Big Pharma na berlinda

- THE EPOCH TIMES - Matt McGregor - Tradução César Tonheiro - 20 JAN, 2022 -

Esposa tira marido de hospital para mantê-lo vivo e vence


Os sentimentos expressos em telefonemas anônimos para Anne Quiner enquanto seu marido Scott estava deitado numa cama hospitalar respirando por um ventilador variaram de “espero que seu marido morra vegetando” seguido por uma ninhada de palavrões a “ele deveria ter tomado a vacina; espero que ele morra”, antes de desligar.


Embora não fossem expressões tradicionais de cartões da Hallmark desejando pronta recuperação, Quiner disse que era o sentimento compartilhado entre alguns dos médicos do Mercy Hospital em Coon Rapids, cidade do estado de Minnesota EUA, onde Scott havia sido hospitalizado por complicações do COVID-19 em novembro.

Em um telefonema gravado por Anne Quiner com a Dra. Linda Soucie que lutava para manter Scott no ventilador, Soucie disse a Quiner: “Infelizmente, se pudéssemos voltar no tempo e ele tivesse tomado a vacina, então ele não estaria aqui”, logo após Soucie ter dito a Quiner: “Depois de três anos, acho que ficamos muito bons em determinar quem vai conseguir e quem não vai, e infelizmente Scott está nessa faixa do grupo que não vai conseguir.”

Em uma teleconferência gravada, os médicos disseram a Quiner que tirariam Scott do ventilador porque ele não se recuperaria devido ao que disseram em 13 de janeiro que seus “pulmões estavam destruídos pela pneumonia por COVID” e que suas tentativas de diminuir a sedação apenas lhe causou dor.

Quiner disse ao Epoch Times que suas petições por tratamentos alternativos, bem como para manter Scott no ventilador foram recebidas com desprezo.

Com os médicos determinados a tirar Scott do ventilador, Quiner procurou aconselhamento jurídico.

Saindo Vivo

Marjorie Holsten, advogada de Quiner, disse ao Epoch Times que apresentou uma moção para uma ordem de restrição temporária que impedia o hospital de retirar Scott do ventilador.

O Hospital Mercy então contratou seu próprio escritório de advocacia que se opôs à ordem de restrição temporária com base no fato de que a posição de Holsten e Quiner não estaria “apoiada pela ciência médica”.

Por causa disso, o hospital solicitou que o tribunal emitisse uma ordem autorizando o hospital a retirar Scott do ventilador.

O juiz ficou do lado de Holsten, emitindo a ordem com base no padrão de que danos irreparáveis resultariam se não fosse mantido, o que Holsten disse ser fácil de estabelecer porque se Scott tivesse sido retirado, ele teria morrido.

Em 15 de janeiro, Scott foi transferido do Hospital Mercy e levado para um hospital não revelado no Texas, onde Holsten disse que os médicos relataram que Scott estava desnutrido, abaixo do peso e desidratado, tendo perdido 13 quilos.

Tanto Holsten quanto Quiner disseram que os médicos no Texas ficaram “horrorizados” com a condição de Scott quando ele chegou.

“Um médico disse que não sabia como Scott conseguiu sair vivo daquele hospital”, disse Quiner. “Ele olhou para seu prontuário e disse: 'Eu não posso acreditar nas drogas pesadas e sedativas que eles colocaram nele'”.

O hospital estava seguindo um protocolo rígido de tratamento tardio da COVID que “muito provavelmente matou muitas pessoas”, disse Holsten.

O Hospital Mercy faz parte do sistema hospitalar Allina Health.

Quando contatado para comentar sobre o tratamento de Scott, um porta-voz da Allina Health disse ao Epoch Times que a Allina Health “tem grande confiança no atendimento excepcional prestado aos nossos pacientes, que é administrado de acordo com práticas baseadas em evidências por nossas equipes médicas talentosas e compassivas. Devido à privacidade do paciente, não podemos comentar sobre os cuidados prestados a pacientes específicos” e que o sistema hospitalar desejou “bem-estar ao paciente e sua família”.

Atualmente, Holsten disse que Scott está “fazendo um tremendo progresso”.

“Ontem, Scott começou a seguir às mãos do médico com os olhos e agora está piscando em resposta a perguntas”, disse Holsten. “Ele foi capaz de acenar com a cabeça e mover as pernas para a enfermeira.”

A provação tornou-se uma manifestação do maior medo de Quiner ao levar Scott ao hospital depois que seus sintomas pioraram, disse Quiner.

Desde o início do COVID-19, circulam rumores de tratamento negligente de pacientes com COVID em hospitais alimentados por incentivos financeiros.

'É uma recompensa pela vida [morte] das pessoas'

O Dr. Robert Malone, virologista e imunologista que contribuiu para a tecnologia da vacina mRNA, disse em uma entrevista em dezembro de 2021 no The Joe Rogan Experience que os incentivos financeiros não são rumores.

“Os números são bastante grandes”, disse Malone a Rogan. “Há algo como um benefício de morte de US $ 3.000 para um hospital se puder ser reivindicado como COVID. Há um incentivo financeiro para chamar alguém de positivo para COVID.”

Os hospitais recebem um bônus, acrescentou Malone, do governo se alguém for hospitalizado e puder ser declarado positivo para COVID.

“Eles também recebem um bônus – acho que o total é algo como US$ 30.000 em incentivo – se alguém for colocado no respiradouro”, disse Malone. “Então eles recebem um bônus, se alguém for declarado morto com COVID.”

Foi Stew Peters, um podcaster do The Stew Peters Show, que divulgou a história de Quiner e conquistou o apoio do público que facilitou a libertação de Scott.

Depois de enviar as duas gravações que Quiner fez de suas conversas com seus médicos para sua advogada acima e para o representante do estado de Minnesota, Shane Mekeland, ambos entraram em contato com Peters que “imediatamente” chamou Quiner.

“Ele me disse: 'Se você não envolver as mídias sociais e tornar isso viral, eles vão matar seu marido e você não terá nada a dizer sobre isso'”, disse Quiner. “Foi quando Stew me colocou em seu programa e em instantes o hospital recebeu 300.000 telefonemas. Eles tiveram que desligar suas linhas telefônicas”.

Quiner disse que foram Peters e seu público os responsáveis “por me ajudar a salvar a vida do meu marido”.

“Sem a ação deles, Scott teria morrido”, disse Quiner.

A certa altura, houve tantos telefonemas que Quiner disse que o hospital começou a negar que Scott fosse um paciente deles.

“Nosso público inundou o hospital e a Frederickson & Byron Law Firm (a empresa que representa o Hospital Mercy) com ligações, deixando todos cientes de que o mundo estava vendo”, disse Peters ao Epoch Times.

O Stew Peters Show reuniu uma equipe que incluiu o advogado Thomas Renz e simultaneamente com um médico que tratou do caso de Scott para o hospital onde Scott foi transferido.

No Stew Peters Show, o Dr. Lee Vliet, presidente e diretor executivo da Truth for Health (Verdade para a Saúde), fundada por médicos, uma organização sem fins lucrativos que promoveu o tratamento precoce da COVID para manter as pessoas fora dos hospitais, disse que a Lei CARES documentou pagamentos de incentivos hospitalares.

“Os administradores do hospital sabem que há sobretaxas para fazer os testes de PCR e resultados positivos dos testes”, disse Vliet. “Um diagnóstico de COVID significa admissão no hospital. Na admissão, há um pagamento de incentivo. O uso do remdesivir fornece um pagamento de bônus de 20% do nosso governo ao hospital em toda a conta hospitalar para esse paciente com COVID”.

O uso do remdesivir dá ao hospital um bônus de 20% do Medicare em vez de outros medicamentos, como a ivermectina, disse Vliet.

“É uma recompensa pela vida [morte] das pessoas, basicamente, usar o remdesivir e impedir o acesso a outros medicamentos, como hidroxicloroquina e ivermectina”, disse Vliet.

Ele ecoou a declaração de Malone sobre os incentivos hospitalares para colocar um paciente num ventilador e declará-lo falecido por COVID.

Além disso, ele disse que o legista recebe um incentivo financeiro para um diagnóstico de COVID.

Acrescentou que as práticas médicas são pagas mais sob os serviços medicare e medicaid com base em uma porcentagem maior de seus pacientes sendo vacinados. Em média, disse, foi calculado que os hospitais recebem um bônus mínimo de US$ 100.000 para cada paciente com COVID que tenha os elementos do diagnóstico de COVID com remdesivir e tratamento com ventilador antes de uma causa de morte por COVID. Vliet cita sua pesquisa em um editorial da Association of American Physicians and Surgeons intitulado “Biden's Bounty on Your Life: Hospitals' Incentive Payments for COVID-19” [A recompensa de Biden em sua vida: Pagamentos de incentivos de hospitais para COVID-19].

'Ela só deseja manter o marido vivo'

Casados há 35 anos e com três filhos, Quiner e Scott passaram por muita coisa juntos, ela disse, e nestes últimos meses, Quiner enfrentou algumas das partes mais difíceis sem ele.

Depois de 14 anos, lutando para manter o marido vivo, Quiner teve que sacrificar o cachorro Toby no início de janeiro porque ele não conseguia mais andar.

“Uma manhã eu me levantei e ele não conseguia se levantar”, disse Quiner.

Quiner foi atacada verbalmente não apenas por telefonemas, mas também por meio de notícias e mídias sociais, plataformas que seus filhos alertaram que ela deveria evitar. “Minha família me disse para nem entrar no Twitter porque eu não queria ler o que eles estavam escrevendo sobre mim”, disse Quiner.

Ainda assim, Holsten disse que Quiner continua lutando.

"Ela é uma guerreira, e ela não procurou nada disso", disse Holsten. “Ela só quer manter o marido vivo.”

Em sua transferência para o Texas, Quiner disse que está aliviada. “Essa foi a primeira coisa que senti”, disse Quiner, “alívio por ele ter saído daquele hospital e estar sob cuidados seguros”.

Matt McGregor cobre notícias da Carolina do Norte e do Sul para o Epoch Times. Envie-lhe as suas ideias de histórias: matt.mcgregor@epochtimes.us


PUBLIAÇÃO ORIGINAL > https://www.theepochtimes.com/exclusive-wife-stands-off-with-hospital-to-keep-her-husband-alive-and-wins_4225457.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


57 views0 comments