Ativista chinês relata tortura e medicação forçada durante detenção em hospital psiquiátrico

THE EPOCH TIMES - Hannah Ng - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 17 OUT, 2022


Uma tentativa desesperada de suicídio foi a única coisa que poupou um defensor dos direitos humanos chinês da tortura em curso em um hospital psiquiátrico na megacidade chinesa de Shenzhen.

Pacientes são vistos dentro de um hospital psiquiátrico em Xian, na província de Shaanxi, China, em 8 de outubro de 2006. Relatos de pessoas sãs sendo forçadas a entrar em hospitais psiquiátricos na China após queixas às autoridades estão aumentando. (Fotos da China/Imagens Getty)

Jie Lijian estava na casa dos 30 anos quando foi hospitalizado à força pela polícia pela terceira vez em 2018, sofrendo novamente nas mãos do regime chinês por pedir a libertação de trabalhadores e estudantes presos que defendiam a proteção dos direitos trabalhistas na comunidade Guangdong Jiashi.



O ativista foi detido por três dias e, depois de torturado na prisão, foi enviado para um moderno Hospital Kangning em Shenzhen para “hospitalização e tratamento forçados” por 52 dias. Ele o descreveu como “o maior campo de concentração terrorista de Auschwitz feito na China no século 21”.


Seu caso foi denunciado pela SafeGuard Defenders, uma organização de direitos humanos.


Jie, agora exilado na Califórnia, lembrou que a tortura mais horrenda a que foi submetido na prisão psiquiátrica foi o tratamento com choque elétrico.


Eletrochoque


O jovem dissidente recebeu tratamento de eletrochoque (ECT) três vezes sem anestesia.


“Quando a energia é ligada, você se sente como se estivesse morto. Seu cérebro parece estar fixo, preso por restrições, e seus braços, pernas e pulsos, barriga e pescoço estão todos fixos. Assim que a energia é ligada, seu corpo pula e seus olhos se arregalam”, contou.


Antes de aplicar o choque, a equipe o reteve colocando cintos em volta do pescoço, peito, braços e pernas. Suas algemas ficavam mais apertadas quanto mais ele lutava contra elas. Para evitar que ele mordesse a língua, eles colocaram um trapo em sua boca.


Seu corpo se sacudia violentamente quando eles aplicavam dois eletrodos, um de cada lado de sua cabeça. Ele perdia a consciência periodicamente.


O choque elétrico durou uma hora – todo mundo que sofre esse tratamento desmaia. “Não sei como sobrevivi”, exclamou.


A equipe também forçou todos a assistir à experiência dolorosa como um método para gerar intimidação, de acordo com Jie.


O ativista também foi forçado a tomar de sete a oito tipos de drogas desconhecidas por dia no hospital.


O remédio o deixou doente, às vezes tonto, e turvou sua visão, disse Jie.


Ele lembrou que havia cerca de 30 pessoas na mesma ala, 80% das quais eram peticionários pacíficos, dissidentes, praticantes do Falun Gong e cristãos.


A enfermaria, ele lembrou, tomou grandes medidas para prevenir suicídios entre os detentos. A maioria das bordas ásperas de mesas e bancos, bem como outras superfícies duras, eram revestidas com um material macio e esponjoso. Não havia fechaduras na porta do banheiro, então os funcionários sempre podiam entrar, e as luminárias eram inacessíveis devido aos tetos muito altos.


“Eu teria preferido morrer do que continuar vivendo lá. Não tinha como sair e eu queria morrer”, disse.


Tentativa de suicídio


Em desespero, o ativista recorreu a uma tentativa de suicídio, esmagando a tampa do vaso sanitário e cortando os pulsos com os pedaços irregulares de porcelana.


Mas sua tentativa falhou. A equipe o descobriu sangrando, e chocada com seu ato e para evitar implicações, libertou Jie, mas o colocou sob custódia policial.

Temendo ser enviado de volta ao campo de concentração do Partido Comunista Chinês, o dissidente estava determinado a deixar a China.


E mesmo agora, na segurança dos Estados Unidos, a experiência que o aterrorizou ainda o assombra. Jie continua a ter problemas de saúde, incluindo dores de cabeça excruciantes e tremores incontroláveis.


De acordo com a SafeGuard Defenders, ele tem conhecimento de 99 pessoas que foram trancadas em enfermarias psiquiátricas de 2015 a 2021 em 109 hospitais em 21 províncias, municípios ou regiões da China.


Alguns foram detidos mais de uma vez, às vezes até mais de uma dúzia de vezes, enquanto outros foram mantidos por anos ou até mais de uma década.


Hannah Ng é uma repórter que cobre notícias dos EUA e da China. Ela possui mestrado em economia internacional e desenvolvimento pela Universidade de Ciências Aplicadas de Berlim.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/rights-defender-describes-chinese-regimes-auschwitz-terror-concentration-camps_4798653.html

3 views0 comments