China ameaça o colapso da Europa

- THE EPOCH TIMES - Anders Corr - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 20 ABR, 2022 -

A bandeira ucraniana tremula ao lado da bandeira da União Europeia do lado de fora da sede do Parlamento Europeu para mostrar seu apoio à Ucrânia depois que a nação foi invadida em 24 de fevereiro pela Rússia, em Bruxelas, em 28 de fevereiro de 2022. (François Walschaerts/AFP via Getty Images)

Europa e América devem responder com tropas tripwire [dissuasor nuclear] em Taiwan


Enquanto o presidente russo, Vladimir Putin, escala a guerra na Ucrânia para ameaças nucleares, massacres e estupros sistêmicos de crianças em cidades como Bucha, a China continua seu apoio diplomático à Rússia, inclusive agora ameaçando a dissolução da União Europeia.



O Global Times, controlado pelo Estado da China, sugeriu a ideia sob o pretexto de um aviso amigável em 18 de abril, depois que o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy disse que os ucranianos estão preparados para travar uma guerra de dez anos contra a Rússia. Tal guerra, advertiu o mais nacionalista dos porta-vozes de Pequim, poderia levar ao desmembramento da Europa e seu controle pelos Estados Unidos.


“É exatamente devido ao fluxo contínuo de ajuda econômica e militar dos EUA e da OTAN que prolongou o conflito militar, animando a Ucrânia a lutar uma guerra de 10 anos”, segundo o autor anônimo do Global Times.


Após uma “década sangrenta” de guerra pela Ucrânia, “a Europa, enredada em uma guerra, perderá completamente sua autonomia de segurança e se tornará totalmente dependente do guarda-chuva dos EUA. Terá que enfrentar uma crise de 10 anos em energia, alimentos, refugiados e inflação. A turbulência social virá à tona. O bloco [UE] pode até se dividir sobre a questão.”



Apesar da parceria “sem limites” entre Pequim e Moscou, destinada a dissuadir os Estados Unidos, eles esclareceram recentemente que a violência na Ucrânia aparentemente é inteiramente culpa de nosso malvado país capitalista e seus cães de estimação da OTAN.


O Partido Comunista Chinês (PCC) procura assim desviar a culpa e usar ameaças e táticas de medo contra Bruxelas para separá-la de Washington. Não é difícil entender o porquê.


Juntas, as duas superpotências democráticas e seus aliados em lugares como Japão e Taiwan, do ponto de vista econômico e cada vez mais militar, são a melhor esperança do mundo para defender o sistema internacional contra os planos de Pequim e Moscou de expandir territorialmente e criar um “novo tipo” das relações internacionais.


Se a Ucrânia e Xinjiang são alguma indicação, esse “destino comum” imaginado por Pequim não será um passeio no parque. Na melhor das hipóteses, será um desenvolvimentismo totalitário do tipo que cria cidades fantasmas e incorporadores imobiliários falidos em inadimplência. Na pior das hipóteses, genocídio e guerra civil surgirão em todos os continentes, à medida que os cidadãos de países anteriormente democráticos resistirem ao tipo de neocolonialismo distribuído pelo PCC aos uigures em Xinjiang. Pode ser um e depois o outro. Todos nós precisamos acordar e mitigar o risco de qualquer um dos itens acima.


No curto prazo, Pequim quer que a União Europeia ceda às exigências russas e pressione Zelenskyy para que conceda o controle de toda a Ucrânia a Moscou. Isso fortaleceria a credibilidade da ameaça de Pequim contra Taiwan e tornaria a unificação forçada da democracia insular mais provável e com menos esforço.

O líder chinês Xi Jinping e a presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen falam por videoconferência com o presidente do Conselho Europeu e chefe de política externa da União Europeia durante uma cúpula UE-China no prédio do Conselho Europeu em Bruxelas em 1º de abril de 2022. (Olivier Matthys/POOL /AFP via Getty Images)

Também aliviaria uma grande fonte de desconforto diplomático em Pequim, que está aumentando a atenção por sua incapacidade de denunciar a flagrante violência dos militares russos.


Mas Moscou e Pequim calcularam mal a unidade e o compromisso de Washington, Bruxelas e Londres em proteger a Ucrânia do ataque sangrento de Putin. Não somos tolos.


Conforme observado por Didi Tang no The Times de Londres em 19 de abril: “Pequim está tentando semear a divisão no Ocidente explorando quaisquer diferenças entre a política europeia e americana de apoio à Ucrânia. Pequim está preocupada que uma frente unida prejudique suas ambições de rivalizar com Washington”.


Cada vez mais, repórteres como Tang estão relatando categoricamente a estratégia de dividir e conquistar de Pequim para alcançar a hegemonia global. É refrescante, mas insuficiente para parar o PCC.


Pequim já está tomando notas sobre a Ucrânia e revisando seus planos de invadir Taiwan. De acordo com uma fonte militar chinesa citada pelo Nikkei Asian Review em 20 de abril, os planejadores militares da China esperam invadir Taiwan dentro do período de sete dias que levaria os fuzileiros navais dos EUA estacionados em Okinawa para obter permissão de Washington para desembarcar e reforçar militarmente, a democracia insular. Para impedir isso, dado o poder demonstrado das armas defensivas americanas e aliadas usadas contra invasores russos, Pequim está aumentando seu arsenal nuclear.


Em outras palavras, o PCC planeja ameaçar com uma guerra nuclear contra os Estados Unidos para impedi-lo de proteger Taiwan. A Rússia está insinuando uma ameaça semelhante agora, para impedir o influxo de suprimentos militares para as forças ucranianas.


Pequim e Moscou estão, portanto, tentando usar suas armas nucleares não apenas como uma força de dissuasão, mas como uma força compulsiva. Eles querem obrigar as democracias do mundo a seguir suas vontades e, se tiverem meia chance, o farão.

Tudo isso para dizer que a democracia, da qual os Estados Unidos, a UE e aliados como o Japão são os maiores defensores do mundo, conta com a unidade desses países, e mais, para manter a pressão de sanções econômicas a Moscou e carregamentos de armas aos bravos defensores da Ucrânia.


Mas vamos pensar além da guerra hoje. Afinal, a Ucrânia é uma lição prática sobre o fracasso da dissuasão fraca. Os ucranianos acabarão vencendo a guerra, mas somente depois de perder milhões de cidadãos e dezenas de cidades para as bombas de Putin.


A democracia também depende de uma dissuasão eficaz, que só pode ser alcançada através da força. A dissuasão em Taiwan é atualmente fraca, convidando assim a um ataque de Pequim. Para evitar essa triste eventualidade e proteger a democracia em nível global, é necessário aumentar a defesa de Taiwan pela colocação preventiva de defesas. Estes podem e devem incluir tropas de tripwire e armas nucleares.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Anders Corr tem bacharelado/mestrado em ciência política pela Universidade de Yale (2001) e doutorado em governo pela Universidade de Harvard (2008). Ele é diretor da Corr Analytics Inc., editora do Journal of Political Risk, e realizou extensas pesquisas na América do Norte, Europa e Ásia. Seus livros mais recentes são “A Concentração de Poder: Institucionalização, Hierarquia e Hegemonia” (2021) e “Grandes Potências, Grandes Estratégias: o Novo Jogo no Mar da China Meridional” (2018).


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


17 views0 comments

Related Posts

See All