top of page

Bashar al-Assad está de volta

- FOUNDATION FOR DEFENSE OF DEMOCRACIES - Clifford D. May Founder & President - 17 MAIO, 2023 - TRADUÇÃO GOOGLE -

Existe, em algum lugar do mundo, um ditador com mãos mais sangrentas do que Bashar al-Assad? A competição é intensa, eu percebo. Mas nos últimos doze anos, desde que os manifestantes foram às ruas de Damasco pela primeira vez para exigir liberdades básicas, Assad tem massacrado seus companheiros sírios em um ritmo constante. As estimativas do número de mortos agora chegam a meio milhão.


Da população pré-guerra da Síria de 22 milhões, mais de dez milhões fugiram para o exterior – mais de um milhão para a Europa – ou foram deslocados dentro do país. Aleppo e outras cidades antigas foram reduzidas a escombros.


Para pagar suas contas, Assad é conhecido por estar profundamente envolvido no tráfico de drogas – em particular, Captagon, uma anfetamina – em grande parte do Oriente Médio.


"O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL"

E, claro, Assad continua sendo um cliente – “sátrapa” pode ser o termo mais preciso – da República Islâmica do Irã, cujas forças, aliadas às do ditador russo Vladimir Putin, ajudaram a mantê-lo no poder.


Ele agora está sendo recompensado por tudo isso. A Liga Árabe anunciou que a adesão da Síria, suspensa em 2001, será restaurada e que o Sr. Assad participará de sua próxima cúpula na Arábia Saudita em 19 de maio. Haverá apertos de mão, abraços e tapinhas nas costas?


A Liga Árabe tem 22 membros. Alguns são moderados, muitos não. Nenhuma pode ser chamada de democracia. Alguns são ricos (graças ao petróleo e ao gás), a maioria é pobre. Todos são de maioria muçulmana, e a maioria é de maioria sunita. Mais de 400 milhões de pessoas vivem nas nações da Liga Árabe, embora nem todos sejam árabes. As minorias – por exemplo, curdos, drusos, cristãos coptas, maronitas – não desfrutam de nada perto de direitos iguais.


Em fevereiro, terremotos atingiram o norte da Síria e da Turquia, matando milhares e destruindo as casas de outros milhares. Assad se beneficiou quando árabes e outros líderes que o haviam afastado repentinamente fizeram ofertas de ajuda. O Irã começou a enviar armas sob o pretexto de ajudar no terremoto.


O Sr. Assad hoje controla cerca de 60 por cento da Síria. Rebeldes islâmicos governam uma área no noroeste, turcos e seus representantes mantêm território no extremo noroeste, e as Forças Democráticas Sírias (dominadas pelos curdos com membros árabes e assírios) têm um enclave no nordeste.


Um pequeno contingente de tropas de elite dos EUA auxilia o SDF. Sua principal missão é impedir que o Estado Islâmico retome cidades e vilas. “Embora o ISIS esteja significativamente degradado no Iraque e na Síria, o grupo mantém a capacidade de conduzir operações na região”, disse o general do Exército Erik Kurilla, que chefia o Comando Central, a repórteres no final do ano passado. “E sabemos que o grupo tem o desejo de atacar fora da região.”


A readmissão de Assad à educada sociedade árabe segue uma détente – intermediada por Pequim – entre a Arábia Saudita, a nação árabe mais importante, e os mulás governantes do Irã. Ebrahim Raisi visitou Damasco este mês, a primeira visita de um presidente iraniano à Síria desde 2010. Ele assinou 15 “documentos de cooperação”.


Considere-os uma vitrine. Jonathan Spyer, diretor do Centro de Relatórios e Análises do Oriente Médio, relatou recentemente que dentro da Síria o regime de Teerã “mantém suas próprias bases, armamento e áreas de controle nas quais as forças de Assad não podem entrar sem sua aprovação”.


Teerã também vem estabelecendo comunidades xiitas em aldeias das quais os sunitas sírios fugiram. “O Irã e o regime não querem nenhum sunita entre Damasco e Homs e a fronteira libanesa”, disse um importante líder libanês ao The Guardian (Reino Unido). “Isso representa uma mudança histórica nas populações.”


As novas populações incluem xiitas do Líbano, Iraque, Afeganistão e outros países que lutaram nas milícias apoiadas por Teerã. Isso soa como colonialismo de colonização? Não espere um debate sobre esta questão na ONU.


Trazer Assad de volta à Liga Árabe “envia um sinal de que não importa quão horrendos sejam seus crimes de guerra, eventualmente você pode ser reabilitado se for suficientemente implacável e paciente”, observou Mark Dubowitz, meu colega do FDD.


Mais amplamente, reforça e até mesmo legitima as ambições imperialistas dos governantes do Irã que governam o Líbano por meio de seu representante bem armado, o Hezbollah, estão trabalhando duro para subjugar os iraquianos e apoiam os rebeldes houthis no Iêmen – embora seu novo acordo com Riad deva terminar a luta lá. Veremos.


Teerã também financia, arma e instrui os vários grupos terroristas árabes que atacam Israel. A ofensiva mais recente, liderada pela Jihad Islâmica, não foi um sucesso. Quando um cessar-fogo entrou em vigor no fim de semana passado, seis líderes do grupo baseado em Gaza haviam sido mortos em ataques de precisão. Israel também continua a bombardear bases iranianas na Síria para evitar que esse país se torne mais uma plataforma para mísseis e ataques terroristas.


O secretário de Estado, Antony Blinken, disse que o governo Biden não pretende reconhecer o regime de Assad e “não apóia a normalização de outros”. Talvez, mas a embaixadora Barbara Leaf, secretária de Estado adjunta para assuntos do Oriente Próximo, enviou uma mensagem diferente: “Aconselhamos nossos amigos e parceiros na região que eles recebam algo em troca por esse envolvimento com Assad”.


Um grupo bipartidário de legisladores dos EUA apresentou na semana passada um projeto de lei para impedir o governo dos EUA de reconhecer Assad como presidente da Síria e aumentar a capacidade de Washington de impor sanções.


O projeto de lei expandiria a Lei de César, que impôs sanções à Síria há quatro anos. A lei leva o nome de um desertor militar sírio de codinome César, que contrabandeou 53.275 fotografias para fora da Síria documentando a extensa tortura nas prisões de Assad.


A Reuters, que primeiro informou sobre o projeto de lei, chamou-o de "um aviso para outros países normalizando as relações com Assad". Talvez, mas no Oriente Médio e em outros lugares, as advertências americanas não são levadas tão a sério quanto antes. Quem merece a culpa por isso é uma questão que vamos deixar para outro dia.


 
Clifford D. May é fundador e presidente da Fundação para a Defesa das Democracias (FDD) e colunista do Washington Times.

-
PUBLICALÇÃO ORIGINAL >

7 views0 comments

Related Posts

See All
bottom of page