Bloqueios prolongados da China causam escassez crítica no Ocidente

- THE EPOCH TIMES - Dorothy Li - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 16 MAI, 2022 -


Os hospitais dos Estados Unidos estão em alerta máximo, com alguns médicos priorizando pacientes em estado crítico, pois o bloqueio prolongado em Xangai, na China, causou uma escassez global de produtos químicos usados em diagnósticos por imagens.


Alguns dos maiores hospitais dos EUA disseram no início deste mês que estavam enfrentando uma escassez significativa de produtos de contraste iodado, que são corantes dados aos pacientes para que seus órgãos e vasos internos possam ser captados por tomografia computadorizada, raio-X e radiografia.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >

A oferta cada vez menor se deve ao fechamento temporário da unidade de produção da unidade de saúde da General Electric em Xangai, um centro comercial que está fechado há quase dois meses. Embora a fábrica tenha sido autorizada a retomar a operação gradualmente, a Associação Hospitalar da Grande Nova York alertou que uma redução de 80% na oferta pode durar até o final de junho, de acordo com um comunicado de 5 de maio.


Alguns hospitais começaram a usar o corante médico com moderação. Por exemplo, a Universidade do Alabama no Sistema de Saúde de Birmingham disse que ativou uma resposta para racionar rigorosamente o fornecimento de contraste intravenoso para lidar com a escassez, de acordo com um comunicado de 7 de maio. Os esforços significam que os médicos estão priorizando exames urgentes e adiando exames eletivos.

A equipe médica prepara um paciente para uma tomografia computadorizada no principal hospital da cidade em Innsbruck, Áustria, em 1º de janeiro de 2022. (Jan Hetfleisch/Getty Images)

As unidades de saúde dos EUA não são as únicas a sentir as consequências econômicas. Da Apple, Microsoft e Tesla à Adidas, Estée Lauder e Starbucks, empresas globais que alertam para os efeitos colaterais dos bloqueios prolongados da COVID-19 na China.


À medida que a variante Omicron se espalha pelo país, cidades chinesas, de grandes a pequenas, impuseram vários graus de restrições sob a cartilha do regime “COVID-zero”. O maior bloqueio em Xangai fez com que muitos dos 25 milhões de habitantes da cidade sofressem com a escassez de alimentos. Autoridades em 15 de maio sinalizaram que a cidade começou a reabrir, mas os moradores disseram que ainda não podiam sair de suas casas.


Em 10 de maio, cerca de 41 cidades em todo o país estavam sob bloqueio parcial ou total, de acordo com estimativas do banco japonês Nomura, respondendo por quase 30% da produção econômica da China.

Um morador segurando um celular estende a mão por uma cerca em uma área residencial isolada no distrito de Panjiayuan Chaoyang, em Pequim, em 27 de abril de 2022. (Noel Celis/AFP via Getty Images)

Produção interrompida


Com trabalhadores fabris e consumidores presos em casa e muitas empresas forçadas a suspender as operações, o crescimento das exportações da China no mês passado atingiu o menor nível em 2 anos. As exportações em dólares desaceleraram para 3,9% em abril em relação ao ano anterior, caindo em relação ao crescimento de 14,7% em março, informou a alfândega da China em 9 de maio.


Os baixos números do setor de comércio, que responde por cerca de 1/3 do Produto Interno Bruto (PIB), somaram-se a uma série de sinais de que a segunda maior economia do mundo está desacelerando. A atividade fabril já havia contraído em ritmo mais acentuado em abril, mostraram pesquisas do setor.


As autoridades chinesas prometeram permitir que algumas empresas retomem as operações dentro do chamado sistema de “circuito fechado”, onde os trabalhadores vivem onde trabalham. Mas apenas 19% das 460 empresas alemãs têm permissão para operar nessas condições, de acordo com uma pesquisa da Câmara de Comércio Alemã na China publicada em 12 de maio. Daquelas instalações autorizados a produzir sob bloqueio, em média, estão operando com menos da metade de suas capacidades.


“Produções em circuito fechado são inaceitáveis como uma solução de longo prazo para empresas alemãs operarem na China”, disse Maximilian Butek, diretor executivo da câmara, em comunicado.


Sondagens junto aos grupos empresariais dos EUA e da Europa na China, destacam sinais de que os funcionários estrangeiros estão cada vez mais planejando deixar o país devido às restrições do regime para o COVID-19.


Investidores cautelosos


As restrições rígidas do COVID-19 e o caos resultante da cadeia de suprimentos abalaram a confiança das empresas estrangeiras, de acordo com várias pesquisas de grupos de lobby estrangeiros.


Uma pesquisa recente da Câmara de Comércio Americana na China descobriu que mais da metade de seus 121 membros já atrasaram ou reduziram os investimentos como resultado do bloqueio. Cerca de 51% já reduziram suas projeções de receita para o ano, de acordo com a pesquisa realizada entre o final de abril e o início de maio.


“As previsões de receita para este ano caíram, mas, mais preocupante, os membros não veem nenhuma luz no fim do túnel”, disse o presidente da AmCham China, Colm Rafferty, no comunicado.


Um quadro mais sombrio foi pintado por empresas europeias no país. O número de empresas pesando uma mudança de investimentos para fora da China atingiu sua maior proporção em uma década, de acordo com uma pesquisa da Câmara de Comércio Europeia na China publicada em 5 de maio.


A pesquisa, realizada no final de abril, descobriu que quase 1/4 dos 372 entrevistados estava pensando em transferir investimentos atuais ou planejados para fora da China, mais que o dobro do número no início do ano. Cerca de 60% das empresas reduziram suas projeções de receita comercial este ano, enquanto 92% afirmaram que foram afetadas pelo fechamento recente de portos, um declínio no frete rodoviário e aumento dos custos do frete marítimo.

Rua com pouco tráfego no Central Business District (CBD) em Pequim, China, 14 de maio de 2022. (Ryan Woo/Reuters)

A política de COVID-zero da China é a gota d'água para os investidores estrangeiros, que já lidam com ventos contrários como conflitos comerciais e um ambiente de negócios em deterioração, disse Frank Tian Xie, professor associado de marketing da Universidade da Carolina do Sul Aiken.


Reverberações mais fortes


Em uma reunião de 5 de maio do órgão mais poderoso do Partido Comunista Chinês, o Comitê Permanente do Politburo, o líder chinês Xi Jinping emitiu alertas contra qualquer um que criticasse, questionasse ou distorcesse a política de COVID-zero do regime.


“Ganhamos a batalha para defender Wuhan”, disse Xi, segundo a agência de notícias oficial Xinhua. “Certamente podemos vencer a batalha para defender a grande Xangai.”


Economistas alertaram repetidamente sobre as consequências das restrições rígidas do COVID-19. Um importante economista chinês Xu Jianguo alertou em uma webinar em 8 de maio que o impacto econômico do último surto é dez vezes mais grave do que no início de 2020, quando o regime inicialmente bloqueou Wuhan, informou o South China Morning Post. Ele estimou que as restrições, incluindo bloqueio e restrições de viagens, custaram ao país US$ 2,68 trilhões este ano, disse o relatório.


Mesmo com a ameaça de êxodo de investidores estrangeiros e uma possível recessão econômica, o regime comunista não desistirá de sua política de COVID-zero, pois manter seu poder é sua prioridade máxima, segundo Xie. Ele disse que, no pior cenário, a China pode acabar voltando a ser uma economia planejada.


Gordon Chang, autor e membro sênior do Gatestone Institute, disse que Xi provavelmente dobrará sua política de COVID-zero se garantir um terceiro mandato sem precedentes em um importante conclave do partido neste outono.


“A China está determinada a aplicar a narrativa de Mao Zedong contra a natureza”, disse Chang em uma entrevista recente ao Epoch Times. “Simplesmente não está funcionando.”


Donna He e Reuters contribuíram para este relatório.


Dorothy Li é repórter do Epoch Times com sede na Europa.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/chinas-protracted-lockdowns-cause-critical-shortages-in-west_4468734.html

15 views0 comments