CEOs de Wall Street questionados sobre laços com China e Rússia por legisladores dos EUA

BLOOMBERG - Max Reyes - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - COMENTÁRIO HEITOR DE PAOLA - 21 SET, 2022 -

Vão parar nada! Farão como na II GM, continuaram financiando Krupp von Bohlen e Thyssen até a debacle final do III Reich. Financiara Stalin durante o Holodomor, mesmo sabendo do que estava acontecendo. Direitos humanos? Ora, e o direito dos seus bolsos? Não são mais importantes?

HEITOR DE PAOLA -


Jane Fraser, do Citigroup Inc., foi forçada a responder se o seu banco retiraria negócios da China se os militares do continente invadissem Taiwan. Jamie Dimon foi pressionado se o JPMorgan Chase & Co. cortaria os laços com as empresas russas.



Os legisladores aproveitaram as recentes tensões políticas e questões sociais polêmicas em uma audiência com os presidentes-executivos dos maiores bancos de varejo dos Estados Unidos na quarta-feira. Representantes do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara investigaram sobre tudo, desde a escalada do conflito na Ucrânia, igualdade racial, financiamento de combustíveis fósseis, e até sobre mão de obra escrava.


“É claro que há preocupações, há divergências, mas é assim que a democracia funciona”, disse Maxine Waters, democrata da Califórnia que preside o comitê, durante a audiência de seis horas e meia. “Temos trabalhado muito e continuaremos interagindo com os agentes econômicos.”


Maxine Waters — Fotógrafo: Al Drago/Bloomberg

A amplitude das perguntas serviu como um lembrete do alcance expansivo dos megabancos, como Waters os chamou. Eles também ocorrem quando a economia dos EUA enfrenta uma posição precária, com a inflação atingindo as máximas de uma década, aumentando o espectro da recessão. Os executivos-chefes foram forçados a discutir a abordagem de suas empresas para ajudar os consumidores a lidar com a alta dos preços e os riscos crescentes de recessão nos EUA.


Dimon, CEO do maior banco dos EUA, disse que os consumidores estão em ótima forma agora, mas reconheceu que há chance de uma recessão leve, que os eventos geopolíticos podem exacerbar.


Saúde do consumidor


Brian Moynihan, CEO do Bank of America Corp., disse que os consumidores têm mais dinheiro em suas contas do que nunca, mas reconheceu que a inflação e o desemprego estão agindo contra eles. Os comentários dos CEOs vieram pouco antes de o Fed aumentar as taxas de juros em 0,75% pela terceira vez consecutiva na tarde de quarta-feira e prever que chegariam a 4,6% em 2023.


Brian Moynihan — Fotógrafo: Al Drago/Bloomberg

Os executivos enfrentaram perguntas difíceis sobre suas ambições na China, com legisladores perguntando sobre relatos de abusos de direitos humanos lá e preocupações sobre sua abordagem a Taiwan. O deputado Blaine Luetkemeyer, do Missouri, perguntou a executivos de bancos se uma invasão da ilha os levaria a retirar negócios da China.


Fraser, do Citigroup, respondeu em linha com outros bancos — que buscaria orientação do governo dos EUA antes de tomar uma decisão. Mas Luetkemeyer queria saber o que ela faria se o governo dissesse que o Citigroup poderia responder como quisesse. “É uma questão hipotética, mas é altamente provável que tenhamos uma presença materialmente reduzida, se houver alguma, no país”, disse Fraser.


Brad Sherman, um democrata da Califórnia, pediu respostas “sim ou não” quando pressionou os bancos sobre seus laços com empresas russas. A resposta de Dimon — ele disse que o banco está seguindo as instruções do governo dos EUA — isso provocou uma repreensão do legislador.


Em outra troca, os CEOs foram questionados por Al Green, um democrata do Texas, a levantar a mão se uma pessoa que não fosse branca iria dirigir seus respectivos bancos dentro de uma década. Apenas uma mão se levantou – Truist Financial Corp. O CEO Bill Rogers Jr.


Os democratas também tentaram extrair promessas dos bancos de eliminar as taxas de cheque especial até 2025, enquanto os republicanos pressionaram os executivos a se comprometerem a continuar com o financiamento de combustíveis fósseis.


David Salomão — Fotógrafo: Hollie Adams/Bloomberg

Notavelmente, David Solomon, do Goldman Sachs Group Inc., e James Gorman, do Morgan Stanley, dois dos maiores nomes de Wall Street, não estiveram presentes na audiência, pois nenhum dos bancos tem grandes operações de consumo.


As escolhas de Biden


Parlamentares democratas e republicanos vêm discutindo há meses o papel que os credores e os reguladores financeiros de Washington devem desempenhar em questões sociais mais amplas. As escolhas do presidente Joe Biden para atuar como vice-presidente de supervisão do Fed enfrentaram perguntas difíceis de legisladores republicanos sobre o papel que os reguladores devem desempenhar no combate às mudanças climáticas, por exemplo.


Michael Barr, o segundo candidato de Biden, ganhou a aprovação bipartidária do Senado ao dizer que não deixaria questões sociais orientarem sua posição na supervisão de Wall Street e começou o cargo como principal regulador bancário dos EUA em julho. Os CEOs tergiversaram em torno de questões relacionadas sobre decisões de empréstimos para indústrias como produtoras de energia e fabricantes de armas.


Executivos devem testemunhar perante o Senado na quinta-feira, e membros dessa câmara deixaram algumas indicações sobre quais questões planejam levantar.

Mark Warner — Fotógrafo: Ting Shen/Bloomberg

O senador Mark Warner, democrata da Virgínia, disse em entrevista antes da audiência de quarta-feira que está interessado em ouvir a perspectiva dos executivos do banco sobre o setor não bancário e de fintech, que eclipsou os bancos em algumas atividades, incluindo a originação de hipotecas.


“Imagino que suas visões sejam mais pró-bancárias, obviamente, mas há uma espécie de questão de estrutura regulatória em torno do setor não bancário”, disse ele. “Tenho algumas dúvidas sobre o que eles estão fazendo em termos de produtos de consumo, principalmente se estivermos entrando nesse patamar mais alto de juros. Acho que ainda teremos grandes desafios em torno da habitação.”


A senadora Elizabeth Warren, democrata de Massachusetts, foi um pouco mais tímida sobre o que gostaria de perscrutar na audiência: “Você descobrirá na quinta-feira”.


— Com assistência de Benjamin Bain, Laura Davison e Jennifer Surane


ORIGINAL >

https://www.bloomberg.com/news/articles/2022-09-21/wall-street-ceos-grilled-on-china-russia-ties-by-us-lawmakers?leadSource=uverify%20wall


11 views0 comments