China cria 'gêmeo digital' de americanos: especialista em segurança cibernética

- THE EPOCH TIMES - Hannah Ng - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 6 SET, 2022 -

O logotipo da empresa chinesa de genes BGI Group é visto em seu prédio em Pequim, China, em 25 de março de 2021. (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

À medida que surgem relatos de que empresas chinesas ligadas a militares coletam DNA americano, essas empresas agora são capazes de criar réplicas digitais de americanos, de acordo com John Mills, ex-diretor de política, estratégia e assuntos internacionais de segurança cibernética do Departamento de Defesa.



“Eles têm a capacidade de criar esses modelos complexos de cada um de nós. Eles estão nos tornando gêmeos digitais”, disse Mills ao programa “China in Focus” no NTD News, meio de comunicação irmão do Epoch Times.


Gêmeos Digitais


Ele apontou para o BGI Group, anteriormente Beijing Genomics Institute, que é o líder do projeto genoma do PCC, bem como um dos principais produtores de testes COVID-19.


Em 2017, o líder da empresa se gabou de ter alcançado um nível industrial de sucesso no progresso da reforma genética e edição de genes, na síntese de genes e na produção em massa de vários vírus, bactérias e grandes leveduras.


“Eles podem fazer todos os tipos de coisas nefastas sem constrangimento ou perda. Eles têm nossos dados.” Esses dados podem ser usados para adaptar um vírus de acompanhamento para atingir certas etnias não-Han, alertou Mills.


Mills se referiu à política de fusão civil-militar de Pequim, chamando as empresas chinesas de “extensões da segurança do Estado, inteligência do Estado”.


Isso inclui todas as empresas chinesas e todas as empresas constituídas na China, mesmo que sejam de origem americana, ressaltou. “Eles são os olhos, os ouvidos e os coletores.”


Isso significa que quando os americanos fornecem informações a essas empresas, seus dados vão essencialmente para a inteligência chinesa, disse Mills.


"Então eles sabem sobre cada um de nós... eu presumo que tenho um arquivo na China", acrescentou.


BGI visa pesquisadores americanos


Mills levantou mais preocupações sobre o histórico do grupo BGI de atingir pesquisadores americanos ilustres.


“Eles têm um longo histórico de atacar alguns de nossos melhores pesquisadores… há um histórico comprovado de que quase imediatamente se volta para as preocupações de segurança nacional com a China”, observou ele.


O especialista em segurança cibernética apontou programas de recrutamento chineses como o “plano mil talentos”, supostamente para atrair acadêmicos estrangeiros para trabalhar na China, processo que facilita a transferência de tecnologia e know-how para o regime.


“A China estava apenas usando dinheiro para essencialmente comprar professores e acadêmicos. Portanto, eles têm um programa muito ativo para perseguir nossa propriedade intelectual e, essencialmente, para cooptar alguns de nossos principais pesquisadores”, disse ele.


Mills se referiu ao cancelamento do governo Biden da “Iniciativa China” lançada pelo governo Trump em 2018 para combater a espionagem patrocinada pelo regime chinês e o roubo de segredos comerciais, chamando a medida de “ridícula e tola”.


“Vai levar muitos anos para… o PCC demonstrar que pode ser confiável nesses círculos porque agora, todas as evidências estão se inclinando contra eles”, disse ele.


Americanos, protejam seus registros médicos


Para ele, os americanos, principalmente os ligados ao setor governamental, não devem fazer exames de DNA. Além disso, ele sugeriu que os americanos protegessem de perto seus registros médicos.


“Esteja ciente de que tudo o que você faz digitalmente … está sendo aspirado”, alertou.


Mills instou o governo dos EUA a colocar na lista negra entidades chinesas como o BGI Group e proibi-las de operar nos Estados Unidos, citando o risco à segurança nacional.


“Acho muito imprudente deixá-los entrar porque é como uma guerra biológica”, disse ele.


“Precisamos estar extremamente, extremamente preocupados”, porque os dados coletados por testes de DNA são informações essenciais para a guerra biológica, acrescentou Mills. “Temos que olhar para isso como uma ameaça”.


“Isso está alimentando eles. Eles vêem isso como o ponto alto estratégico e de comando do confronto com o Ocidente, principalmente os Estados Unidos”, disse ele.


Antonio Graceffo e Jennifer Bateman contribuíram para este relatório.

Hannah Ng é uma repórter que cobre notícias dos EUA e da China. Ela possui mestrado em economia internacional e desenvolvimento pela Universidade de Ciências Aplicadas de Berlim.


Tiffany Méier é uma repórter de Nova York e apresentadora do programa "China em Foco" da NTD.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/china-creates-digital-twin-of-americans-cybersecurity-expert_4713756.html


44 views0 comments