Autoridades da Casa Branca e do Pentágono negociaram ações chinesas enquanto restrições eram listada

THE EPOCH TIMES - Andrew Thornebrooke - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 11 OUT, 2022


Funcionários de alto escalão da Casa Branca e do Pentágono negociavam ações chinesas mesmo quando seus escritórios estavam encarregados de restringir empresas, de acordo com um novo relatório.


Mais de 2.600 funcionários públicos possuíam ou negociavam ações cujos preços aumentariam ou cairiam dependendo de suas ações, de acordo com um novo relatório investigativo do Wall Street Journal, que analisou 31.000 formulários de divulgação financeira de 12.000 funcionários públicos e assessores políticos.



Desses 2.600 funcionários federais, mais de 400 possuíam ou negociavam ações chinesas, inclusive no Departamento de Defesa, Departamento de Estado e Casa Branca, disse o relatório de 11 de outubro.


“O Departamento de Defesa estava entre as agências federais com mais funcionários que investiram em ações chinesas, mesmo quando o Pentágono nos últimos anos mudou seu foco para combater a China”, disse o relatório.


O relatório também descobriu que, de 2016 a 2021, mais de 25% dos funcionários do governo do Departamento do Tesouro, Agência de Proteção Ambiental, Departamento de Defesa, Receita Federal, Comissão de Valores Mobiliários e Federal Reserve negociavam ações de empresas que faziam lobby ativamente em sua agência.


Notavelmente, descobriu-se que funcionários do Pentágono, Departamento de Estado e Casa Branca negociaram em várias empresas chinesas, incluindo Alibaba, Baidu e a China Petroleum and Chemical Corporation, também conhecida como Sinopec.


A Sinopec é de propriedade da China Petrochemical Corporation, que é supervisionada pela Comissão de Supervisão e Administração de Ativos Estatais, uma comissão especial do Partido Comunista Chinês.

Um homem trabalha em um posto de gasolina da Sinopec, China Petroleum and Chemical Corporation, em Xangai, China, em 22 de março de 2018. (Johannes Eisele/AFP via Getty Images)

Entre os que negociaram ações chinesas estavam Reed Werner, que atuou como vice-secretário assistente de defesa para o sul e sudeste da Ásia, e Jack Wilmer, que atuou como consultor sênior de segurança cibernética da Casa Branca e, mais tarde, como diretor de segurança da informação do Pentágono.


Werner possuía ações da Alibaba no momento em que o Pentágono estava debatendo a adição da empresa a uma lista de restrições. As ações do Alibaba subiram 4% em um dia em que o Pentágono não adicionou a empresa à lista.


Werner vendeu suas ações do Alibaba com lucro três dias depois, pouco antes de as autoridades serem programadas para renovar sua pressão para a lista restrita.

“No Departamento de Defesa, funcionários do escritório do secretário relataram possuir coletivamente entre US$ 1,2 milhão e US$ 3,4 milhões em ações de empresas aeroespaciais e de defesa em média a cada ano, examinadas pelo WSJ. Alguns detinham ações de empresas chinesas enquanto os EUA consideravam restringir as empresas na lista”, disse o relatório.


O aparente conflito de interesses demonstrado no Departamento de Defesa e na Casa Branca parecia fazer parte de um padrão mais amplo no qual funcionários do governo negociavam ativamente ações de empresas cujos negócios contrariam a missão declarada do departamento de funcionários.


Em um exemplo, um alto funcionário da Agência de Proteção Ambiental negociou ações de petróleo e gás. Em outro, um funcionário da Food and Drug Administration possuía ações explicitamente listadas de não-comprar da agência.

O relatório constatou que as agências em questão, às vezes, dispensavam as regras quando se descobria que um funcionário tinha um conflito de interesses. Outras vezes, as agências aprovavam o uso de uma das várias isenções estabelecidas para permitir que funcionários do governo possuíssem ações.


O relatório observou que muitos dos milhares de registros solicitados como parte da investigação ainda não haviam sido entregues pelo governo e que algumas agências pareciam estar protelando sua liberação. No caso do Departamento de Segurança Interna, por exemplo, nenhum documento havia sido entregue.


Andrew Thornebrooke é repórter do Epoch Times cobrindo questões relacionadas à China com foco em defesa, assuntos militares e segurança nacional. Ele tem mestrado em história militar pela Universidade de Norwich.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/white-house-and-pentagon-officials-traded-chinese-stocks-while-mulling-blacklist_4788887.html

6 views0 comments