Bloqueio da China corta suprimentos

- THE EPOCH TIMES - Anders Corr - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 30 ABR, 2022 -

Ruas vazias são vistas durante a segunda etapa do bloqueio do COVID-19 no distrito de Yangpu, em Xangai, China, em 1º de abril de 2022. (STR/AFP via Getty Images)

O destaque fica para este trecho do artigo: “Mas deixados por conta própria ... [empresários] quase sempre ignoram as externalidades negativas de suas fontes para maximizar os lucros.”


Taí uma categoria avara e tacanha que exagerou em offshoring and foreign sourcing, e neste momento ante o desabastecimento, no afogadilho tenta atenuar o problema. Destarte, parafraseando o saudoso comentarista esportivo Juarez Soares, vulgo China, “agora veremos quem tem garrafa vazia para encher”.


Segue o féretro...


Bloqueio na China mostra necessidade de subsídios à indústria doméstica


Os bloqueios de COVID da China estão paralisando a fabricação do país e alarmando os líderes empresariais globais que dependem do país para peças e fabricação.


O CEO da Mercedes Benz, Ola Kallenius, disse à Bloomberg em 29 de abril que “novos bloqueios na China, em Xangai, e em outros lugares da China afetam os negócios e as cadeias de suprimentos na China e também globalmente”.



Um executivo sênior de um fornecedor internacional que fabrica na China, Índia e Vietnã alertou em um artigo do South China Morning Post que os bloqueios em Pequim estão tornando a China menos competitiva para empresas que têm escolha e estão constantemente comparando locais de negócios em métricas de estabilidade, custo de mão de obra e logística.


“É crucial que as atuais políticas draconianas de Covid na China não possam ser normalizadas”, disse ele. “A atual política rigorosa de prevenção de epidemias fará com que [Pequim] perca pontos no futuro.”


De acordo com uma análise do Nikkei Asia divulgada em 28 de abril, aproximadamente metade dos 200 principais fornecedores da Apple fabricam nos arredores de Xangai, onde os bloqueios por coronavírus são alguns dos mais rigorosos do mundo, incluindo restrições de tráfego e bloqueios em massa quando um único caso é descoberto. Isso, apesar das taxas de mortalidade relativamente baixas e da dificuldade de controle da variante Omicron altamente contagiosa.


Os fornecedores da Apple afetados variam de montadoras de iPhone e iPad a “fabricantes de componentes como telas, placas de circuito impresso, peças térmicas, baterias e componentes acústicos”, segundo o Financial Times.


Os clientes compram produtos inteligentes na principal loja da apple na rua de pedestres Nanjing Road em Xangai, China, em 23 de fevereiro de 2022. (Costfoto/Future Publishing via Getty Images)

Os problemas no fornecimento da China neste mês e no passado continuarão afetando as cadeias de suprimentos globais durante todo o verão, de acordo com vários relatórios. Isso diminuirá a oferta de produtos acabados e aumentará a inflação de preços.


O remédio, segundo alguns, serão as taxas de juros mais altas oferecidas pelos governos americano e europeu para retirar dinheiro da economia privada. Isso diminuirá a demanda por bens, reduzindo os preços, mas aumentando o risco de perda de negócios, desemprego e recessão.


Aumentar as taxas de juros para a meta de inflação faz mais sentido quando a inflação se deve a gastos excessivos e superimpressão de dinheiro do governo. Faz menos sentido quando devido a problemas de abastecimento. Neste último caso, a solução deve ser o apoio à indústria nacional, incluindo, mais importante, onde há gargalos na cadeia de suprimentos.


Suponha que o dinheiro seja retirado da economia por meio de taxas de juros mais altas oferecidas pela dívida do governo no contexto de cadeias de suprimentos quebradas. Nesse caso, o governo deve devolver dinheiro à economia por meio de subsídios direcionados à manufatura nacional que fornecem os insumos que faltam.


Além dos bloqueios do COVID na China, Kallenius mencionou dois outros impactos nas operações da Mercedes. Primeiro, a falta de microchips usados em tudo, de torradeiras a carros; segundo, a guerra da Ucrânia, que ameaça um choque de oferta se a Rússia desligar o gás.


Kallenius disse: “Trabalhamos muito de perto com o governo alemão” na independência energética como uma “prioridade máxima”.


Os governos europeus e norte-americanos também poderiam trabalhar em estreita colaboração com as empresas para corrigir o erro de excessivo offshoring and foreign sourcing [terceirização da produção no exterior e fornecedores localizados fora do seu país de origem]. Eles devem subsidiar estrategicamente as cadeias de suprimentos para domesticar a fabricação de microchips e se desvincular das linhas de suprimentos da China, além de obter energia de amigos em vez de adversários.


Alguns pediram “relocalização”, enquanto outros acrescentam a necessidade de estabelecer o fornecimento de linhas de abastecimento para nações aliadas. A Europa, por exemplo, não pode obter seus próprios hidrocarbonetos. A resposta, para usar um termo cunhado pela secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, é “amizade”.


Que o departamento do Tesouro cunha mais do que moeda, durante um período inflacionário, é um bom sinal para os negócios.


Mas deixados por conta própria, as empresas quase sempre ignoram as externalidades negativas de suas fontes para maximizar os lucros. Melhorar sua fonte de uma perspectiva de bem público requer mover as balizas através da concessão de subsídios para empresas que fornecem externalidades positivas e a imposição de tarifas sobre aquelas que causam externalidades negativas. Um exemplo de externalidade negativa é o empoderamento de ditadores causado pelo fornecimento da Rússia e da China.


Subsídios e tarifas, conhecidos conjuntamente como “política industrial”, costumavam ser palavrões entre os economistas. Após os bloqueios da China, a escassez de semicondutores e a crise de energia ante a guerra de Vladimir Putin, elas devem ser incisivas e preparadas para estimular.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Anders Corr tem bacharelado/mestrado em ciência política pela Universidade de Yale (2001) e doutorado em governo pela Universidade de Harvard (2008). Ele é diretor da Corr Analytics Inc., editora do Journal of Political Risk, e realizou extensas pesquisas na América do Norte, Europa e Ásia. Seus livros mais recentes são “A Concentração de Poder: Institucionalização, Hierarquia e Hegemonia” (2021) e “Grandes Potências, Grandes Estratégias: o Novo Jogo no Mar da China Meridional” (2018).


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/china-lockdown-cuts-supplies_4436531.html

13 views0 comments