Ausência de Xi dos olhos do público antes da candidatura do terceiro mandato gera rumores

- THE EPOCH TIMES - Eva Fu - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 24 SET, 2022


Há pouco mais de uma semana, o líder chinês Xi Jinping embarcou em uma viagem de três dias à Ásia Central para marcar sua esfera de influência. Desde então ele está fora dos olhos do público, pulando uma reunião militar de alto nível e a assembleia anual das Nações Unidas.


Com a China a apenas algumas semanas do 20º Congresso Nacional, onde Xi deve buscar um terceiro mandato sem precedentes, sua ausência foi longa o suficiente para atrair a atenção de observadores políticos atentos, com alguns até especulando que ele foi colocado em prisão domiciliar.



Em 24 de setembro, Xi Jinping se tornou um dos principais tópicos de tendências no Twitter. Seu nome apareceu em hashtags mais de 42.000 vezes e o termo “golpe da China” circulou 9.300 rodadas na plataforma.


“Novo boato a ser verificado: Xi jingping [sic] está sob prisão domiciliar em Pequim?” escreveu Subramanian Swamy, ex-ministro indiano e membro do parlamento até abril.


Essa especulação também ocorreu quando os cidadãos chineses notaram cancelamentos de voos em massa em todo o país. Quase 10.000 voos - quase dois terços dos programados para o dia - foram cancelados no sábado, mesmo dia em que uma importante conferência sobre defesa nacional e reforma militar foi convocada em Pequim. O Weibo, a principal plataforma de mídia social da China, censurou rapidamente as discussões sobre os cancelamentos de voos, declarando que eram “rumores”.


Xi, que voltou à capital da China em 16 de setembro depois de se encontrar com o russo Vladimir Putin em uma cúpula regional na Ásia Central, não compareceu à reunião em Pequim, mas transmitiu instruções de que as Forças Armadas deveriam se concentrar na preparação para a guerra. Da mesma forma, faltava Wei Fenghe, seu general militar chinês escolhido a dedo, atualmente servindo como ministro da defesa nacional do país.

O ministro da Defesa da China, Wei Fenghe (frente L), participa da cúpula do Diálogo Shangri-La em Cingapura em 12 de junho de 2022. (Roslan Rahman/AFP via Getty Images)

Suas atividades públicas desde então consistiram principalmente em uma carta de saudação para marcar o Festival da Colheita dos Agricultores Chineses em 22 de setembro e outra no dia seguinte para a mídia estatal chinesa China News Service, parabenizando a agência pelo seu 70º aniversário.


Nenhum grande veículo chinês nem autoridades se manifestaram para refutar os rumores que circulam, mas o alcance da teoria, embora infundada, reflete um certo grau de raiva dentro do país, disseram alguns analistas.


"É uma demonstração de descontentamento", disse Wang He, um comentarista dos EUA sobre os assuntos atuais da China, ao Epoch Times. “Parece que as pessoas estão contando até o dia para ele cair do poder.”


Embora Xi tenha praticamente garantido seu terceiro mandato, muitas pessoas não se reconciliaram com sua permanência no poder, acrescentou.


O analista da China, Gordon Chang, considerou um golpe improvável, apontando para a falta de evidências de apoio no terreno.


“Eu não acho que houve um golpe”, disse ele ao Epoch Times. “Porque se houvesse um golpe, veríamos, por exemplo, muitos veículos militares no centro de Pequim. Não houve relatos disso. Além disso, provavelmente haveria uma declaração de lei marcial que não ocorreu.”


“Então parece que algo está acontecendo, mas não sabemos exatamente o quê”, disse ele, acrescentando que a única coisa que pode dissipar algumas das especulações é se Xi sair para falar em público.


Zhang Tianliang, escritor e autor do livro chinês “Caminho da China para a Transição Pacífica”, também rejeitou a teoria da prisão domiciliar por não estar de acordo com o senso comum.


Durante a semana passada, seis altos funcionários chineses, incluindo dois ex-funcionários de nível de gabinete, receberam sentenças pesadas por crimes relacionados à corrupção, somando-se a uma série de funcionários expurgados na campanha anticorrupção de Xi que ele lançou após assumir o cargo no final de 2012.


Como Xi teria a capacidade de puni-los se ele tivesse perdido o controle do poder, Zhang argumentou em seu programa em 22 de setembro.


Se Xi faz ou não uma aparição pública, porém, tem pouco significado, disse Wang, observando que uma ausência tão prolongada da atenção pública não foi exclusiva de Xi.


Para Wang, a viagem de Xi ao exterior antes do congresso do Partido foi uma projeção de confiança.


“Sem garantia absoluta, este homem não correrá riscos facilmente”, disse ele sobre Xi.


Luo Ya contribuiu para este relatório.


Eva Fu é uma escritora de Nova York do Epoch Times com foco na política dos EUA, relações EUA-China, liberdade religiosa e direitos humanos.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/xis-absence-from-public-eye-ahead-of-third-term-bid-sets-rumors-flying_4752887.html



13 views0 comments