Canadá enviou vírus Nipah para Wuhan

- THE EPOCH TIMES - Omid Ghoreishi - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 10 AGO, 2022 -


Laboratório realiza 'pesquisa mais perigosa' em Nipah, cientista testemunha ao Senado dos EUA


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Um cientista americano testemunhou recentemente em uma audiência no Senado dos EUA que sua pesquisa fornece evidências de que o Instituto Wuhan de Virologia realizou pesquisas de biologia sintética sobre o vírus mortal Nipah. Alguns cientistas estão expressando preocupação com o envio dos vírus Nipah e Ebola para um laboratório potencialmente envolvido em tais pesquisas.


“O vírus Nipah é um vírus menor que o SARS2 [vírus causador do COVID-19] e é muito menos transmissível. Mas é um dos vírus mais mortais, com letalidade superior a 60%. Isso é 60 vezes mais mortal que o SARS2”, disse Steven Quay, médico-cientista de Seattle, a um subcomitê do Senado em uma audiência em 3 de agosto.


Quay, que esteve anteriormente no corpo docente da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford por cerca de uma década, disse ainda que o trabalho em Nipah no laboratório de Wuhan não foi realizado em instalações de nível de biossegurança 4 (BSL-4), que têm o mais alto nível de biossegurança, mas sim em instalações BSL-2 ou -3 com protocolos de segurança mais baixos.


“Esta é a pesquisa mais perigosa que já encontrei”, disse ele.


Em entrevista ao Epoch Times, Quay disse que acordos internacionais proíbem a biologia sintética de certos vírus letais, como Nipah e Ebola. A biologia sintética envolve criar ou redesenhar entidades e sistemas biológicos. Um exemplo de biologia sintética é a pesquisa de ganho de função (GoF), que envolve aumentar o nível letal ou a transmissibilidade de patógenos.


O Laboratório Nacional de Microbiologia do Canadá (NML) em Winnipeg enviou amostras dos vírus Nipah e Ebola para o Instituto Wuhan de Virologia (WIV) em março de 2019, após receber uma solicitação do laboratório chinês. A remessa foi organizada pela cientista chinesa Xiangguo Qiu, que trabalhava no NML na época, com permissão de seus superiores. Qiu e seu marido, Keding Cheng, foram alvo de uma operação da RCMP no laboratório em julho de 2019 e foram posteriormente demitidos por motivos não revelados.

O Laboratório Nacional de Microbiologia em Winnipeg em uma foto de arquivo. (John Woods/The Canadian Press)

Quay disse que sua pesquisa se baseou no exame das informações dos primeiros pacientes com COVID-19 que a China carregou em bancos de dados internacionais e na descoberta de “20 contaminantes inesperados” que não são esperados em espécimes humanas, incluindo o vírus Nipah e outros materiais, como genes de madressilva. Ele disse que esses materiais provavelmente estavam contidos nos espécimes devido à contaminação cruzada de outras pesquisas no WIV.


Quay disse que, exceto o vírus Nipah, os outros 19 itens que ele e seus colaboradores acharam que “não deveriam estar em um humano” foram publicados em artigos científicos do WIV, com o instituto explicando, por exemplo, o trabalho que eles estavam realizando com genes de madressilva ou vírus de cavalo.


“Assim, 19 de nossas descobertas foram validadas e estávamos testando com precisão o que estava acontecendo no laboratório nos dois anos anteriores. Mas uma coisa que eles não publicaram foi esse trabalho do vírus Nipah. Não há nenhuma publicação sobre isso”, disse ele.


Quay disse que a cepa do vírus Nipah que eles encontraram não era a mesma que o Canadá enviou ao WIV.


Joe Wang, Ph.D, que anteriormente liderou um programa de desenvolvimento de vacinas para SARS no Canadá com uma das principais empresas farmacêuticas do mundo, diz que é preocupante para o Canadá enviar amostras de vírus para um laboratório envolvido em tal pesquisa.


“No mínimo, o WIV poderia estar usando as amostras enviadas pelo Canadá para fins comparativos com a pesquisa de biologia sintética na outra cepa Nipah”, disse Wang, que agora é presidente da NTD Television Canadá, um meio de mídia irmã do Epoch Times no Canadá.


Bernard Massie, Ph.D., pesquisador de virologia que se aposentou do Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá como diretor geral interino, diz que “pensaria duas vezes” antes de enviar amostras de vírus mortais para o WIV. Ele acrescenta que, com a tecnologia de hoje, também é prático para os laboratórios construir suas próprias sequências de vírus, mas isso exige mais esforço.


“É certamente muito mais rápido obter um isolado viral do que construí-lo todas as vezes. É mais conveniente”, disse ele em entrevista.


O Epoch Times entrou em contato com a Agência de Saúde Pública do Canadá (PHAC), responsável pela NML, mas não recebeu resposta até o momento da publicação.


Documentos internos de NML divulgados pelo Parlamento mostram que, quando um gerente do NML perguntou por que o laboratório estava sendo solicitado pelo WIV para amostras de vírus, um membro da equipe disse que historicamente tem sido mais fácil obter material do NML em comparação com os laboratórios dos EUA e que os laboratórios próximos não não tem a capacidade de enviar tais amostras.

Especialistas trabalham dentro do laboratório P4 em Wuhan, capital da província chinesa de Hubei, em 23 de fevereiro de 2017. (Johannes Eisele/AFP via Getty Images)

Durante uma reunião do comitê parlamentar em março de 2021, os parlamentares desafiaram a alta administração do NML sobre por que o laboratório permitiu o envio de vírus Nipah e Ebola para o WIV.


O diretor científico interino da NML, Guillaume Poliquin, disse aos parlamentares que o laboratório só enviou as amostras para o WIV depois de receber a garantia de que nenhuma pesquisa do GoF ocorreria.


O deputado conservador John Williamson disse em resposta que a palavra de um laboratório estatal chinês não pode ser confiável, já que o regime chinês “tem um histórico de roubo e mentiras”.


NML


Antes de ser expulsa do NML, Qiu viajou várias vezes para o WIV, ajudando a treinar o pessoal do laboratório no nível 4 de biossegurança.


Qiu também colaborou e publicou artigos com pesquisadores militares chineses, incluindo o major-general do Exército de Libertação Popular Chen Wei.


Qiu e seu marido Cheng, juntamente com um grupo de estudantes chineses, foram escoltados do NML em julho de 2019 em meio a uma investigação policial. Os dois foram formalmente demitidos do laboratório em janeiro de 2021.


O governo federal se recusou a fornecer detalhes sobre por que Qiu e Cheng foram demitidos, citando preocupações com privacidade e segurança nacional. Isso foi contestado pelos partidos da oposição, com deputados na Câmara dos Comuns emitindo uma ordem no Parlamento anterior exigindo que o governo divulgasse as informações.


O governo levou o presidente da Câmara ao tribunal para reter os documentos e, mais tarde, desistiu do processo quando uma eleição foi convocada em 15 de agosto e o Parlamento foi dissolvido.


Cathy He contribuiu para este relatório.


Omid Ghoreishi é um repórter do Epoch Times baseado em Toronto.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/canada-sent-nipah-virus-to-wuhan-lab-conducts-most-dangerous-research-on-nipah-scientist-testifies-to-us-senate_4655383.html


30 views0 comments

Related Posts

See All