As vacinas COVID19 prejudicam o sistema imunológico e levam a doenças mais graves: Dr. Robert Malone

- THE EPOCH TIMES - Ella Kietlinska e Joshua Philipp - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 2 AGO, 2022 -

Um profissional de saúde se prepara para administrar uma vacina contra varíola no Pride Center em Wilton Manors, Flórida, em 12 de julho de 2022. (Joe Raedle/Getty Images)

Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


Um estudo do Reino Unido mostrou que os profissionais de saúde que receberam vários reforços da vacina COVID-19 após serem inicialmente infectados com a cepa original do vírus de Wuhan estão mais propensos à reinfecção crônica da variante Omicron.


Isso pode ajudar a explicar por que as pessoas que receberam vários reforços da vacina COVID-19 cada vez mais estão entre as que acabam no hospital com sintomas graves de COVID-19, às vezes resultando em morte, disse o cientista e médico Dr. Robert Malone.


Em uma entrevista de 21 de julho para o programa “Crossroads” da EpochTV, Malone, inventor da tecnologia da vacina de mRNA, disse que esse fenômeno é o resultado de um processo chamado “imprinting imunológico”, pelo qual a exposição inicial a uma cepa de vírus pode impedir que o corpo produza quantidade suficiente de anticorpos neutralizantes contra uma nova cepa.


Ele acrescentou que este processo é reforçado por múltiplas inoculações.


“Em todo o mundo, estamos vendo esses conjuntos de dados que mostram que, infelizmente, as pessoas que estão morrendo e sendo hospitalizadas são predominantemente as altamente vacinadas”, disse ele. “ Não são aqueles que têm imunidade natural.”


Vacinas baseadas em cepas antigas


As vacinas COVID-19 atualmente em circulação são baseadas na cepa Wuhan do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), também conhecido como SARS-CoV-2, que causa a doença agora identificada como COVID-19.


Várias cepas surgiram e se tornaram dominantes desde que a cepa Wuhan era predominante, incluindo a variante Omicron atualmente dominante.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


O problema é que as vacinas COVID-19 usam apenas um dos componentes de todo o vírus, que é uma proteína spike, então o sistema imunológico de uma pessoa que recebeu uma vacina de mRNA é treinado para responder apenas a esse componente, explicou Malone.


“Se esse antígeno mudou um pouco, se esse vírus mudou um pouco, [o sistema imunológico] ainda reage como se fosse o antigo”, disse ele.


As vacinas COVID-19 são baseadas na proteína spike do vírus original identificado em Wuhan. Essa cepa do vírus não existe mais e não está mais circulando na população, disse Malone.


Se uma vacina baseada em uma cepa viral agora extinta for administrada repetidamente, ela treina o sistema imunológico para se concentrar cada vez mais no antígeno fornecido pela vacina e desconsiderar qualquer outra coisa que seja ligeiramente diferente, explicou Malone, chamando esse fenômeno de imprinting imunológico.


“A literatura sobre imprinting imunológico é à prova de bombas”, disse Malone. “Papéis após papéis e mais papéis agora, nos principais periódicos revisados por pares dos principais laboratórios de todo o mundo, estão documentando isso.”

O fenômeno é conhecido há muito tempo no campo da vacinologia, disse Malone, mas o assunto está proibido, e as pessoas que trabalham na área preferem não discuti-lo, disse ele.


Imunidade de vacina versus imunidade natural


Enfermeiras cuidam de pacientes com COVID-19 em uma unidade de terapia intensiva no Harbor-UCLA Medical Center em Torrance, Califórnia, em 21 de janeiro de 2021. (Mario Tama/Getty Images)

Os profissionais da saúde no Reino Unido – muitos dos quais foram infectados com a variante Wuhan do vírus e também receberam três ou quatro doses da vacina COVID-19 – estão desenvolvendo infecções crônicas repetidas da variante Omicron, disse Malone, citando um artigo publicado na revista acadêmica Science.


Outro artigo publicado na Nature mostra que a evolução do vírus não vem da população em geral, mas sim de pessoas imunocomprometidas que receberam múltiplas doses de vacina, disse Malone, e cerca de 30% da população altamente vacinada está tendo infecções repetidas.


Isso é contrário à narrativa promovida de que os não vacinados estão colocando em risco a população em geral, observou Malone.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


A imunidade natural de uma infecção por COVID-19 dura pelo menos 14 meses, incluindo imunidade contra as cepas Omicron, disse Malone, citando um artigo científico do Catar que ainda não foi revisado por pares (pdf).


A imunidade induzida pela vacina, no entanto, dura apenas alguns meses, acrescentou.


Quando alguém é infectado com o vírus original, essa pessoa gera uma resposta imune que inclui “todos os tipos de proteínas do vírus”, desde que não tenha experimentado muito imprinting imunológico, explicou Malone.


“O problema com essas vacinas monovalentes, ou vacinas de antígeno único, é que elas estão direcionando toda a sua resposta imune contra uma coisa em vez de todo o vírus. Então, tudo o que o vírus precisa fazer é geneticamente, através da evolução, ajustar alguns botões para escapar disso”, disse ele. “E foi exatamente isso que aconteceu com a Omicron.”


O paradoxo é que a maioria dos países com economias emergentes e baixas taxas de vacinação também têm as menores taxas de mortalidade por COVID-19 do mundo, disse Malone.


"É provável que continuemos a ver essa tendência", disse ele.


De acordo com Our World in Data, apenas 1,4% da população do Haiti foi vacinada e o país registrou 838 mortes por COVID-19, uma taxa de 73 mortes por 1 milhão de pessoas.


Na África do Sul, onde 32% da população é vacinada, houve quase 102.000 mortes, uma taxa de 1.717 mortes por 1 milhão de pessoas.


No Reino Unido, 75% da população está vacinada e mais de 184.000 pessoas morreram, o que representa uma taxa de 2.736 mortes por 1 milhão.


E nos Estados Unidos, 67% da população está vacinada e 1,03 milhão de pessoas morreram do vírus, uma taxa de 3.058 mortes por 1 milhão de pessoas.


Outros problemas com vacinas

Dr. Robert Malone é entrevistado para o programa "American Thought Leaders" da EpochTV em Washington em 30 de agosto de 2021. (The Epoch Times)

Malone apontou um problema com as vacinas de mRNA atuais.


Quando uma vacina é injetada no braço de um paciente, o RNA da vacina, que é um RNA modificado, deve durar apenas algumas horas, mas um estudo da Universidade de Stanford mostra que “o RNA permanece por pelo menos 60 dias”, disse Malone.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!


No entanto, o governo só contabiliza reações e doenças vacinais que são registradas no Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) nas primeiras duas semanas após a vacinação, mesmo que a droga ainda esteja no corpo dois meses depois, disse Malone.


“O RNA da vacina produz mais proteína de pico do que a infecção natural”, disse ele. “Agora, isso faz sentido sobre o por que vemos mais eventos adversos com as vacinas do que com a própria infecção, porque o pico é uma toxina”.


O VAERS foi estabelecido pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças e pela Food and Drug Administration para coletar e analisar dados sobre os efeitos adversos da vacinação.


O sistema depende de indivíduos para enviar relatórios e não se destina a determinar se um problema de saúde relatado foi causado por uma vacina, mas é “especialmente útil para detectar padrões incomuns ou inesperados de notificação de eventos adversos que possam indicar um possível problema de segurança com uma vacina”, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos.


Malone, presidente e cofundador da Aliança Internacional de Médicos e Cientistas Médicos, disse que mais de 17.000 médicos e cientistas assinaram uma declaração afirmando inequivocamente que as vacinas genéticas precisam ser retiradas.


“Essas vacinas genéticas não estão funcionando”, disse ele.


Meiling Lee e Zachary Stieber contribuíram para este relatório.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times. A Epoch Health acolhe discussões profissionais e debates amigáveis. Para enviar um artigo de opinião, siga estas diretrizes e envie através de nosso formulário aqui.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/covid-19-vaccines-hinder-the-immune-system-lead-to-more-severe-illness-dr-robert-malone_4627115.html


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!

21 views0 comments

Related Posts

See All