Ativistas da China Continental exigem que o PCC renuncie

- THE EPOCH TIMES - 22Out, 2020 -

Alex Wu - Tradução César Tonheiro


Xiao Chun segurando faixas na entrada da Universidade de Xiamen. (Captura de tela do Twitter)

Dois ativistas chineses do continente estão se levantando contra o governo do Partido Comunista Chinês (PCC), exigindo que a liderança renuncie e seja responsabilizada por perseguir o povo chinês. Em entrevistas exclusivas, eles disseram ao Epoch Times que querem democracia na China e o fim do governo do PCCh.


Ativista de direitos exige que o PCC renuncie


Em 18 de outubro, entre 10h e 12h, o ativista de direitos humanos Xiao Chun ergueu faixas em frente à entrada da Universidade de Xiamen, no sul da província de Fujian. Uma faixa dizia “Direitos Humanos, Democracia e Estado de Direito” e outra tinha os nomes de alguns ativistas renomados que foram detidos ilegalmente pelo PCCh, incluindo Xu Zhiyong, Huang Qi , Li Huaiqing, Wang Zang, Yu Wensheng , Cheng Yuan , Ding Jiaxi e Zhang Zhan.


Xiao disse ao Epoch Times que deseja se levantar contra o PCC porque ele suprime a liberdade de expressão e, como cidadão chinês, espera que a ditadura de partido único possa ser abolida para que o continente possa ter democracia e Estado de direito, como Taiwan.


“Estamos buscando os direitos que os cidadãos devem ter. Originalmente são todos os nossos direitos. O segundo artigo da Constituição estipula que todos os direitos pertencem ao povo. O povo fiscaliza o governo e tem o direito de ir para as ruas”, afirmou.


“Nós, o povo e os contribuintes, gastamos dinheiro para apoiar o governo. O governo deve servir ao povo, não o contrário. Nós, o povo, devemos lutar pela justiça”, acrescentou.


Xiao também quer responsabilizar o PCCh por seus erros, como o encobrimento do surto da COVID-19 na China e a supressão de denunciantes que expuseram a verdade sobre a propagação do vírus. Ele também mencionou as centenas de milhares de pessoas que fazem petições em Pequim todos os dias e são tratadas com severidade; alguns deles entraram com petições por mais de uma década, mas ainda não conseguiram justiça.


Xiao afirmou: “O Partido Comunista não tem capacidade para governar bem este país. Não está funcionando a contento, por isso pedimos a você [PCC] que renuncie.”


Quando questionado sobre as repercussões que poderia enfrentar por criticar abertamente o PCCh, Xiao disse que estava "psicologicamente preparado antes de fazer isso".


“Pessoas comuns recuariam quando fossem reprimidas ou espancadas. Mas eu sigo em frente, trabalho ainda mais e fico mais motivado. Eu não estou com medo."


Xiao nasceu no condado de Qu, cidade de Dazhou, província de Sichuan. Tempos atrás ele tinha um negócio de consultoria de disputas trabalhistas em Shenzhen e ajudou a proteger os direitos dos trabalhadores migrantes. Devido a isso ele foi frequentemente assediado pelas autoridades que restringiram sua liberdade, o roubaram e o espancaram.


Em julho de 2008, Xiao organizou um grande número de peticionários para protestar na Praça Tiananmen, exigindo a libertação dos ativistas de direitos humanos Huang Qi e Hu Jia, que estavam presos na época. Ele foi preso e mais tarde condenado a quatro anos de prisão por “usar de um expediente para minar a implementação da lei”.


Xiao disse ao Epoch Times que as autoridades realizaram um julgamento secreto para ele. Ele foi forçado a fazer trabalho escravo na prisão, trabalhando seis dias por semana, mais de dez horas por dia, e só recebia de dois a vinte yuans (cerca de US $ 0,20 a US $ 3,00) por mês. Ele também revelou que houve presidiários que contraíram tuberculose e outras doenças por causa das más condições do trabalho no presídio.


Depois que Xiao foi libertado no início de setembro de 2011, ele voltou para sua cidade natal em Sichuan, onde foi assediado e reprimido pelas autoridades chinesas. Ele disse que foi perseguido, detido ilegalmente, colocado na lista negra e negado o direito de comprar passagens de trem.


'Pessoas irritadas não têm mais medo'


Enquanto isso, um vídeo no Twitter de um homem idoso pendurando bandeiras de cinco países democráticos se tornou viral e atraiu a atenção de todo o mundo. No vídeo, Sui Shuangsheng, de 62 anos, gritou: “As pessoas irritadas não estão mais com medo! Elas têm que falar. Viva a democracia! A ditadura vai perecer! ”


Sui Shuangsheng compartilha suas opiniões sobre o regime chinês em um vídeo. (Captura de tela do Twitter)

Link do vídeo: https://twitter.com/xSTWzhymWSkvLx9/status/1318192328004243456


Sui é ativista de direitos humanos e natural da cidade de Qingdao, província de Shandong. Em 1º de outubro, ele pendurou as bandeiras nacionais dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Austrália, Canadá e Nova Zelândia em sua varanda. O dia 1º de outubro foi um feriado nacional que marcou o 71º aniversário da ocupação da China pelo Partido Comunista.


Em uma entrevista exclusiva para o Epoch Times em 20 de outubro, Sui relembrou o que aconteceu a seguir. Ele disse que seu prédio foi cercado por 20 a 30 policiais e pela administração municipal enviados pelas autoridades locais. “Isso me fez ir para a varanda e gritar 'abaixo a ditadura'!”  Naquela noite, dois policiais invadiram seu apartamento e arrancaram as bandeiras de sua varanda.


Sui acredita que não violou nenhuma lei. “Por que eles removeram as bandeiras? Os chineses podem segurar a bandeira chinesa, cantar o hino nacional chinês e dirigir carros de luxo nos Estados Unidos. Por que os chineses não podem pendurar uma bandeira americana em suas casas?”


“Por que você [o PCC] tem medo da bandeira de um país democrático? Você [o PCC] é muito sombrio”, disse ele. “Não vou desistir. O povo furioso não tem mais medo da morte! Eles podem me prender.”


Nos primeiros anos, Sui e sua esposa eram donos de empresas de engenharia especializadas em arborização, terraplenagem e trabalhos em pedra. Mas eles sofreram enormes perdas econômicas depois que relataram as atividades ilegais da polícia local. Eles alegam que a polícia do distrito norte de Qingdao estava protegendo criminosos. Desde 2012, eles continuaram a apresentar petições e queixas.


Em março do ano seguinte, Sui expôs dezenas de autoridades municipais que supostamente aceitaram subornos de incorporadores.


Em 22 de agosto de 2014, Sui expôs um escândalo envolvendo a construção secreta de vilas luxuosas que pertenceram aos oito vice-prefeitos do governo municipal de Qingdao.


Em 10 de outubro de 2014, Sui foi preso sob a acusação de “fabricar e armazenar explosivos” e mais tarde foi condenado a cinco anos de prisão pelo Tribunal Distrital de Qingdao Norte. Enquanto estava detido ilegalmente, Sui foi torturado e pressionado a fazer uma confissão forçada, mas não cedeu.


Após sua libertação, as autoridades revogaram sua pensão.


Sui não apoia o PCCh e disse ao Epoch Times: “Os Estados Unidos dizem que o PCCh não representa o povo chinês. Está correto. … Não gosto deste partido e não tem nada a ver comigo.”


Ele acrescentou: “O PCCh está no poder há 70 anos. Não foi eleito pelas três gerações de minha família, nem pelo povo. A propaganda e os relatórios [do PCCh] que podem agora ser vistos são todos falsos”.


Sui acredita que se o firewall da Internet do PCC puder ser removido, o PCC cairá. O firewall impede que os chineses no continente tenham acesso a informações censuradas que o regime considera confidenciais.


“O continente (as pessoas) vivem em mentiras e estão sofrendo uma lavagem cerebral pelas mentiras. As pessoas não podem ver a verdade. O PCCh tem mais medo da verdade. Usa mentiras para criar mentiras”, disse ele.


No final da entrevista, Sui afirmou que oficialmente se retirou da organização de Jovens Pioneiros do PCC.


Um movimento popular de "Quitting the Party", ou Tuidang, ganhou atenção entre a comunidade chinesa global no exterior desde 2004 alimentando a publicação da série editorial do Epoch Times em chinês —  ninecommentaries.com  — sobre o Partido Comunista. Até 22 de outubro, 366 milhões de pessoas haviam renunciado seus laços com o PCC e suas organizações afiliadas, segundo os registros do Tuidang Center.


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/mainland-chinese-activists-demand-ccp-to-step-down_3546702.html



12 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube