Belt & Road da China enfrenta economia pandêmica

- THE EPOCH TIMES - 9 SET, 202 - Antonio Graceffo - Tradução César Tonheiro -

Dívida pública chinesa sobe vertiginosamente em meio à busca de Pequim por dominação global


A Belt and Road Initiative ( BRI ) da China está no centro da política externa e econômica de Xi Jinping e é um componente significativo do impulso de Pequim para a expansão global.


Até agora, 139 países juntaram os vários componentes, incluindo a Rota da Seda Digital, a Rota da Seda da Saúde e a Rota da Seda Marítima.


O BRI (também conhecido como “One Belt, One Road” [OBOR]) consiste em uma série de programas de infraestrutura interligados, incluindo estradas e portos físicos, bem como telecomunicações e bancos. O modelo básico é que os bancos estatais chineses emprestam dinheiro aos países em desenvolvimento que usam os fundos para pagar às empresas chinesas nas construções de suas infraestruturas. A adesão ao BRI veio com uma vaga promessa de que os projetos do BRI aumentariam o PIB de países em mais do que o valor necessário para pagar suas dívidas. Mas, até agora, a grande maioria dos projetos do BRI não conseguiu enriquecer outros países. Na verdade, a dívida do BRI está pesando sobre as economias de algumas das nações mais pobres do mundo. 23% dos países que aderiram ao BRI disseram que a dívida do BRI está aumentando sua dívida externa a níveis insustentáveis.


O BRI conecta 100 economias e 6 corredores econômicos:


New Eurasia Land Bridge: Uma ligação ferroviária através do Cazaquistão, Rússia, Bielo-Rússia e Polônia.


Corredor econômico da China, Mongólia, Rússia: Inclui ligações ferroviárias e a estrada de estepe, conectando-se com a ponte terrestre da Eurásia.


China, Ásia Central, Corredor Econômico da Ásia Ocidental: conecta o Cazaquistão, o Quirguistão, o Tadjiquistão, o Uzbequistão, o Turcomenistão, o Irã e a Turquia.


China, Corredor Econômico da Península da Indochina: Consiste no Vietnã, Tailândia, República Democrática Popular do Laos, Camboja, Birmânia (também conhecido como Mianmar) e Malásia.


China, Pakistan Economic Corridor (CPEC): estende-se da região de Xinjiang, na China, ao Porto de Gwadar, no Paquistão.


China, Bangladesh, Índia, Corredor Econômico de Mianmar.

O porto de Sihanoukville no Camboja, parte do Belt and Road Initiative da China, nesta foto sem data. (Tang Chhin Sothy / AFP / Getty Images)

Antes da pandemia, o BRI já estava em um ponto baixo devido ao aumento das críticas à insustentabilidade de projetos anteriores, juntamente com a diminuição do investimento em novos projetos. O otimismo estava vacilando, pois parecia que a maioria dos projetos do BRI não geraria um aumento do PIB suficiente para cobrir o serviço da dívida. A joia da coroa do BRI, o CPEC, é um excelente exemplo. O CPEC já está em curso há sete anos e menos de um terço concluído. Até agora, o CPEC não chegou perto de aumentar o PIB do Paquistão o suficiente para pagar os juros devidos sobre os empréstimos da China.


Agora, com o COVID-19 afetando as economias em todo o mundo, a lucratividade potencial até mesmo dos melhores projetos BRI parece menos provável. Os países podem não retomar esses projetos ou podem esperar até depois de uma recuperação econômica total para reiniciar, o que pode levar anos.


Os bancos centrais de 2/3 dos países Belt and Road disseram que a pandemia teve um impacto negativo no andamento dos projetos do BRI. Um dos problemas é que diversos países adotaram diferentes medidas de bloqueio, de várias durações e intensidades. Isso tornou o planejamento impossível, com interrupções na cadeia de suprimentos frequentes e imprevisíveis.


Até agora, a China investiu mais de US $ 500 bilhões em projetos do BRI, emprestando para nações em desenvolvimento na África, Ásia e América Latina. A China e todos os outros países do Grupo dos 20 estenderam uma moratória da dívida aos mutuários mais pobres, totalizando cerca de US $ 16,5 bilhões em pagamentos de empréstimos diferidos. Durante a pandemia, muitos desses países promulgaram estímulos econômicos, que aumentaram sua dívida nacional e também aumentaram o risco de inadimplência. Se essas nações não pagarem seus empréstimos do BRI, os empréstimos inadimplentes da China, já em níveis recordes, aumentariam dramaticamente.


A pandemia acelerou a tendência de países cancelando projetos do BRI. Em 2018, a Malásia cancelou o East Coast Rail Link (ECRL) e dois gasodutos, o Multi-Product Pipeline (MPP) e o Trans-Sabah Gas Pipeline (TSGP). O Paquistão cancelou uma usina a carvão BRI de US $ 2 bilhões em 2019 e reduziu os empréstimos para a construção de uma nova ferrovia de US $ 2 bilhões. A Birmânia cortou seu empréstimo para o porto de águas profundas Kyauk Pyu, apoiado pela China, em US $ 6 bilhões. E Serra Leoa cancelou um aeroporto de US $ 400 milhões.


Outra ameaça enfrentada pela conclusão dos projetos do BRI é que muitos dos contratos continham cláusulas de força maior, que podem proteger empreiteiros ou tomadores de empréstimos. Esse risco maior de reembolso ocorre em um momento em que a China ainda está se recuperando de suas próprias medidas de bloqueio, que fecham fábricas e portos. Enquanto isso, a China está sofrendo com as mesmas cadeias de suprimentos quebradas que o resto do mundo, tornando a fabricação e a recuperação mais difíceis.

O porto de Gwadar, uma parte importante do Belt and Road Initiative da China, no Paquistão, em 4 de outubro de 2017. (Amelie Herenstein / AFP / Getty Images)

A China já emprestou US $ 520 bilhões a mais de 150 países, o que representa 1/4 do total de empréstimos bancários aos países em desenvolvimento. Antes da pandemia, 23 países do BRI já estavam com sobreendividamento. Espera-se que muitos dos países do BRI peçam perdão de empréstimo ou reestruturação como resultado da pandemia.


O regime chinês estima que 20% dos projetos BRI foram severamente afetados pelo COVID-19. Mas os bloqueios da pandemia apenas aceleraram a tendência de diminuição dos investimentos no exterior e a desaceleração do BRI que já existia há vários anos. O crescimento anual do investimento estrangeiro da China atingiu um pico de 49,3% em 2016 e tem estado em declínio desde então. Ele encolheu 23% em 2017 e outros 13,6% em 2018, e permaneceu relativamente estável em 2019. Em 2020, os investimentos chineses no exterior nos países do BRI eram 54% menores do que em 2019. Os empréstimos inadimplentes da China já estão em US $ 1,5 trilhão , enquanto a dívida pública total é de 270% do PIB, incluindo dívida externa de US $ 2,4 trilhões.


A guerra comercial EUA-China já havia prejudicado a economia chinesa e os bloqueios provocaram novas retrações. Somente no início de 2020, mais de 240.000 empresas declararam falência. Consequentemente, o Partido Comunista Chinês (PCC) está se concentrando tanto em reviver a economia doméstica da China que pode não ter os recursos nem a motivação para retornar ao BRI.


A conclusão do BRI parece muito menos provável do que em 2013, quando Xi Jinping, e grande parte do mundo, acreditava que uma ordem mundial liderada pelo PCC era uma inevitabilidade [O Sr. José Ricardo Roriz Coelho, então vice-presidente da Fiesp, era um de tais crédulos]. Com o desmoronamento do BRI, os planos do PCCh de suplantar os Estados Unidos como a potência dominante do mundo enfrentaram um sério revés.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Antonio Graceffo, Ph.D., passou mais de 20 anos na Ásia. Ele é graduado pela Shanghai University of Sport e possui um MBA na China pela Shanghai Jiaotong University. Antonio trabalha como professor de economia e analista econômico da China, escrevendo para vários meios de comunicação internacionais. Alguns de seus livros sobre a China incluem "Além do cinturão e da estrada: a expansão econômica global da China" e "Um curso rápido sobre a economia chinesa".


LEIA NO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/chinas-belt-and-road-faces-pandemic-economy_3986667.html


Para acessar o Conteúdo acima, acesse a Home Page aqui. https://www.heitordepaola.online/



11 views0 comments