BREXIT CONTENCIOSO

22/01/2020


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro



UE e Reino Unido se preparam para duras negociações comerciais pós-Brexit


22 de janeiro de 2020 por Nick Gutteridge


Bruxelas - A União Européia está se preparando para a abertura tempestuosa às negociações comerciais pós-Brexit, pois dá os retoques finais a um mandato de negociação que oferecerá à Grã-Bretanha piores condições comerciais do que o Canadá.


Os altos números da UE esperam uma série de discussões iniciais sobre as condições associadas ao acesso de produtos para o mercado, com ambas as partes distantes em suas expectativas de um acordo de livre comércio de tarifas e cotas.


Em uma série de reuniões na última quinzena, diplomatas dos 27 países europeus, trabalhando com funcionários da Comissão, reuniram as posições de negociação do bloco e endureceram sua posição em áreas-chave.


Grande parte da discussão se concentrou na insistência da UE de que o Reino Unido assine um mecanismo de igualdade de condições, que continuaria a seguir uma série de regras feitas em Bruxelas.


Os países europeus temem que a Grã-Bretanha abaixe seus padrões para coincidir com os dos Estados Unidos em áreas-chave como agricultura, direitos trabalhistas, tributação e meio ambiente, permitindo que suas empresas reduzam as da UE.


Eles também querem que o Reino Unido continue aplicando suas regras de auxílio estatal devido a preocupações de que Boris Johnson adotará uma abordagem intervencionista e injetar dinheiro do governo em setores afetados pelas consequências do Brexit.


Os principais números da UE, incluindo o negociador-chefe Michel Barnier, alertaram que a proximidade geográfica da Grã-Bretanha e o volume de seu comércio com o bloco significam que devem ser oferecidos termos ainda menos generosos do que o Canadá ou o Japão.


Eles argumentam que, devido à “interdependência econômica” dos dois lados, o risco para o mercado único de deixar o Reino Unido divergir é aquele que precisa ser monitorado e controlado com mais rigor.


Em um sinal da desconfiança de Bruxelas, as autoridades da UE chegaram a argumentar que os organismos industriais britânicos não deveriam ter permissão para certificar mercadorias como confirmando o padrão europeu [Conformité Européenne ou European Conformity (CE)] — um direito concedido ao Canadá e ao Japão.


"Temos que ser muito claros quanto à diferença, seja você um Estado membro ou não no que diz respeito ao acesso ao mercado único", disse a presidente da Comissão da UE, Ursula von der Leyen. “Quanto mais próximo o Reino Unido estiver da UE, melhor o acesso ao mercado único. Há uma condição: ou você alinha e aceita as regras, então está perto ou está mais distante.


Ela desenvolveu uma mensagem clara de que pode haver acesso muito limitado aos mercados europeus sem seguir as regras, que, segundo autoridades da UE, são uma tentativa de compreender a natureza dura da escolha que o Reino Unido está tomando.

Os ministros britânicos rejeitaram fortemente as demandas da UE por um mecanismo de igualdade de condições, com o ministro das Finanças britânico, Sajid Javid, provocando nervosismo em Bruxelas, com sua estridente conversa de se libertar dos regulamentos do bloco.


As duas partes também estão decididas a desrespeitar os direitos de pesca, com um grupo de oito Estados-Membros costeiros liderados pela França exigindo a continuação do status quo como condição até mesmo do acordo comercial mais básico.


Eles querem que os níveis de acesso e cota para capturas, atualmente definidas no nível da UE, sejam mantidos da mesma forma. Isso está em desacordo com o voto de Johnson de retomar o controle das águas do Reino Unido para os pescadores britânicos após o Brexit.


Autoridades e diplomatas da UE também temem uma queda amarga e cheia de ressentimento se a fronteira irlandesa, que foi uma questão tão contenciosa durante toda a fase de retirada, for arrastada para as negociações comerciais do lado britânico.


Eles temem que os negociadores britânicos ameacem não implementar adequadamente os controles no Mar da Irlanda, acordados entre os dois lados, para que a fronteira terrestre possa permanecer aberta sem comprometer o mercado único.


“Não é improvável que eles usem isso para tentar exercer pressão, isso seria contraproducente. Vai sair pela culatra, mas tememos que seja o cálculo que estão fazendo”, disse uma autoridade européia sob condição de anonimato.


Von der Leyen disse que a UE monitorará "de muito perto" a implementação do protocolo irlandês e alertou o primeiro-ministro britânico que ele deve "cumprir a lei".


Autoridades e diplomatas em Bruxelas dizem ter experimentado um forte déjà vu observando a abordagem inicial do Reino Unido às negociações comerciais, que consideram espelhar as apostas iniciais da ex-primeira-ministra britânica Theresa May em 2017.


“Eles estão repetindo os mesmos erros nos livros didáticos. Se a estratégia não é um acordo gerenciado, tentar pressionar a unidade da UE e forçar uma série de acordos setoriais, mais uma vez não funcionará”, afirmou uma fonte da UE.



https://www.theepochtimes.com/eu-uk-bracing-for-tough-post-brexit-trade-talks_3212422.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online