China é o principal parceiro do Talibã, afirma o porta-voz do Talibã

- THE EPOCH TIMES - 2 SET, 2021 - Eva Fu - Tradução César Tonheiro -

O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, fala durante uma entrevista coletiva em Cabul, Afeganistão, em 17 de agosto de 2021. (Stringer / Reuters)

Um porta-voz do Taleban elogiou Pequim como o "parceiro principal" e financiador enquanto o grupo se move para construir uma governança nacional e desenvolver a economia do Afeganistão.

“A China é nosso principal parceiro e representa para nós uma oportunidade fundamental e extraordinária porque está disposta a investir e reconstruir nosso país”, disse o porta-voz do Talibã, Zabiullah Mujahid, ao jornal italiano La Repubblica em 1º de setembro.

Mujahid fez os comentários quando o grupo militante, que assumiu o controle do Afeganistão de maneira dramática no mês passado, comemorou a retirada final das tropas americanas do país, encerrando um conflito de 20 anos.

Mas o dinheiro se tornou uma preocupação urgente para o Taleban depois que os Estados Unidos bloquearam o acesso do grupo a bilhões de ativos afegãos mantidos em contas bancárias americanas, enquanto o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional suspenderam os financiamentos ao Afeganistão.

Com a falta de dinheiro, o Taleban parece apostar em Pequim, que nos últimos dias sinalizou disposição para construir laços com o grupo - embora ainda não tenha reconhecido formalmente o regime talibã.

Mujahid disse que o Taleban está "muito interessado" na iniciativa Belt and Road (BRI) da China, um projeto de infraestrutura de um bilhão de dólares patrocinado pelo líder chinês Xi Jinping que visa expandir a influência econômica e política do regime em todo o mundo. Embora o Afeganistão seja um membro formal do BRI, nenhum projeto foi iniciado dentro do plano.

O porta-voz também fez referência ao investimento atualmente inativo da China em um projeto de desenvolvimento de mina de cobre no país. “Também temos ricas minas de cobre que, graças aos chineses, poderão voltar à atividade e ser modernizadas”, disse Mujahid.

A China, acrescentou ele, “é a nossa porta de entrada para os mercados em todo o mundo”.

O cofundador do Talibã, Mullah Abdul Ghani Baradar (L) e o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, posam para uma foto durante sua reunião em Tianjin, China, em 28 de julho de 2021. (Li Ran / Xinhua via AP)

O Talibã expressou mais entusiasmo pelo envolvimento do BRI em uma ligação com o ministro das Relações Exteriores chinês Wu Jianghao em 2 de setembro.

Na ligação, Abdul Salam Hanafi, um membro sênior da equipe de negociação do Taleban, chamou a China de "amigo de confiança do Afeganistão", de acordo com uma leitura do Ministério das Relações Exteriores chinês.

Hanafi expressou o desejo de “apoiar ativamente e participar” do projeto BRI que ele disse que “contribuirá para a prosperidade da região”.

Para fomentar a amizade Afeganistão-China, Hanafi jurou que o Taleban "não permitirá de forma alguma que nenhuma força ameace os interesses chineses", uma referência implícita a militantes uigures que Pequim teme que possam lançar ataques a Xinjiang, uma região na fronteira com o Afeganistão onde Pequim encarcerou mais de 1 milhão de minorias étnicas muçulmanas em campos de internamento [concentração].

O regime chinês prometeu assistência ao Afeganistão governado pelo Taleban. Em uma coletiva de imprensa na quarta-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, descreveu o controle do país pelo Taleban como uma "nova página em sua história" e disse que Pequim "continuará a fornecer assistência máxima ao Afeganistão para a realização antecipada da paz e da reconstrução.”

O Taleban prometeu formar um “governo inclusivo” e dar anistia àqueles que lutaram contra eles ou trabalharam para o agora derrubado governo afegão. Mas tais promessas foram recebidas com ceticismo tanto dentro do país quanto entre a grande diáspora do Afeganistão.

Famílias afegãs se reúnem para receber alimentos distribuídos por uma organização cristã sediada em Islamabad nos arredores de Chaman, uma cidade na província do Baluchistão, no sudoeste do Paquistão, na fronteira com o Afeganistão, em 31 de agosto de 2021. Dezenas de famílias afegãs cruzaram para o Paquistão através do a fronteira sudoeste de Chaman um dia depois de os EUA encerrarem sua presença militar de 20 anos no país controlado pelo Taleban. (Foto AP)

Um refugiado afegão que trabalhava para o governo antes da tomada do Taleban descobriu, desde sua fuga, um grande grupo de membros do Taleban visitou sua casa para exigir informações sobre seu paradeiro. Ele disse ao Epoch Times que três afegãos que ele conhecia foram detidos e torturados por membros do Taleban durante três dias, e foram libertados somente após assinar um documento dizendo que eles não deixariam o país nem revelariam sua detenção e tortura ao público.

Nas últimas semanas, Pequim aproveitou a crise do Afeganistão como propaganda para desacreditar os Estados Unidos. A mídia chinesa em inglês, CGTN, recentemente pediu a Washington que “chegue a um acordo com o Talibã”, “trabalhe conosco” e retire as sanções.

Enquanto alguns analistas argumentam que o regime chinês tem muito a ganhar no país ao preencher o vazio deixado pelos Estados Unidos, permanecem dúvidas se ele pode manter uma relação viável com o Taleban, cuja cooperação provavelmente dependerá do financiamento chinês.

Forças do Taleban montam guarda no portão de entrada do Aeroporto Internacional Hamid Karzai um dia após a retirada das tropas dos EUA em Cabul, Afeganistão, em 31 de agosto de 2021. (Stringer / Reuters)

“Se o PCCh não quiser ou não puder fornecer as finanças esperadas a tempo, ou se a China fizer algo que não agrade ao Talibã, o Talibã morderá muito rápido as mãos chinesas que os alimentam”, disse ao Epoch Times, Frank Lehberger, pesquisador sênior com a Fundação Usanas, com sede na Índia.

Pequim, por sua vez, está lutando com a possibilidade de um alastramento da militância na região ao redor do Afeganistão, onde já enfrenta um aumento da violência contra os trabalhadores chineses dos projetos do BRI.

Dois ataques suicidas recentes contra cidadãos chineses no Paquistão mataram pelo menos nove que trabalhavam no projeto BRI no Paquistão.

“A China pensa que pode controlar o Talibã”, mas sua vitória está inspirando outros grupos insurgentes, como o grupo terrorista Tehreek-e-Taliban do Paquistão, que é “muito oposto à China”, Gordon Chang, autor de “The Coming Collapse da China ”, disse em recente webinar da Epoch TV.

“Podemos ver toda a região pegando fogo e, nesse caso, a China seria um grande alvo”, acrescentou Chang.

PUBLICAÇÃO ORIGINAL: https://www.theepochtimes.com/china-is-our-main-partner-says-taliban-spokesperson_3979181.html

Para acessar o Conteúdo acima, acesse a Home Page aqui. https://www.heitordepaola.online/


38 views0 comments