China bloqueia o maior centro de atacado do mundo devido ao novo surto de C0V1D-I9

- THE EPOCH TIMES - Alex Wu - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 7 AGO, 2022

Movimentadores de contêineres transportam contêineres no porto ferroviário de Yiwu, província de Zhejiang, China, em 15 de abril de 2017. (Reuters)

Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


O regime comunista chinês colocou o maior centro atacadista do mundo, a cidade de Yiwu, no leste da China, em semi-bloqueio devido a um novo surto de COVID-19. Enquanto isso, o “Havaí da China” no Mar do Sul da China também foi bloqueado devido a um surto repentino. Os novos bloqueios renovaram as preocupações com interrupções no comércio global e nas cadeias de suprimentos.

De acordo com dados oficiais, desde que novas infecções foram relatadas em 2 de agosto, o COVID-19 se espalhou rapidamente em Yiwu, uma cidade de 1,85 milhão, e para muitos municípios e cidades vizinhas. Um total de 135 casos foram relatados oficialmente alguns dias depois, em 4 de agosto.


Desde o início da pandemia, o regime chinês escondeu a real escala de seus surtos locais e é suspeito pelo mundo exterior por subnotificar o número de casos no país.


A rápida disseminação nessa onda de infecções por COVID-19 na cidade é causada pela variante Omicron mais infecciosa BA.5.2.


As autoridades de Yiwu ordenaram uma série de medidas de controle em 4 de agosto, colocando a cidade em um estado de semi-bloqueio indefinido. Todos os residentes são obrigados a fazer testes de PCR COVID-19, estão proibidos de entrar e sair de suas comunidades residenciais, a menos que seja considerado necessário pelas autoridades; e deve ter um resultado negativo do teste COVID-19 nas últimas 24 horas para entrar em um local público. Enquanto isso, o transporte público e serviços não essenciais foram suspensos e a maioria das áreas turísticas está fechada.

Trabalhadores fazem horas extras de bolas de futebol para processar pedidos adicionais de clientes russos, brasileiros e outros clientes estrangeiros na Aokai Sports Goods Co., Ltd., em Yiwu, província de Zhejiang da China, em 5 de julho de 2018. (VCG/Stringer via Getty Images)

A cidade de Yiwu tem sido um importante porto e centro de exportação para várias pequenas commodities em todo o mundo por muitos anos. É o maior hub atacadista do mundo. Existem mais de 2 milhões de pequenas e médias empresas na China continental com conexões comerciais com Yiwu.


Perdas econômicas, interrupções na cadeia de suprimentos global


O bloqueio indefinido da cidade levantou preocupações de que as restrições COVID-19 do Partido Comunista Chinês (PCC) agravem ainda mais a crise econômica da China e interrompam as cadeias de suprimentos globais, especialmente a de pequenas commodities.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Xie Zhanwen (pseudônimo), proprietário do Qingkou Baolong Plaza em Yiwu, disse ao Epoch Times que casos de infecção foram encontrados no mercado noturno de Qingkou e que toda a área foi bloqueada. As autoridades não informaram as empresas locais sobre quanto tempo o fechamento estará em vigor.


Zhang Xiaofeng (pseudônimo), vendedor da Small Commodity City em Yiwu, disse: “O surto desta vez é sério e há muitos casos confirmados no distrito de Jiangdong. A maioria das empresas em Yiwu Small Commodity City está temporariamente fechada e a perda econômica é enorme. Jantar no local é proibido, mas takeaways ainda são permitidos, por enquanto.”

Vendedores que vendem acessórios de natação caminham na praia de Sanya Bay em Sanya, província de Hainan, China, em 26 de novembro de 2020. (Reuters/Tingshu Wang/File Photo)

Enquanto isso, a variante Omicron BA.5.1.3 causou um rápido surto de COVID-19 em Sanya, uma famosa cidade turística na China conhecida como “Havaí da China” e um importante porto do Mar do Sul da China desde 4 de agosto. Autoridades fecharam a cidade e fecharam todos os voos de entrada e saída em 6 de agosto, deixando 80.000 turistas retidos na cidade. Espera-se que as medidas “COVID-zero” causem mais danos à economia em declínio da China, bem como ao comércio internacional.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Além disso, as tensões no Estreito de Taiwan estão aumentando à medida que o PCC defende seu princípio de “Uma China” excluindo a Taiwan democrática liberal, o que pode prejudicar ainda mais o comércio global e as cadeias de suprimentos. Após a visita histórica de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, a Taiwan, o PCC vem realizando exercícios militares, enviando navios de guerra para o Estreito de Taiwan e lançando mísseis no mar do sul da China e em águas internacionais, inclusive dentro da ZEE do Japão. (Zona econômica exclusiva).


Os exercícios militares estão atrapalhando as principais rotas marítimas de carga e mercadorias na região, já que os navios precisam navegar pelo Estreito nas águas circundantes.


Xu Meng'er e Hong Ning contribuíram para o relatório.


Alex Wu é um escritor norte-americano do Epoch Times com foco na sociedade chinesa, cultura chinesa, direitos humanos e relações internacionais.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/china-locks-down-worlds-largest-wholesale-hub-south-china-sea-port-due-to-new-covid-19-outbreak_4648301.html


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


11 views0 comments