China em 'crise profunda', diz líder de ativos privados de Hong Kong

- FINANCIAL TIMES - Tabby Kinder e Hudson Lockett - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - ABR 28, 2022 -


O fundador do PAG, Weijian Shan, critica as políticas do zero-Covid de Pequim à medida que o crescimento do país diminui


O fundador e presidente de um dos maiores investidores de ativos privados da Ásia criticou o governo chinês por políticas que, segundo ele, resultaram em uma “profunda crise econômica” comparável à crise financeira global.



Weijian Shan, cujo grupo PAG administra mais de US$ 50 bilhões, disse que seu fundo se diversificou da China e está sendo “extremamente cuidadoso” com seu portfólio no país.

Acreditamos que a economia chinesa neste momento está na pior forma dos últimos 30 anos”, disse ele em um vídeo de uma reunião vista pelo Financial Times.


“O sentimento do mercado em relação às ações chinesas também está no ponto mais baixo dos últimos 30 anos. Também acho que o descontentamento popular na China está no ponto mais alto dos últimos 30 anos.”


No vídeo, Shan disse que grande parte da economia chinesa, incluindo seu centro financeiro Xangai, foi “semi-paralisada” por políticas “draconianas” do zero-Covid e que o impacto na economia seria “profundo”.


“A China nos parece como os EUA e a Europa em 2008”, acrescentou Shan. “Embora continuemos confiantes a longo prazo no crescimento e no potencial de mercado da China, estamos muito cautelosos em relação aos mercados da China.”


Uma pessoa com conhecimento da reunião disse que o vídeo foi gravado durante conversas com corretores como parte de um roadshow para a oferta pública inicial (IPO) da PAG em Hong Kong. A PAG entrou com um pedido de IPO de US$ 2 bilhões no mês passado, que deve ser a maior nova listagem da cidade neste ano, avaliando o grupo em até US$ 15 bilhões. Shan não respondeu a uma pergunta sobre o motivo da reunião.


Os comentários de Shan ocorrem no momento em que grupos de private equity e venture capital enfrentam dificuldades crescentes para fazer suas apostas na China valerem a pena, com muitas das empresas de rápido crescimento do país proibidas de levantar capital no exterior até que novas regulamentações sobre segurança de dados e listagens estrangeiras sejam finalizadas por Pequim. A política de zero-Covid da China, que levou a um bloqueio de cinco semanas de seu centro financeiro de Xangai, também contribuiu para uma forte liquidação das ações chinesas.


É incomum que executivos proeminentes que fazem negócios na China critiquem o país ou seu governo. No ano passado, o presidente-executivo do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, emitiu duas desculpas separadas depois de fazer uma piada de que seu banco sobreviveria ao Partido Comunista Chinês.


Shan é um dos financistas veteranos de maior destaque em Hong Kong e na China continental. Ele fundou a PAG em 2010. Anteriormente, foi sócio-gerente do grupo de private equity TPG Capital Asia e liderou a equipe do JPMorgan na China.


Shan liderou várias transações marcantes na China, incluindo a aquisição em 2005 do Shenzhen Development Bank, um dos primeiros negócios de um investidor estrangeiro em um banco chinês, quando ele estava no TPG.


No início deste ano, ele foi nomeado para o conselho do Alibaba como diretor independente. Ele também atuou nos conselhos do estatal Bank of China Hong Kong, Baosteel, um produtor de aço estatal chinês, e Lenovo, a maior empresa de computadores da China.


Pequim iniciou uma repressão regulatória sem precedentes em julho do ano passado, depois que a plataforma de compartilhamento de viagens Didi Chuxing foi listada em Nova York, apesar das advertências dos reguladores sobre as preocupações com a segurança dos dados.


A repressão, que faz parte da campanha de “prosperidade comum” do presidente Xi Jinping, dividiu os investidores. Alguns investidores internacionais acreditam que a política de prosperidade comum aumentou o risco de interferência do governo no setor privado, declarando a China “ininvestível”.


Outros argumentam que a intervenção do governo na China não inviabiliza tendências estruturais de longo prazo, como uma crescente classe média de consumidores.


Grupos de private equity e venture capital com foco na China tiveram retornos abundantes de saídas no primeiro semestre de 2021, graças a um aumento de listagens em Nova York e Hong Kong por empresas chinesas.


Isso ajudou a aumentar o interesse dos investidores e elevou os fundos arrecadados na Grande China para mais de US$ 72 bilhões no ano passado, marcando o primeiro aumento em cinco anos, segundo dados da empresa de dados de investimentos Preqin. Mas a atividade no segundo semestre caiu acentuadamente e a captação de recursos nos dois primeiros meses de 2022 totalizou apenas US$ 1,4 bilhão.


PUBLICAÇ~EO ORIGINAL >

https://www.ft.com/content/6bf52409-fe31-4f57-ae24-f2bd9146a698

29 views0 comments