídeo também começaram a remover "programas de glutonaria" (Mukbang) e punir os usuários que pesquisavam certas palavras-chave, como "programas de comidas" ou "comer competitivamente".


No início deste mês, a China sediou uma conferência sobre a redução da perda e do desperdício de alimentos. As interrupções nas cadeias de abastecimento e restrições de transporte têm causado um aumento no desperdício de alimentos, principalmente de produtos agrícolas perecíveis. De acordo com o China Daily, cerca de 25% dos alimentos produzidos na China são perdidos ou desperdiçados. Durante os bloqueios da COVID-19, os alimentos pereceram nos campos porque não puderam ser colhidos ou deterioraram durante o transporte, que demorou mais do que o normal devido as restrições de transporte ou falta de motoristas. Outros alimentos deterioraram quando as fábricas de processamento foram fechadas.


A ameaça de escassez de alimentos é o suficiente para o PCCh engolir seu orgulho e negociar com o inimigo. Apesar de outras disputas comerciais com a Austrália, a China já comprou previamente cerca de 2,2 milhões de toneladas de trigo australiano. Enquanto isso, a China diminuiu drasticamente as importações de carvão australiano e as tarifas continuam em vigor contra o vinho e a cevada australianos.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Antonio Graceffo, PhD., passou mais de 20 anos na Ásia. Ele é graduado pela Shanghai University of Sport e possui um MBA na China pela Shanghai Jiaotong University. Antonio trabalha como professor de economia e analista econômico da China, escrevendo para vários meios de comunicação internacionais. Alguns de seus livros sobre a China incluem "Além do Belt and Road: a expansão econômica global da China" e "Um curso rápido sobre a economia chinesa".


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/china-faces-food-security-issues_4017011.html


Para acessar o Conteúdo acima: https://www.heitordepaola.online/


4 views0 comments