top of page

Big Tech está eliminando direitos humanos e civis por procuração: especialista em segurança

THE EPOCH TIMES - Hannah Ng e Tiffany Meier - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 25 DEZ, 2022


“Eles agora se tornam braços do governo [agências], não diferentes de um informante que está informando as pessoas para uma força policial secreta”, disse Lee, consultor de segurança da My Smart Privacy, ao “ China in Focus ” no NTD News, o meio de comunicação irmão do Epoch Times.

Logotipos de grandes empresas de tecnologia são exibidos em um tablet em 1º de outubro de 2019. (Denis Charlet/AFP via Getty Images)

As empresas de tecnologia se tornaram instrumentos para suprimir os direitos humanos e civis


As grandes empresas de tecnologia se tornaram instrumentos para suprimir os direitos humanos e civis em todo o mundo, diz o especialista em segurança cibernética Rex Lee.


“Eles agora se tornam braços do governo [agências], não diferentes de um informante que está informando as pessoas para uma força policial secreta”, disse Lee, consultor de segurança da My Smart Privacy, ao “ China in Focus ” no NTD News, o meio de comunicação irmão do Epoch Times.

Rex Lee (Cortesia de Rex Lee)

Ele citou a alegada obstrução da Apple ao compartilhamento de conteúdo por cidadãos chineses antes dos protestos maciços contra as duras políticas de COVID zero de Pequim.


A política de desabilitar o aplicativo AirDrop da Apple em iPhones na China prejudicou a capacidade dos manifestantes de coordenar e compartilhar informações urgentes uns com os outros sobre suas localizações e atividades, bem como das forças de segurança que cercavam os manifestantes.



“A Apple agora está expondo esses consumidores que desejam exercer seus direitos humanos , como protestar, e eles estão conspirando com o governo chinês e/ou o Partido Comunista Chinês”, disse Lee.


“Portanto, agora você tem a Apple agindo como um braço do Partido Comunista Chinês, novamente, informando seus clientes a uma força policial secreta”, acrescentou.


Supressão de informações em solo americano


Lee acredita que a Big Tech também está agindo como um braço do governo dos Estados Unidos.


Ele apontou para os “arquivos do Twitter” — trocas documentadas entre o Twitter e agências governamentais, incluindo o FBI e o Departamento de Segurança Interna (DHS), discutindo a censura de certas informações e pessoas. A liberação da correspondência foi autorizada pelo novo proprietário do Twitter, Elon Musk.


“O cliente agora está sendo oprimido pela própria empresa com a qual está fazendo negócios, para quem está lucrando, conspirando com agências governamentais, como o FBI, para realmente suprimir os usuários finais, os direitos humanos, e/ou direitos civis, como liberdade de expressão, capacidade de agir, direito à liberdade de imprensa”, disse ele.


Lee destacou os Arquivos do Twitter, tornados públicos em 19 de dezembro, que incluíam um e-mail indicando que o FBI pagou ao Twitter quase US$ 3,5 milhões em dinheiro do contribuinte.


“É uso indevido ou apropriação indébita dos fundos dos contribuintes, quando o FBI, que deveria estar se concentrando nos terroristas, agora está focando nos cidadãos americanos através de uma lente tendenciosa baseada na ideologia política dos cidadãos, não que o cidadão esteja fazendo algo errado,” ele disse.


Em resposta, o FBI afirmou que a correspondência entre a agência e o Twitter “não mostra nada além de exemplos de nossos compromissos tradicionais, duradouros e contínuos do governo federal e do setor privado, que envolvem inúmeras empresas em vários setores e indústrias”.


“Conforme evidenciado na correspondência, o FBI fornece informações críticas ao setor privado em um esforço para permitir que eles protejam a si mesmos e a seus clientes. Os homens e mulheres do FBI trabalham todos os dias para proteger o público americano. É lamentável que os teóricos da conspiração e outros estejam alimentando a desinformação do público americano com o único propósito de tentar desacreditar a agência”, disse a agência ao Epoch Times em um e-mail.


Clientes fiéis pagam o preço


“O que está faltando em todas essas histórias é o cenário em que o cliente é aquele que está sendo explorado para fins lucrativos, além de oprimido... , e dinheiro suado ”, acrescentou.


Lee opinou que o Twitter deveria reembolsar o dinheiro, porque “esse é o nosso dinheiro saindo de nossos impostos, bem como os custos administrativos da supressão”.


Para ele, os clientes do serviço – no caso, usuários de redes sociais – devem ser protegidos pela legislação vigente.


“Existem leis em vigor, existem leis de proteção ao consumidor e leis de privacidade que não estão sendo aplicadas pela FTC [Federal Trade Commission], bem como agências estaduais e agências de proteção ao consumidor que são regulamentadas pelas agências estaduais”, observou ele .


'Cruzando a linha' para ser um braço do governo


“Portanto, neste ponto, você deve olhar para essas … empresas e quaisquer outras empresas que estão em conluio com o governo e se perguntar: quando essas empresas cruzaram a linha de ser um fabricante de produtos de consumo de bens e serviços para ser um braço de qualquer governo, seja um governo tirânico ou o governo dos Estados Unidos?” ele disse.


“Estamos vendo nossos direitos humanos eliminados aqui por procuração. Na verdade, vemos isso hoje. As pessoas costumavam falar sobre isso em teoria e não sabiam o que estava realmente acontecendo”, disse Lee.


O Epoch Times entrou em contato com a Apple e o Twitter para comentar.



 
Aldgra Fredly e Michael Washburn contribuíram para este relatório.
Hannah Ng é uma repórter que cobre notícias dos EUA e da China. Ela possui mestrado em economia internacional e de desenvolvimento pela Universidade de Ciências Aplicadas de Berlim.
Tiffany Meier é uma repórter baseada em Nova York e apresentadora do "China in Focus" da NTD.

ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/big-tech-is-eliminating-human-and-civil-rights-by-proxy-security-expert_4940278.html



6 views0 comments
bottom of page