Build Back Better World, ou B3W para rivalizar com o Belt & Road Initiative, ou BRI

- THE EPOCH TIMES - 15 SET, 2021 - Emel Akan - Tradução Cáser Tonheiro -

A Presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, discursa durante um debate sobre "O Estado da União Europeia" em uma sessão plenária em Estrasburgo em 15 de setembro de 2021. (YVES HERMAN / POOL / AFP via Getty Images)

UE lança novo programa de combate à 'diplomacia da armadilha da dívida' da China Vermelha

Von der Leyen critica as práticas de trabalho forçado de Pequim: 'Os direitos humanos não estão à venda - a qualquer preço.'


A União Europeia anunciou em 15 de setembro que está introduzindo um novo programa de investimento chamado “Global Gateway” para rivalizar com o polêmico programa de desenvolvimento da China, o Belt and Road Initiative (BRI), que deixou muitos países pobres com pesadas dívidas.


Em seu discurso sobre o estado da União, a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, disse que o novo programa seria "um modelo" para os investimentos e projetos futuros da Europa em todo o mundo.


“Somos bons no financiamento de estradas. Mas não faz sentido para a Europa construir uma estrada perfeita entre uma mina de cobre de propriedade chinesa e um porto de propriedade chinesa”, disse ela a legisladores no Parlamento Europeu.


“Precisamos ser mais inteligentes quando se trata desses tipos de investimentos.”


A China tem sido governada como um Estado de partido único desde que o partido comunista chegou ao poder em 1949. Até a administração Trump começar a desafiar o regime por desrespeitar a lei internacional e seus abusos generalizados de direitos humanos, o Ocidente por mais de 40 anos tinha sido de engajamento com a China na esperança de que o regime comunista liberalizasse o país. Mas o oposto aconteceu.


Com a mudança das marés globais, Von der Leyen disse que a UE refinou seu foco e quer fazer investimentos em “infraestrutura de qualidade” em uma “abordagem baseada em valores, oferecendo transparência e boa governança” para outros países.


“Queremos criar links e não dependências”, acrescentou.


Seu anúncio foi feito depois que os líderes do Grupo dos Sete (G-7) em junho se comprometeram a fornecer uma “alternativa democrática” ao BRI da China para lidar com a lacuna de infraestrutura nos países pobres, que foi exacerbada pela pandemia.


As necessidades totais de infraestrutura nos países em desenvolvimento hão de ultrapassar US $ 40 trilhões em 2035, de acordo com um informativo da Casa Branca.


Para reduzir essa lacuna de infraestrutura e conter a influência crescente de Pequim em todo o mundo, os líderes das sete nações mais ricas do mundo lançaram uma nova iniciativa, chamada Build Back Better World, ou B3W, para ajudar a financiar pontes, portos, estradas e outros projetos de infraestrutura em desenvolvimento de países.


Desde o seu lançamento em 2013, o BRI da China, também conhecido como One Belt, One Road (OBOR), despejou bilhões de dólares em projetos de infraestrutura na África, América Latina, Europa Oriental e Ásia. Nos últimos anos, entretanto, Pequim foi acusada de usar a “diplomacia da armadilha da dívida” para atrair muitas nações para sua órbita.

Uma manifestante segura um slogan durante uma manifestação em frente ao Consulado Chinês no distrito financeiro de Makati, região metropolitana de Manila, Filipinas, para marcar o Dia da Independência em 12 de junho de 2019. O secretário de defesa filipino diz que um barco pesqueiro filipino ancorado naufragou no disputado Sul da China Mar após ser atingido por um suspeito navio chinês que abandonou os 22 tripulantes filipinos. (Aaron Favila / AP)

Aldeões do Sri Lanka gritam slogans durante um protesto no vilarejo de Mirijjawila em Ambalantota, Sri Lanka, em 7 de janeiro de 2017. A polícia do Sri Lanka usou canhões de água para tentar interromper confrontos violentos no sábado entre apoiadores do governo e moradores que marchavam contra o que eles dizem ser um plano para assumir o controle de terras privadas para uma zona industrial na qual a China terá uma grande participação. O governo assinou um acordo para um arrendamento de 99 anos do porto de Hambantota com uma empresa da qual a China terá 80% da propriedade. As autoridades também planejam instalar a zona industrial próxima, onde as empresas chinesas serão convidadas a instalar fábricas. (AP Photo / Eranga Jayawardena)

Washington criticou repetidamente o regime chinês por expandir sua influência geopolítica por meio de práticas predatórias de empréstimos. Os projetos do BRI aumentaram o risco de dificuldades econômicas em muitos países mutuários, incluindo Sri Lanka, Montenegro, Paquistão e Tajiquistão devido aos níveis de empréstimos insustentáveis e contratos obscuros.


“Queremos transformar a Global Gateway em uma marca confiável em todo o mundo”, disse Von der Leyen.


“Se a Europa deseja se tornar um player global mais ativo, também precisa se concentrar na próxima geração de parcerias”, disse ela, elogiando a nova estratégia UE-Indo-Pacífico, que visa aumentar a influência da Europa na Ásia. Como parte da estratégia, o bloco estabelecerá relações comerciais e de investimento mais estreitas com Taiwan, em resposta à crescente ameaça representada por uma China comunista na região.


Von der Leyen também criticou as práticas de trabalho forçado e os abusos dos direitos humanos em Pequim, sem citar diretamente a China.


“Há 25 milhões de pessoas ameaçadas ou coagidas ao trabalho forçado. Não podemos aceitar que elas sejam obrigadas a fazer produtos - e que esses produtos acabem à venda em lojas aqui na Europa”, disse ela.


A China é considerada o hot spot global para produtos feitos com trabalho forçado. Autoridades dos EUA e da UE repetidamente levantaram preocupações sobre o uso de trabalho forçado na China, especialmente na região de Xinjiang.


“Portanto, vamos propor a proibição de produtos em nosso mercado que tenham sido feitos com trabalho forçado. Porque os direitos humanos não estão à venda - a qualquer preço”, disse Von der Leyen.


Emel Akan é repórter de política econômica da Casa Branca em Washington, DC. Anteriormente ela trabalhou no setor financeiro como banqueira de investimentos no JPMorgan e como consultora na PwC. Ela se formou com mestrado em administração de empresas pela Universidade de Georgetown.


ler o artigo original:

https://www.theepochtimes.com/eu-launches-new-program-to-fight-red-chinas-debt-trap-diplomacy_3999682.html


Para acessar o Conteúdo acima, acesse a Home Page aqui. https://www.heitordepaola.online/


56 views0 comments