Armamento biotecnológico: militares da China estão se preparando para um 'novo domínio de guerra

- THE EPOCH TIMES - Elsa B. KaniaeWilson Vorndick - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 14 AGO, 2019 -

Uma foto de 2011 do Hospital Geral do Exército de Libertação Popular (sigla em inglês PLA), também conhecido como Hospital 301, uma instituição líder na pesquisa chinesa de edição de genes. FOTO AP/ANDY WONG

Sob a estratégia de fusão civil-militar de Pequim, o PLA está patrocinando pesquisas sobre edição de genes, aprimoramento do desempenho humano e muito mais.


Podemos estar à beira de um admirável mundo novo, de fato. Os avanços atuais em biotecnologia e engenharia genética têm aplicações interessantes na medicina – mas também implicações alarmantes, inclusive para assuntos militares. A estratégia nacional de fusão civil-militar da China destacou a biologia como uma prioridade, e o Exército Popular de Libertação pode estar na vanguarda da expansão e exploração desse conhecimento.


O grande interesse do PLA é refletido em escritos estratégicos e pesquisas que argumentam que os avanços na biologia estão contribuindo para mudar a forma ou o caráter do conflito. Por exemplo:


· Em War for Biological Dominance de 2010, Guo Jiwei, professor da Terceira Universidade Médica Militar, enfatiza o impacto da biologia na guerra futura.

· Em 2015, o então presidente da Academia de Ciências Médicas Militares He Fuchu argumentou que a biotecnologia se tornaria as novas “alturas de comando estratégico” da defesa nacional, de biomateriais a armas de “controle cerebral”. Desde então, o major-general tornou-se vice-presidente da Academia de Ciências Militares, que lidera o empreendimento científico militar da China.

· A biologia está entre os sete "novos domínios da guerra" discutidos em um livro de 2017 de Zhang Shibo, um general aposentado e ex-presidente da Universidade de Defesa Nacional, que conclui: “O desenvolvimento da biotecnologia moderna está gradualmente mostrando fortes sinais característicos de uma ofensiva capacidade”, incluindo a possibilidade de que “ataques genéticos étnicos específicos” possam ser empregados.

· A edição de 2017 da Science of Military Strategy, um livro-texto publicado pela National Defense University do PLA que é considerado relativamente autoritário, estreou uma seção sobre a biologia como um domínio de luta militar, mencionando de forma semelhante o potencial para novos tipos de guerra biológica para incluir “ataques genéticos étnicos específicos”.


Estes são apenas alguns exemplos de uma literatura extensa e em evolução de acadêmicos e cientistas militares chineses que estão explorando novas direções na inovação militar.


Seguindo essas linhas de pensamento, o PLA está buscando aplicações militares para a biologia e procurando interseções promissoras com outras disciplinas, incluindo ciência do cérebro, supercomputação e inteligência artificial. Desde 2016, a Comissão Militar Central financiou projetos sobre ciência do cérebro militar, sistemas biomiméticos avançados, materiais biológicos e biomiméticos, aprimoramento do desempenho humano e biotecnologia de “novo conceito”.


Edição de genes


Enquanto isso, a China lidera o mundo no número de testes da tecnologia de edição de genes CRISPR em humanos. Sabe-se que mais de uma dúzia de ensaios clínicos foram realizados, e algumas dessas atividades provocaram controvérsia global. Não está claro se o cientista chinês He Jiankui pode ter recebido aprovação ou mesmo financiamento do governo para editar embriões que se tornaram os primeiros humanos geneticamente modificados do mundo. A notícia provocou sérias preocupações e reações em todo o mundo e na China, onde uma nova legislação foi introduzida para aumentar a supervisão sobre essas pesquisas. No entanto, há razões para duvidar que a China superará sua história e histórico de atividades que são, na melhor das hipóteses, eticamente questionáveis, ou, na pior, cruéis e incomuns, em saúde e ciências médicas.


Mas é impressionante como muitos dos testes CRISPR da China estão ocorrendo no Hospital Geral do PLA, inclusive para combater o câncer. De fato, as instituições médicas do PLA surgiram como grandes centros de pesquisa em edição de genes e outras novas fronteiras da medicina militar e da biotecnologia. A Academia de Ciências Médicas Militares do PLA, ou AMMS, que a China apresenta como seu “ berço de treinamento para talentos médicos militares”, foi recentemente colocada diretamente sob a alçada da Academia de Ciências Militares, que foi transformada para concentrar-se na inovação científica e tecnológica. Essa mudança pode indicar uma integração mais próxima da ciência médica com a pesquisa militar.


Em 2016, um pesquisador de doutorado da AMMS publicou uma dissertação, “Pesquisa sobre a avaliação da tecnologia de aprimoramento do desempenho humano”, que caracterizou o CRISPR-Cas como uma das três principais tecnologias que podem aumentar a eficácia de combate das tropas. A pesquisa de apoio analisou a eficácia do medicamento Modafinil, que tem aplicações no aprimoramento cognitivo; e na estimulação magnética transcraniana, um tipo de estimulação cerebral, ao mesmo tempo em que defende o “grande potencial” do CRISPR-Cas como uma “tecnologia de dissuasão militar na qual a China deve “agarrar a iniciativa” em desenvolvimento.


IA + Biotecnologia


A intersecção da biotecnologia e inteligência artificial (IA) promete sinergias únicas. A vastidão do genoma humano – entre os maiores de big data – requer IA e aprendizado de máquina para apontar o caminho para avanços relacionados ao CRISPR em terapia ou aprimoramento.


Em 2016, o potencial valor estratégico da informação genética levou o governo chinês a lançar o National Genebank, que pretende se tornar o maior repositório mundial desses dados. O objetivo é “desenvolver e utilizar os valiosos recursos genéticos da China, salvaguardar a segurança nacional em bioinformática e aumentar a capacidade da China de tomar as posições estratégicas de comando” no domínio da biotecnologia.


O esforço é administrado pela BGI, anteriormente conhecida como Beijing Genomics Inc., que é a campeã nacional de fato de Pequim no campo. A BGI estabeleceu uma vantagem no sequenciamento de genes barato, concentrando-se em acumular grandes quantidades de dados de uma gama diversificada de fontes. A empresa tem presença global, incluindo laboratórios na Califórnia e na Austrália.


Os formuladores de políticas dos EUA estão preocupados, se não incomodados, com o acesso da empresa às informações genéticas dos americanos. A BGI vem buscando uma série de parcerias, inclusive com a Universidade da Califórnia e com o Hospital Infantil da Filadélfia no sequenciamento do genoma humano. A pesquisa e as parcerias do BGI em Xinjiang também levantam questões sobre sua ligação com abusos de direitos humanos, incluindo a coleta forçada de informações genéticas de uigures em Xinjiang.


Também parece haver ligações entre a pesquisa da BGI e as atividades de pesquisa militar, particularmente com a Universidade Nacional de Tecnologia de Defesa do PLA. A pesquisa em bioinformática da BGI usou supercomputadores Tianhe para processar informações genéticas para aplicações biomédicas, enquanto os pesquisadores da BGI e da NUDT colaboraram em várias publicações, incluindo o design de ferramentas para o uso do CRISPR.


A fronteira expansiva da biotecnologia


Será cada vez mais importante acompanhar o interesse dos militares chineses na biologia como um domínio emergente da guerra, guiado por estrategistas que falam sobre potenciais “armas genéticas” e a possibilidade de uma “vitória sem sangue”. Embora o uso do CRISPR para editar genes permaneça novo e incipiente, essas ferramentas e técnicas estão avançando rapidamente, e o que está dentro do possível para aplicações militares pode continuar a mudar também. No processo, a falta de transparência e a incerteza das considerações éticas nas iniciativas de pesquisa da China aumentam os riscos de surpresa tecnológica.


ORIGINAL >

https://www.defenseone.com/ideas/2019/08/chinas-military-pursuing-biotech/159167/


11 views0 comments