Boom imobiliário da China desacelera, acendendo temores de uma crise da dívida e recessão

- THE EPOCH TIMES - Winnie Han - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 3 MAI, 2022 -


As receitas do governo local da China e a economia geral dependem da força dos setores de habitação e imóveis comerciais. Suas receitas combinadas representam 25% do PIB da China. Os esforços para estimular esses setores na última década foram bem-sucedidos em atrair investidores estrangeiros e alimentar o crescimento de incorporadoras. Mas dados recentes mostram que o mercado imobiliário da China está em tendência de queda e está provocando temores de uma recessão este ano.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >

Os dados do primeiro trimestre fornecidos pelo regime comunista chinês e seu Departamento Nacional de Estatísticas confirmam a tendência de queda. Em comparação com o mesmo período de 2021 (ano a ano), o preço médio por metro quadrado de imóveis comerciais vendidos na China caiu 10,3% no primeiro trimestre; as áreas de habitação comercial vendidas caíram 14%; e as vendas de imóveis comerciais caíram 23%, incluindo as vendas residenciais que caíram 26%.


A habitação comercial, que surgiu na China na década de 1980, refere-se a propriedades residenciais, comerciais e outras construídas por promotores imobiliários com os direitos de uso da terra aprovados por 40, 50 ou 70 anos por agências governamentais. Os edifícios são vendidos ou alugados no mercado após a conclusão.


Além disso, o investimento da China em desenvolvimento imobiliário cresceu apenas 0,7% no primeiro trimestre, uma queda de 25% em relação ao ano anterior. Os fundos de investimento para incorporadores imobiliários caíram 20% (ano a ano).


Mais de 70 cidades chinesas iniciaram esforços para reativar as vendas de propriedades e proteger sua base de receita tributária. Para incentivar os compradores, os governos dessas cidades vêm relaxando suas políticas de compra e venda desde o final do ano passado. Isso inclui oferecer subsídios ao comprador de imóveis residenciais, reduzir as taxas de hipoteca, reduzir as taxas de entrada e outros.


De acordo com a analista da Bloomberg Kristy Hung, é questionável se esses incentivos serão suficientes para influenciar os compradores cautelosos. Ela diz que as pessoas perderam a confiança na economia chinesa e no mercado imobiliário. O bloqueio da China de cidades inteiras por períodos prolongados devido ao surto da variante Omicron não está ajudando. Os bloqueios forçaram muitas empresas a fechar as operações até que o vírus seja contido. Não se sabe quando isso vai acontecer.


Em um post no Weibo, o economista chinês Ren Zeping disse que o mercado imobiliário da China atingiu uma nova baixa de 20 anos, superando a queda de 2008 e criando uma crise de liquidez para as incorporadoras. As estatísticas mostraram que mais de 70% das 50 maiores incorporadoras privadas da China estavam passando por severas restrições de fluxo de caixa e algumas estavam até deixando de pagar suas dívidas. Ren prevê que, após 3 meses, apenas algumas das incorporadoras da China escaparão da próxima crise da dívida.


Entre as primeiras grandes incorporadoras a sentir o impacto do estouro da bolha imobiliária da China estava a Evergrande, seguida por Fancy Year e Jia Zhaoye. A partir de então, uma onda de 58 empresas imobiliárias relatou perdas de até 50% ou mais, com inadimplência em constante elevação.


Os temores de recessão na China não se limitam ao setor imobiliário e provavelmente não terminarão tão cedo. Henry Wu, analista político e econômico de Taiwan, compartilhou suas observações com o Epoch Times. Ele disse que a perspectiva sombria da China está causando uma perda de confiança entre investidores estrangeiros e domésticos e uma saída massiva de capital que poderia ter sido usado para ajudar o setor imobiliário em dificuldades.


Wu disse que suas observações sobre os problemas econômicos da China foram influenciadas pela custosa guerra comercial EUA-China, pelas mudanças e políticas econômicas incertas do Partido Comunista Chinês, além da repressão do regime a gigantes da tecnologia como DDT e Alibaba.


Joyce Liang contribuiu para este artigo.

Winnie Han relata as notícias da China para o Epoch Times.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/chinas-real-estate-boom-slows-igniting-fears-of-a-debt-crisis-and-recession_4441729.html

14 views0 comments