Biden diz que a China não ultrapassará os EUA como líder global sob sua supervisão

- THE EPOCH TIMES - 26 Mar, 2021 -

REUTERS - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -


WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na quinta-feira que evitaria que a China ultrapassasse os Estados Unidos e se tornasse o país mais poderoso do mundo, prometendo investir pesadamente para garantir que a América vença na disputa entre as duas maiores economias do mundo.


Biden disse que passou “horas e horas” com Xi Jinping quando atuou como vice-presidente no governo do ex-presidente Barack Obama, e estava convencido de que o presidente chinês acreditava que a autocracia - não a democracia - era a chave para o futuro.

O presidente democrata disse que deixou claro a Xi que os Estados Unidos não buscam confronto, mas insistirão que a China cumpra as regras internacionais de concorrência e comércio leal e respeito aos direitos humanos.



“A China tem uma meta geral ... de se tornar o país líder do mundo, o país mais rico do mundo e o país mais poderoso do mundo”, disse ele a repórteres na Casa Branca. “Isso não vai acontecer sob minha supervisão porque os Estados Unidos vão continuar a crescer”.


Biden mirou em Xi e no presidente russo, Vladimir Putin, por abraçar a autocracia.


“Ele é um dos caras, como Putin, que pensa que a autocracia é a onda do futuro (e) a democracia não pode funcionar em um mundo cada vez mais complexo”, disse o presidente em sua primeira entrevista coletiva desde que assumiu o cargo, em janeiro.


No início de março, Biden disse à ABC News que acreditava que Putin era “um assassino”, o que gerou fúria em Moscou.


“Ele (Xi) não tem um osso democrático - com um pequeno 'd' - no corpo, mas é um cara esperto, muito esperto”, disse ele.


Os comentários de Biden ecoaram aqueles feitos durante sua campanha presidencial e vieram dias depois das primeiras conversas pessoais de alto nível entre autoridades americanas e chinesas sob sua administração no Alasca, onde declarações públicas combativas revelaram a profundidade das tensões entre os rivais.


Biden disse que trabalharia com os aliados dos EUA para responsabilizar a China por suas ações em Taiwan, Hong Kong, Mar da China Meridional e seu tratamento da minoria uigur, além de pressionar Pequim a seguir as regras internacionais de comércio justo.


Ele disse que disse a Xi durante uma conversa de duas horas após assumir o cargo: “Enquanto você e seu país continuarem a violar os direitos humanos de forma tão flagrante, vamos continuar de forma implacável para chamar a atenção do mundo, e deixe claro, deixe claro, o que está acontecendo. E ele entendeu isso. ”


Não fazer isso, como aconteceu no governo do ex-presidente Donald Trump, minaria a credibilidade da América, disse Biden.


“No momento em que um presidente se afasta disso, como o último fez, é que começamos a perder nossa legitimidade no mundo. É quem somos ”, disse ele.


Biden, que planeja apresentar uma proposta de infraestrutura de vários trilhões de dólares na próxima semana, disse que garantiria um aumento do investimento dos EUA em novas tecnologias promissoras, como computação quântica, inteligência artificial e biotecnologia.


Ele disse que visa retornar o investimento dos EUA em pesquisa e desenvolvimento de tecnologia para mais perto dos 2% do PIB investido na década de 1960, ante a taxa atual de cerca de 0,7%.


“O futuro está em quem pode, de fato, ser dono do futuro no que se refere à tecnologia, computação quântica, uma série de coisas, inclusive nas áreas médicas”, disse ele.


“Vamos fazer investimentos reais”, disse ele, lembrando que a China gasta três vezes mais do que os Estados Unidos em infraestrutura.


Reportagem de Jarrett Renshaw, Michael Martina, Alexandra Alper e Matt Spetalnick; escrita por Andrea Shalal; Edição de Chizu Nomiyama e Sonya Hepinstall



ORIGINAL:

https://www.reuters.com/article/us-usa-biden-china/biden-says-china-wont-surpass-u-s-as-global-leader-on-his-watch-idUSKBN2BH2ZE

2 views0 comments