China deve dominar a América Latina em 5 anos

- THE EPOCH TIMES - Hannah Ng e David Zhang - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -

A China está expandindo sua influência na América do Sul para combater o domínio dos EUA no hemisfério ocidental, de acordo com o especialista em segurança Joseph J. Humire.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >


“Eles estão construindo isso gradualmente, sistematicamente, ao longo de muitos, muitos anos – ao longo de décadas”, disse Humire recentemente ao programa “China Insider” da EpochTV.


O comércio e o investimento na região têm sido essenciais para os esforços de Pequim nesse sentido. Mas esse comércio vem com condições, disse ele.


“Essas condições geralmente são a perda de sua soberania, a perda em alguns casos de seu território… para uma Sociedade Livre Segura, disse.


A China e a Argentina aprofundaram recentemente seu relacionamento ao assinar um acordo nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim em 6 de fevereiro, que adicionou o país à “Iniciativa Belt and Road” de Pequim – um projeto de investimento maciço em infraestrutura destinado a expandir a influência econômica e política mundial de Pequim. Com este acordo, a Argentina receberá US$ 23,7 bilhões em empréstimos para o desenvolvimento de infraestrutura chinesa.


Engajamentos desse tipo estão permitindo que o regime avance em sua ambição militar, de acordo com Humire.


Para ilustrar esse ponto, ele apontou para a estação de rastreamento por satélite controlada por militares chineses, instalada na província de Neuquén, noroeste da Patagônia, Argentina em 2014. A China afirmou que a estação espacial é para observação e exploração espacial pacífica. No entanto, analistas técnicos acusaram que a instalação foi voltada para a guerra eletrônica, de acordo com Humire.


“Isso significa que, em pouco tempo, eles vão pegar satélites dos EUA e jogá-los fora de órbita na América Latina … na qual os Estados Unidos deveriam ter mais influência”, disse Humire na Conferência de Ação Política Conservadora em Orlando, Flórida, em 26 de fevereiro.


O regime chinês procura usar a América Latina como alavanca contra os Estados Unidos, disse o especialista.


“Os chineses estão se certificando de que a América Latina se torne uma área inóspita para os Estados Unidos negociarem, viajarem, fazerem negócios”, disse Humire.


“Isso faz parte do cálculo estratégico para poder limitar a capacidade dos EUA de impedir as ambições da China em seu exterior próximo”, acrescentou.


A crescente influência do regime na região se reflete na mudança no relacionamento dos países sul-americanos com a autogovernada Taiwan, uma ilha que Pequim considera sua.

“Taiwan… teve um forte reconhecimento na América Latina ao longo de décadas. A China vem corroendo esse reconhecimento ao longo do tempo”, disse ele.


Consequentemente, alguns países como El Salvador e a República Dominicana mudaram seu reconhecimento de Taiwan para a China.


Enquanto isso, Guatemala e Paraguai ainda permanecem como fortes aliados de Taiwan, mas estão sendo pressionados pela China em todas as frentes para abandonar esse reconhecimento, segundo Humire.


O especialista acredita que, se a China finalmente conseguir que esses dois países mudem de posição, Pequim fará sua jogada para invadir Taiwan porque a ilha estaria mais isolada internacionalmente e sem apoio.


Ele alertou que em cinco anos a China assumiria o controle da América Latina e pediu aos Estados Unidos que “se apressem e os parem”.


“Enquanto a China estiver na América Latina, eles sempre poderão fazer ações mais agressivas no Indo-Pacífico”, disse Humire.


“E essa parte é uma séria ameaça não apenas para os Estados Unidos, mas para o mundo ocidental”, acrescentou.


Hannah Ng David Zhang é o apresentador do China Insider na EpochTV. Ele está atualmente baseado em Nova York e Washington DC cobrindo notícias relacionadas à China. Ele se concentra em entrevistas com especialistas e comentários de notícias sobre assuntos da China, especialmente questões relacionadas ao relacionamento EUA-China.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


23 views0 comments