Biden estende a emergência nacional da era Trump

THE EPOCH TIMES - Andrew Thornebrooke - TRADUÇÃO E COMENTÁRIO CÉSAR TONHEIRO - 9 NOV, 2022


Caros

O artigo abaixo revela quão letárgicas e imprudentes têm sido as autoridades estadunidenses. Destarte, o ilustre economista Roger W. Robinson Jr., que nos anos 80 serviu no Conselho de Segurança Nacional do presidente Reagan, há tempos clama para os EUA parem de financiar os maus atores da China, aliás e como é praxe em regimes comunistas — na essência da palavra — não existem empresas privadas. Em um vídeo postado há 3 anos o supracitado discorre sobre o tema: “A China e a Guerra Econômica

https://www.youtube.com/watch?v=gutkEBge55k



 

9 de novembro de 2022 por Andrew Thornebrooke


O presidente Joe Biden está estendendo uma emergência nacional da era Trump nesta semana, que proíbe empresas ou indivíduos dos EUA de investir em empresas ligadas às forças armadas da China.


O então presidente Donald Trump emitiu a Ordem Executiva 13959 em novembro de 2020, citando ameaças à segurança nacional. A ordem declarou uma emergência nacional para permitir a suspensão dos investimentos em empresas ligadas às forças armadas da China.


Biden posteriormente expandiu o pedido em junho de 2021 com a Ordem Executiva 14032, que proibia investimentos dos EUA em empresas afiliadas às indústrias militares ou de vigilância da China.


O último pedido de Biden estenderá a emergência nacional em relação ao investimento nas empresas militares e de vigilância da China por um ano além da data de término anteriormente programada de 12 de novembro.


“A RPC está explorando cada vez mais o capital dos Estados Unidos para obter recursos e permitir o desenvolvimento e a modernização de seus militares, inteligência e outros aparatos de segurança, o que continua a permitir que a RPC ameace diretamente a pátria dos Estados Unidos e as forças dos Estados Unidos no exterior”, Biden disse em um comunicado, usando um acrônimo para o nome oficial da China comunista, a República Popular da China.


“O complexo militar-industrial da RPC continua a constituir uma ameaça incomum e extraordinária, que tem origem total ou substancial fora dos Estados Unidos, para a segurança nacional, política externa e economia dos Estados Unidos.”


Em sua declaração, Biden disse que a estratégia nacional de “fusão civil-militar” do Partido Comunista Chinês (PCC) era a culpada, pois exige que empresas civis na China contribuam diretamente para as atividades militares e de inteligência do regime.


Por causa disso, disse Biden, essas empresas devem ser tratadas como se fossem parte do aparato militar e de inteligência da China, e sua capacidade de interagir com os mercados dos EUA deve ser limitada.


“Essas empresas, embora permaneçam ostensivamente privadas e civis, apoiam diretamente os aparatos militares, de inteligência e de segurança da RPC”, disse Biden.


“Ao mesmo tempo, essas empresas levantam capital vendendo títulos para investidores dos Estados Unidos que negociam em bolsas públicas tanto aqui quanto no exterior, pressionando fornecedores e fundos de índices dos Estados Unidos para incluir esses títulos em ofertas de mercado e engajar-se em outros atos para garantir o acesso ao capital dos Estados Unidos”.


Andrew Thornebrooke é repórter do Epoch Times cobrindo questões relacionadas à China com foco em defesa, assuntos militares e segurança nacional. Ele tem mestrado em história militar pela Universidade de Norwich.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/biden-extends-trump-era-national-emergency-investment-bans-on-china-linked-companies_4853469.html



16 views0 comments