Bloqueios implacáveis ​​da China podem piorar a inflação nos EUA, dizem analistas

- THE EPOCH TIMES - Dorothy Li - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 24 MAI, 2022 -

Trabalhadores usando equipamentos de proteção individual (EPI) são vistos na entrada de um beco em um bairro bloqueado em Pequim em 24 de maio de 2022. (Jade Gao/AFP via Getty Images)

A economia dos EUA provavelmente enfrentará novas pressões inflacionárias da China, onde os bloqueios intermitentes da COVID-19 desaceleraram a produção em uma ampla gama de áreas, de batatas fritas a árvores de Natal, devastando as cadeias de suprimentos globais.


As medidas pesadas do regime chinês para conter a variante Omicron, que se move rapidamente, paralisaram os principais centros industriais e comerciais, como Xangai.


Em Xangai, que está a mais de oito semanas sob bloqueio, a maioria das restrições do COVID-19 permaneceu em vigor em 24 de maio, embora as autoridades tenham declarado recentemente que a cidade atingiu o marco “zero-COVID”. O indicador, segundo as autoridades, significa que todas as infecções foram relatadas em instalações de quarentena centralizadas ou comunidades residenciais bloqueadas, e não em outras áreas.


Autoridades de Xangai disseram que planejam suspender gradualmente o bloqueio a partir de 1º de junho, embora moradores isolados tenham expressado ceticismo depois de ver suas esperanças frustradas repetidamente nos últimos dois meses.

As restrições prolongadas infligiram dor à economia do país. Com trabalhadores confinados em suas casas, fábricas forçadas a fechar e caminhoneiros lutando para transportar componentes-chave, a produção das indústrias de Xangai caiu 61,5% em abril em relação ao ano anterior, disse o departamento de estatísticas municipal. A produção fabril de todo o país em abril caiu para seu pior nível desde o início da pandemia.


Como maior fabricante do mundo, os bloqueios da China interromperam as linhas de produção de muitas empresas multinacionais, desde montadoras até moda. O último alerta é da fabricante sueca de carros elétricos Polestar, que cortou sua previsão de entrega este ano em 15.000 unidades.


“A redução para 2022 é 100% atribuível aos bloqueios na China”, disse a Polestar em comunicado de 19 de maio.


Os consumidores nos Estados Unidos também começaram a sentir os efeitos colaterais da escassez de bens. Hospitais de todo o país lutaram com a falta de um produto químico usado em raios-X devido ao fechamento da fábrica da GE Healthcare em Xangai.


As interrupções na cadeia de suprimentos podem aumentar os preços, aumentando a pressão sobre a já sombria perspectiva de inflação dos Estados Unidos , de acordo com Edward Huang, analista econômico de Taiwan. Por exemplo, o preço das decorações de Natal ou pequenos presentes pode aumentar após o recente bloqueio de Yiwu, disse Huang. A cidade de Yiwu, no leste da China, que passou por um bloqueio de oito dias em toda a cidade no início deste mês, é um centro de exportação que produz de tudo, desde árvores de Natal de plástico até mercadorias da campanha presidencial.


A pressão ascendente sobre o preço dos bens pode compensar os esforços do Federal Reserve dos EUA para esfriar os preços gerais, acrescentou Huang. Em maio, o Fed implementou seu maior aumento da taxa de juros desde o início de 2020, quando a inflação atingiu uma alta de 40 anos.


Pior impacto que a guerra na Ucrânia


O impacto dos bloqueios da China na cadeia de suprimentos global é mais severo do que o da guerra na Ucrânia, disse o chefe dos negócios de frete do Deutsche Post DHL Group, acrescentando que o impacto será sentido depois que as restrições forem levantadas.


"Depois de uma abertura, os engarrafamentos provavelmente se formarão em frente aos portos dos EUA e da Europa", disse Tim Scharwath, da DHL, à Reuters em 23 de maio, acrescentando que "levará mais tempo do que pensávamos até que o sistema comercial se normalize novamente".

Um navio porta-contêineres está ancorado no porto de Oakland, em Oakland, Califórnia, em 20 de maio de 2022. (Justin Sullivan/Getty Images)

Scharwath sugeriu que as interrupções na cadeia de suprimentos podem durar além da temporada de Natal e no próximo ano. A observação ecoa o alerta da Fitch Ratings de que as interrupções “provavelmente não serão resolvidas rapidamente”, já que os portos dos EUA estão lutando com a escassez de pessoal e restrições nos canais de distribuição.


“Mesmo antes do último bloqueio na China, o tempo necessário para transportar mercadorias da Ásia para a costa oeste dos EUA era duas vezes maior do que no início da pandemia, enquanto as taxas de envio são seis vezes maiores do que no início de 2020.” A Fitch Ratings disse em um aviso divulgado em 10 de maio. O bloqueio em Xangai acumulou um atraso nos portos, o que resultaria em novo congestionamento nos portos da costa oeste neste verão, disse a agência.


“À medida que as interrupções na cadeia de suprimentos persistem, as taxas de frete de contêineres podem permanecer elevadas ou aumentar”, acrescentou.


Sem fim à vista


Os bloqueios da COVID-19 tendem a ter impactos apenas de curto prazo, disseram analistas, acrescentando que as interrupções na cadeia de suprimentos podem ser gradualmente melhoradas assim que as cidades reabrirem.


Mas a maior incerteza vem da implementação inabalável do regime chinês de sua política “zero-COVID”, disseram eles, o que significa que cidades em todo o país podem experimentar repetidamente bloqueios e reabertura subsequente.


O regime chinês manteve firme sua abordagem de tolerância zero. O vice-primeiro-ministro Sun Chunlan, que costuma aparecer nos pontos críticos da COVID-19 entregando as instruções do regime comunista, inspecionou Pequim em 23 de maio, informou a agência de notícias oficial Xinhua. Sun pediu às autoridades que implementem medidas completas para reduzir a transmissão do vírus e aderir à política de zero COVID, de acordo com o relatório.


A abordagem draconiana visa eliminar qualquer infecção entre as comunidades por meio de testes em massa e quarentena de todos em risco. Em um exemplo da aplicação rigorosa da política, cerca de 1.800 pessoas em um bairro de Pequim foram realocadas para a cidade de Zhangjiakou, na província vizinha de Hebei, para quarentena, informou o Beijing Daily, apoiado pelo Estado.

Uma mulher senta-se nos degraus atrás de uma fita adesiva e uma placa colocada pela polícia local para impedir que as pessoas se reúnam em grupos em um popular parque local após os recentes surtos de COVID-19 em Pequim em 16 de maio de 2022. (Kevin Frayer/Getty Images)

Embora nenhum bloqueio em toda a cidade tenha sido imposto na luta de um mês da capital contra o COVID-19, Pequim gradualmente apertou as restrições. Seis dos 16 distritos da capital aconselharam os moradores a trabalhar em casa, enquanto outros três distritos incentivaram as pessoas a seguir essas medidas, com cada distrito responsável por implementar suas próprias diretrizes. Aqueles que têm que ir trabalhar devem ter um resultado negativo em um teste de PCR feito dentro de 48 horas, e não devem desviar-se do trajeto casa-trabalho.


“A abordagem do Partido Comunista Chinês é insuportável, pois eles são desumanos e sem bases científicas”, disse um residente de Pequim que foi trancafiado em sua casa por quase 30 dias ao Epoch Times em 21 de maio.


Analistas do banco japonês Nomura estimam que 26 cidades chinesas estavam implementando bloqueios totais ou parciais ou outras medidas COVID a partir de 23 de maio, representando 208 milhões de pessoas e 20,5% da produção econômica da China. Isso seria inferior aos 271 milhões da semana anterior, representando 27% da produção.


“Mas, para nós, isso é apenas uma pausa, em vez de um ponto de virada”, escreveram os analistas em nota. Eles disseram que passar por um ponto de virada dependeria exclusivamente de uma saída da estratégia zero-COVID do regime, e não tanto dos números diários de casos e dados mensais de atividade.


Escolha política


À medida que o regime mantém sua política expansiva de COVID zero, as cadeias de suprimentos globais provavelmente não poderão retomar o funcionamento normal, disse Huang, o analista econômico, observando que os Estados Unidos e outras economias ocidentais podem continuar vendo ventos contrários.


Aditya Bhave, analista do Bank of America, disse que o efeito dos bloqueios na economia americana “se tornará aparente” nos dados oficiais dos EUA a serem divulgados no próximo mês, segundo a Forbes . Embora ele não acredite que isso levaria a inflação anual a um novo pico, Bhave disse que isso pode causar uma "curta explosão de pressão ascendente" sobre os preços.


Além dos dados, um indicador indireto do impacto das ordens de permanência em casa do regime na economia dos EUA é o recente apelo para reduzir ou remover as tarifas dos EUA sobre produtos chineses para reduzir a inflação, disse o professor Yen Huai-Shing, vice-presidente diretor da Instituição Chung Hua de Taiwan para Pesquisa Econômica.


Durante meses, altos funcionários econômicos do governo Biden debateram se deveriam aliviar as tarifas de até 25% sobre mais de US$ 300 [bi] em produtos chineses impostos pelo ex-presidente Donald Trump como parte dos esforços de seu governo para combater as práticas comerciais desleais do regime.


“A remoção de tarifas só poderia reduzir no máximo cerca de 2 ou 3% da inflação”, disse Yen.

Um cargueiro carregado de contêineres chega a um porto na cidade de Qingdao, província de Shandong, no leste da China, em 14 de janeiro de 2020. (AFP via Getty Images)

A representante comercial dos EUA, Katherine Tai, disse em uma entrevista em 24 de maio à Bloomberg Television que os Estados Unidos devem “manter os olhos na bola em termos de como realinhar efetivamente o relacionamento comercial e econômico EUA-China”. Tai disse que os Estados Unidos devem ser “estratégicos” nas tarifas da China.


As declarações vieram um dia depois que o presidente Joe Biden, em sua primeira viagem à Ásia, disse que está “considerando” remover algumas tarifas da era Trump para combater a inflação.


A secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse em 18 de maio que algumas das tarifas impostas por Trump “não são muito estratégicas” no sentido de abordar questões reais, como práticas comerciais desleais e vulnerabilidades da cadeia de suprimentos.


O governo Trump impôs tarifas com base em uma investigação de 2018 que concluiu que o regime chinês se envolveu em subsídios governamentais excessivos, roubo de propriedade intelectual e outras práticas comerciais desleais. Em retaliação, o regime chinês também impôs tarifas sobre cerca de US$ 90 bilhões em importações dos EUA.


O governo Biden lançou oficialmente no mês passado uma revisão das tarifas dos EUA sobre produtos chineses.


Manter as políticas comerciais da era Trump na China é uma escolha política e depende da consciência do governo Biden sobre a ameaça do Partido Comunista Chinês (PCC), disse Frank Tian Xie, professor de marketing da Universidade da Carolina do Sul Aiken.


“Se ele [Biden] puder perceber que o PCC é o principal e mais perigoso inimigo dos Estados Unidos, assim como do mundo, ele manterá a política comercial da era Trump e até imporá mais impostos e controles de exportação de tecnologia”, disse Xie. “Biden não parece muito claro neste ponto.”


Luo Ya, Hong Ning e Reuters contribuíram para o relatório.


Dorothy Li é repórter do Epoch Times com sede na Europa.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/chinas-unrelenting-lockdowns-likely-to-worsen-us-inflation-analysts_4487444.html?slsuccess=1

7 views0 comments