China condena a OTAN após a Aliança do Atlântico afirmar que Pequim apresenta 'desafio sistemático'

- THE EPOCH TIMES - 15 JUN, 2021 - FRANK FANG - Tradução César Tonheiro -

O presidente dos EUA, Joe Biden, fala durante uma conferência de imprensa após a cúpula da OTAN na sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em Bruxelas, em 14 de junho de 2021. (Brendan Smialowski / AFP via Getty Images)

Pequim atacou a Organização do Tratado do Atlântico Norte ( OTAN ) depois que 30 líderes mundiais da aliança emitiram um comunicado crítico ao regime comunista.


“As ambições declaradas e o comportamento assertivo da China apresentam desafios sistêmicos à ordem internacional baseada em regras e às áreas relevantes para a segurança da aliança”, afirmou o comunicado após os líderes se reunirem para uma cúpula de um dia em Bruxelas, em 14 de junho.


A OTAN também expressou preocupação com as políticas coercitivas de Pequim, bem como sua rápida expansão de armas nucleares, estratégia de fusão civil-militar e “frequente falta de transparência e uso de desinformação”.


Além disso, a OTAN apelou a Pequim para “agir com responsabilidade no sistema internacional, incluindo nos domínios espacial, cibernético e marítimo”.


Os 30 líderes pediram unidade dentro da aliança para enfrentar a China. De acordo com o comunicado, a influência crescente da China e as políticas internacionais representam “desafios que precisamos enfrentar juntos como uma Aliança”.


Em resposta à posição dura da OTAN, um porta-voz da Missão Chinesa na União Europeia disse que o uso da aliança das palavras "desafio sistêmico" para descrever Pequim equivalia a "difamação ao desenvolvimento pacífico da China". O porta-voz também acusou a OTAN de manter uma “mentalidade de guerra fria”.


O porta-voz também fez uma ameaça velada: “Se alguém quiser nos impor 'desafios sistemáticos', não ficaremos de braços cruzados”.


O porta-voz do regime chinês, Global Times, em editorial publicado em 15 de junho, disse que a Otan foi “pressionada por Washington” a pronunciar suas duras palavras sobre a China.

“O futuro da Europa não está subordinado aos Estados Unidos apenas para tirar uma pequena fatia do bolo da hegemonia de Washington”, afirma o artigo.


A União Europeia teve uma mudança fundamental na sua postura em relação à China em março de 2019, quando a Comissão Europeia chamou a China de “um rival sistemático” em um relatório sobre a relação bilateral.


Embora os membros da União Europeia geralmente tenham ficado atrás dos Estados Unidos e de outros países no enfrentamento dos comportamentos malignos de Pequim, há sinais de que os governos da região estão adotando uma nova abordagem. Por exemplo, a Lituânia retirou - se recentemente da plataforma de cooperação “17 + 1” da China e a Itália anunciou que está revendo sua participação na iniciativa “Belt and Road” (BRI, também conhecido como One Belt, One Road) de Pequim.


Tanto a plataforma “17 + 1” quanto o BRI são partes essenciais das iniciativas de política externa de Pequim com o objetivo de aumentar a influência geopolítica do regime, oferecendo parceria com outros países no comércio e em outras questões.


O comunicado da OTAN foi feito um dia depois que o Grupo dos Sete (G-7) criticou o regime chinês em um comunicado após uma cúpula no balneário britânico de Carbis Bay. O grupo G-7 - que consiste em Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos - condenou Pequim por seus abusos aos direitos humanos na região de Xinjiang, no extremo oeste da China e em Hong Kong, e suas práticas de comércio injusto.


Pequim também reagiu com raiva em resposta à declaração do G-7. Um porta-voz da embaixada chinesa no Reino Unido acusou os sete líderes de "intenções sinistras" e exigiu que parassem de "caluniar a China" e "interferir nos assuntos internos da China".


Nos Estados Unidos, a deputada Lisa McClain (R-Mich.) utilizou sua conta no Twitter em 14 de junho para aplaudir a postura dura da OTAN em relação ao Partido Comunista Chinês (PCCh), fazendo uma distinção entre o país e o povo da China e os totalitários regime dominante.


“Aplaudo #NATO por FINALMENTE reconhecer o #PCC como a ameaça preeminente à democracia ocidental e à liberdade no mundo”, escreveu McClain, antes de acrescentar “Agora, @POTUS deve agir!”


Na noite de segunda-feira, o senador Tom Cotton (R-Ark.) Disse à Fox News que o presidente Joe Biden não fez o suficiente enquanto se reunia com outros líderes mundiais nas cúpulas do G-7 e da OTAN.


“Todos esses líderes europeus querem que o dinheiro chinês continue inundando seus países, tudo sob risco de nossa segurança comum”, disse Cotton.


Ele acrescentou: “E Joe Biden simplesmente não pressionou o suficiente para que nossos aliados europeus reconhecessem a China como a principal ameaça que enfrentamos e que o mundo livre enfrenta”.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/china-denounces-nato-after-the-atlantic-alliance-says-beijing-poses-systematic-challenge_3858867.html


Para acessar o Conteúdo acima, acesse a Home Page aqui. https://www.heitordepaola.online/


28 views0 comments