China 3º trimestre desacelera para 4,9% em meio a crise de energia e problemas imobiliários

- THE EPOCH TIMES - Dorothy Li - Tradução César Tonheiro - 18 OUT, 2021 -

Crescimento econômico da China no 3º trimestre desacelera para 4,9% em meio a crise de energia e problemas imobiliários


A economia da China registrou um crescimento mais lento do que o esperado no terceiro trimestre, enquanto o país enfrenta o agravamento da crise de energia e problemas com propriedades.


Os dados mais recentes divulgados pelo National Bureau of Statistics (NBS) da China em 18 de outubro mostraram que o crescimento anual do produto interno bruto (PIB) no terceiro trimestre atingiu a baixa de 4,9%, desacelerando de 7,9% no segundo trimestre.


A segunda maior economia do mundo teve uma recuperação muito elogiada da queda pandêmica do ano passado, mas a recuperação perdeu força com o crescimento de 18,3% registrado no primeiro trimestre.


Muitos analistas revisaram para baixo suas projeções para o crescimento econômico da China neste ano devido a preocupações sobre os riscos decorrentes da endividada Evergrande, cortes de energia, interrupções na cadeia de abastecimento e repressão regulatória em setores de tecnologia a propriedade. No entanto, a desaceleração no trimestre de julho a setembro ainda é mais acentuada do que o esperado.


O porta-voz da NBS, Fu Linghui, durante a conferência de segunda-feira em Pequim, atribuiu o fraco desempenho a fatores como surtos esporádicos de COVID-19 e impactos de enchentes.


As recentes inundações, que atingiram as principais regiões produtoras de carvão da China, as províncias de Shanxi e Shaanxi, forçaram as minas de carvão a interromper a produção e elevou o preço do carvão a uma alta recorde, aprofundando a crise energética do país.

Usina termoelétrica a carvão atrás de uma fábrica na cidade de Baotou, na Região Autônoma da Mongólia Interior da China, em 31 de outubro de 2010. (David Gray / Reuters)

Redução Energética


A China está passando por uma crescente crise de energia, que levou ao racionamento de eletricidade em 16 das 31 províncias e regiões do país, que vão desde o centro industrial de Guangdong, no Sul, até o cinturão de ferrugem nordeste de Liaoning. Os cortes de eletricidade, junto com as políticas restritivas de Pequim sobre a emissão de energia que visam combater as mudanças climáticas, afetaram a produção da fábrica e interromperam várias indústrias, especialmente as produtoras de cimento e aço com uso intensivo de energia. [falta de eletricidade na China é mentira].


Dados divulgados na segunda-feira mostraram que a produção industrial cresceu apenas 3,1% em setembro em relação ao ano anterior, desacelerando de 5,3% em agosto. Também marca o crescimento mais lento desde março de 2020, durante a primeira onda da pandemia.

A produção de alumínio caiu pelo 5º mês consecutivo, e a produção diária de aço bruto atingiu o nível mais baixo desde 2018.


A influência do aumento do custo da energia também se refletiu no índice de preços ao produtor de setembro, um valor que mede as flutuações dos preços dos produtos na porta da fábrica, que cresceram pelo ritmo mais rápido em 25 anos.

Uma vista aérea mostra a comunidade Evergrande Changqing em Wuhan, província de Hubei, China, em 26 de setembro de 202. (Getty Images)

Problemas imobiliários


Os dados de segunda-feira também revelaram fraqueza no setor imobiliário do país, uma indústria que contribui com quase 1/3 do PIB da China.


As novas construções iniciadas em setembro caíram pelo sexto mês consecutivo, mostraram os dados da NBS, a maior onda de quedas mensais desde 2015.


A maior incorporadora imobiliária do país, Evergrande, que possui 1.300 projetos em mais de 280 cidades, está enfrentando um possível calote, uma vez que luta com mais de US $ 300 bilhões em dívidas.


Os temores do colapso da empresa, bem como de seus efeitos colaterais na economia em geral, aumentaram depois que o desenvolvedor imobiliário endividado perdeu três rodadas de pagamentos de cupom de títulos nos últimos meses.


Embora o banco central da China recentemente tenha minimizado a crise, dizendo que os riscos relacionados a Evergrande eram "controláveis", um analista sugeriu que os problemas estavam a sinalizar o "fim do boom econômico do país".


Contrariando a tendência negativa, as vendas no varejo cresceram 4,4%, mais rápido que as previsões e o crescimento de 2,5% em agosto. No entanto, o número pode ser afetado em outubro, já que as autoridades em pelo menos quatro províncias impuseram uma nova rodada de bloqueios regionais na segunda-feira para combater o surto de COVID-19. Um grupo de turistas de Xangai foi confirmado infectado com o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) depois de viajarem por quatro províncias do nordeste da China.


“A maioria dos fatores [negativos] são impulsionados por políticas ... a economia está passando por muitos pontos fracos, e esses pontos fracos não vão desaparecer logo porque as políticas vieram para ficar e, portanto, continuarão em 2022", disse Iris Pang, economista-chefe para a grande China do ING.


Os analistas do Barclays cortaram suas previsões para o quarto trimestre em 1,2%, para 3,5%, com os dados decepcionantes. Analistas do ANZ reduziram sua previsão para o crescimento do PIB da China em 2021 de 8,3% para 8,0%.


Rita Li e Reuters contribuíram para este relatório.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/chinas-third-quarter-economic-growth-slows-to-4-9-amid-power-crunch-property-woes_4055407.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


14 views0 comments