Cavalo de Tróia 5G

26/04/2020


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro



A China deve lançar um novo plano este ano chamado “China Standards 2035”, com o objetivo de influenciar o funcionamento da próxima geração de tecnologias, de telecomunicações a inteligência artificial. Os padrões definirão como algumas tecnologias funcionam e sua interoperabilidade em todo o mundo. Os especialistas descreveram os padrões como algo que pode “moldar o campo de jogo e o cenário para o futuro dessas tecnologias”. Mas a China terá desafios para desalojar o domínio da Europa e dos EUA, disseram especialistas. 


Artigo completo clique: https://www.cnbc.com/2020/04/27/china-standards-2035-explained.html Harry G. Broadman, economista que trabalhou em importantes funções do governo dos EUA, organização internacional, setor privado e acadêmico durante sua carreira de mais de 30 anos, sugere “a bifurcação tecnológica, que poderia comprometer fundamentalmente o aproveitamento dos benefícios globais dos avanços da ciência e da tecnologia”, é um dos aspectos mais arriscados de tirar os Estados Unidos da China. Em inglês simples, o argumento de Broadman é que, sem a globalização, que é amplamente sustentada pelo relacionamento EUA-China, as tecnologias seguem seu próprio caminho, desenvolvendo padrões e especificações para as regiões em que emergem, em vez de seguir um padrão globalizado comum em todo o mundo. "Ele está enganado", disse Robert Spalding, referindo-se às opiniões de Broadman sobre a bifurcação tecnológica. Spalding é um brigadeiro-general da Força Aérea aposentado e arquiteto da Estratégia de Segurança Nacional dos EUA, que nomeou a China como adversária. Ele agora é membro sênior do Instituto Hudson, em Washington, e autor do recente livro "Guerra furtiva: como a China assumiu o poder enquanto a elite americana dormia". O verdadeiro perigo, Spalding disse ao Epoch Times em uma extensa entrevista, está na contínua luta pelo domínio da tecnologia e padrões móveis de quinta geração - 5G - que já estão começando a mudar a maneira como os dados são coletados e usados em todo o mundo. "Os EUA foram os primeiros a desenvolver o smartphone em 4G", disse Spalding. Como resultado, "dominamos o mercado da informação". Mas à medida que o mundo passa para o 5G, os riscos são maiores se o “conceito de dados abertos” e os “mercados de dados abertos” dessas redes 4G forem mantidos. Na Europa, o conceito de dados abertos já "criou preocupação com a proteção da privacidade". Na China, no entanto, os mercados abertos de dados criam uma oportunidade global. "Nas mãos da China", disse Spalding, dados abertos "permitem que o Estado tome o poder que o Google e a Amazon têm". O "estado" na China é liderado e administrado pelo Partido Comunista Chinês (PCC). "A capacidade dessas empresas de identificar sua localização e as coisas que você está fazendo e comprando é incrivelmente poderosa e contrária às preocupações com a privacidade e contrária aos princípios de nossas democracias liberais", disse Spalding. Spalding destacou que “à medida que o Android e a Apple se tornam menos participantes dominantes no 5G, agora a Tencent e o Alibaba e o DJI e a Hikvision podem começar a dominar esse espaço de dados. Então, passamos de um mundo centrado nos EUA para um centralizado no Baidu e Tencent.” Todas as cinco empresas são empresas de tecnologia chinesas vinculadas ao PCC. Alibaba e Tencent geralmente estão entre as 10 principais empresas de internet do mundo em capitalização de mercado. “É por isso que ele está enganado [sobre o problema da bifurcação tecnológica]. É positivo se mudarmos para um sistema de dados focado em privacidade e segurança e soberania e na implantação de 5G seguros ”, disse Spalding. Referindo-se a Broadman, Spalding disse que "o que ele está defendendo é que a China domine o espaço tecnológico". Spalding disse que o 3GPP, o órgão sob o qual as principais organizações de padrões de telecomunicações do mundo operam e coordenam, é fortemente dominado pela China. Como os fabricantes de equipamentos de rede americanos “não devem sobreviver”, restam apenas quatro empresas no mundo que fabricarão os equipamentos de rede para o futuro 5G. Essas empresas são Ericsson, Nokia, Samsung e Huawei da China - todas sujeitas aos padrões que são tão fortemente influenciados pelas especificações técnicas chinesas. Portanto, funcionalmente, Spalding ressalta que, embora a Ericsson e a Nokia sejam suecas e finlandesas, respectivamente, e a Samsung seja sul-coreana, elas acabam construindo o mesmo sistema que a Huawei. “Essencialmente”, disse Spalding, “todo mundo está construindo uma rede chinesa baseada em dados abertos, não em uma rede segura. É por isso que ele está incorreto. Sua teoria promove a China”, disse Spalding. "Ao permitir que a China esteja no sistema comercial global, você está realmente minando as premissas fundamentais" desse sistema, disse Spalding. Esse sistema comercial global tem "uma abordagem baseada no mercado para alocação de capital e comércio". "A China não é uma economia de mercado", disse Spalding. Spalding disse anteriormente que a China não é "uma economia planejada centralmente, mas tem recursos centrais". "Quando o estado está fornecendo recursos e capital para uma empresa, isso não é uma solução baseada no mercado", disse ele. “Os preços são fixados pela China, não pelo mercado. "Se você realmente quer ter um sistema de livre comércio ... então a China não pode fazer parte porque não acredita nele". Artigo completo clique:  https://www.theepochtimes.com/opposition-to-decoupling-from-china-misses-the-problem-of-5g_3327628.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online