China diz que sanções causam danos 'desnecessários' ao comércio com a Rússia

- BLOOMBERG - Notícias Bloomberg - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 28 MAR, 2022 -

A China rejeitou as especulações de que poderia tentar contornar as sanções internacionais contra a Rússia, enquanto reclamava que as medidas prejudicaram as relações comerciais normais com seu principal parceiro diplomático.

CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >


O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, fez as declarações na segunda-feira em resposta a uma pergunta sobre uma reportagem da Bloomberg News de que diplomatas chineses estão buscando detalhes sobre o cumprimento das sanções. Wang reiterou que a China tomaria as medidas necessárias para proteger o que considera seus direitos e interesses legítimos.


“A questão atual não é qualquer país que queira ajudar a Rússia a contornar as sanções, mas sim houve danos desnecessários ao intercâmbio comercial normal com a Rússia, inclusive entre China e Rússia”, disse Wang em uma coletiva de imprensa regular em Pequim. “Pedimos aos EUA que tratem seriamente as preocupações da China enquanto tratam da questão da Ucrânia e das relações com a Rússia e se abstenham de prejudicar os direitos e interesses legítimos da China.”


Empresas chinesas e funcionários do governo estão correndo para descobrir como cumprir as sanções lideradas pelos EUA à Rússia, aliviando as preocupações do governo Biden de que Pequim ajudará Vladimir Putin a evitá-las. Pedidos de diplomatas chineses em Washington por detalhes granulares sobre as sanções encorajaram as autoridades americanas, embora continuem cautelosas de que a China possa estar simplesmente procurando brechas para ajudar a Rússia, segundo pessoas familiarizadas com a situação.


Wang evitou uma pergunta sobre as observações do presidente dos EUA, Joe Biden, em um discurso em Varsóvia, de que Putin “não pode permanecer no poder”, apenas reiterando o apelo de Pequim para que “todas as partes” ajam com responsabilidade e desempenhem um papel construtivo.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


7 views0 comments