top of page

As empresas chinesas estão deixando as bolsas de valores dos EUA. Já vão tarde!

- WASHINGTON POST - Josh Rogin - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 31 AGO, 2022 -


Os Estados Unidos e a China fecharam um acordo na semana passada que pode permitir que as empresas chinesas evitem ser expulsas das bolsas de valores dos EUA. As empresas de Wall Street estão se regozijando, mas o resto de nós deve estar se perguntando se ajudar as empresas chinesas a continuar acessando os mercados de capitais dos EUA é uma boa ideia. Tanto para os investidores dos EUA quanto para a segurança nacional dos EUA, a resposta é claramente não.


Não é surpresa que o governo chinês tenha elogiado publicamente seu novo acordo com o Public Company Accounting Oversight Board (PCAOB), uma organização independente sem fins lucrativos financiada pelo governo dos EUA. De acordo com uma lei aprovada pelo Congresso no final de 2020, cerca de 200 empresas chinesas (avaliadas em cerca de US$ 1,3 trilhão) listadas nas bolsas de valores dos EUA podem enfrentar proibições de negociação já em 2024 se o PCAOB não puder certificar que a China está permitindo inspetores dos EUA acesso total e irrestrito às suas auditorias.


O PCAOB realiza inspeções de auditoria em mais de 50 países, mas não consegue realizar inspeções na China ou em Hong Kong há mais de uma década. Expressando otimismo cauteloso, autoridades dos EUA disseram que a primeira inspeção está marcada para Hong Kong no próximo mês.


[“O acesso às auditorias dessas empresas chinesas será tão completo e irrestrito quanto o acesso às equipes da OMS que viajaram para Wuhan para investigar as origens do Covid 19” Victoria W.]


"O verdadeiro teste será se as palavras acordadas no papel se traduzem em acesso completo na prática", disse a presidente do conselho, Erica Williams, na sexta-feira.


As empresas de Wall Street, que estão aumentando seus laços com a China, pressionaram fortemente pelo acordo. Grandes empresas chinesas, como a Alibaba, viram suas ações sofrerem com a possibilidade de fechamento de capital. As ações chinesas subiram após a assinatura do acordo.


No Congresso, há um profundo ceticismo de que Pequim mudará sua longa e bem estabelecida prática de reter a maioria das informações sobre as operações e propriedades de suas empresas. Os legisladores de ambos os partidos realmente querem acelerar o processo de execução, aprovando uma nova lei que permitiria o fechamento de empresas chinesas já no próximo ano.


“Não é hora de dar à China qualquer benefício da dúvida – não quando as economias dos americanos estão em jogo", disse o senador John Neely Kennedy (R-La.), um dos patrocinadores da legislação. Ele disse que a nova lei “permite que a SEC expulse empresas mentirosas de nossas bolsas ainda mais rápido”.


O Congresso parece perceber que Pequim provavelmente está usando o novo acordo para adiar a prestação de contas e levantar mais dinheiro dos investidores americanos antes de eventualmente retirar suas empresas das bolsas americanas em seus próprios termos. Apenas duas semanas antes do acordo, cinco grandes conglomerados estatais saíram voluntariamente das bolsas dos EUA e se mudaram para bolsas na China. Pequim quer fortalecer seus próprios mercados de capitais, onde o Partido Comunista Chinês tem controle total, e usá-los para avançar em seus objetivos estratégicos. Mas por enquanto precisa dos mercados dos EUA.


As empresas de Wall Street argumentam que as empresas chinesas que se mudam para as bolsas chinesas ou de Hong Kong são ruins para os Estados Unidos – mas esse não é o caso. Os Estados Unidos têm os mercados de capitais mais atraentes, em primeiro lugar, precisamente porque aspiram a operar com base na transparência, na prestação de contas e no estado de direito. A falta de transparência das empresas chinesas prejudica a integridade dos mercados dos EUA.


“Os mercados de capitais dos EUA são a inveja do mundo e proporcionam uma vantagem competitiva substancial para aqueles que acessam nossos mercados”, me disse o senador Bill Hagerty (R-Tenn.). “No entanto, as empresas sediadas na China foram autorizadas a jogar por um conjunto diferente de regras.”


Deixando de lado a questão da auditoria, os investidores dos EUA não têm recurso quando o Partido Comunista Chinês decide esmagar aleatoriamente uma grande corporação depois de aceitar bilhões de investidores dos EUA. Os americanos já perderam centenas de bilhões de dólares investidos em empresas chinesas por causa da repressão de Pequim em tecnologia, educação, jogos e outros setores. Além disso, os investidores norte-americanos não têm recurso legal quando se descobre que uma empresa chinesa está cometendo uma fraude.


Mais amplamente, à medida que o Partido Comunista exerce mais influência e controle sobre todas as grandes corporações chinesas, os investidores dos EUA estão cada vez mais financiando empresas que fornecem aos militares chineses e são cúmplices das atrocidades em massa do governo chinês. Por meio de uma política que Pequim chama de “fusão civil-militar”, todas as corporações chinesas estão sendo cooptadas para servir aos objetivos do Estado, não aos interesses dos investidores.


Como a Comissão de Revisão Econômica e de Segurança EUA-China detalhou em seu relatório de 2021, “o controle em evolução do governo chinês sobre o setor corporativo da China obscurece a relação entre atores comerciais e o Estado, tornando as distinções entre empresas 'estatais' e 'não estatais' menos significativas.”


Se Pequim insiste em construir mercados controlados pelo Estado para financiar empresas controladas pelo Estado que buscam objetivos estatais, essa é sua prerrogativa. Mas não há nenhuma boa razão para continuar permitindo que os mercados dos EUA forneçam financiamento para o esquema econômico da China. E é ingênuo pensar que Pequim de repente se tornará aberta e transparente depois de assinar um pedaço de papel.


A estratégia da China, e não a política dos EUA, está levando à dissociação dos dois maiores setores financeiros do mundo. O dever do Congresso e do governo dos EUA é proteger os investidores e a segurança nacional dos EUA, não salvar o relacionamento de Wall Street com Pequim. Se isso significa que todas as empresas chinesas deixam os mercados de capitais dos EUA, que assim seja.


Josh Rogin é colunista da seção de Opiniões Globais do The Washington Post. Ele escreve sobre política externa e segurança nacional. Rogin também é analista político da CNN. Ele é o autor do livro Chaos Under Heaven: Trump, Xi, and the Battle for the 21st Century.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.washingtonpost.com/opinions/2022/08/31/chinese-companies-leaving-us-stock-exchanges/


18 views0 comments

Related Posts

See All
bottom of page