Arma estratégica da China: ingredientes farmacêuticos

- THE POCH TIMES - MAIO 4, 2021 - William Fang - Tradução César Tonheiro -


Em 22 de abril, os senadores Elizabeth Warren, Tina Smith e Marco Rubio reintroduziram duas normas legais que reduziriam a dependência de nações estrangeiras, especialmente da China, para fornecer os insumos necessários para a fabricação de vários medicamentos. O controle do regime comunista sobre os recursos farmacêuticos na cadeia de manufatura está aumentando e colocando o mundo livre em risco. Isso ocorreu na sequência de como o regime manipulou a pandemia para se adequar à sua agenda política.

Rosemary Gibson, consultora sênior do The Hastings Center, disse em uma audiência de 2019 da Comissão de Avaliação Econômica e de Segurança EUA-China: “Se a China fechasse a porta às exportações de medicamentos e seus principais ingredientes e matérias-primas, os hospitais dos EUA e hospitais e clínicas militares deixariam de funcionar dentro de meses, senão dias. ”


A liderança comunista certamente conhece o poder que detém. Um comentário do Xinhua News, de propriedade do regime, em 4 de março de 2020 afirmou: “Se agora a China retaliar com uma proibição de viagens aos Estados Unidos, um controle estratégico de produtos médicos e uma proibição de exportações prenderão os Estados Unidos no vasto oceano da COVID-19.”


Dependência global da China


De acordo com a audiência de 2019 sobre o papel da China na saúde global e as preocupações com a segurança nacional, econômica e de saúde pública decorrentes da dependência americana de produtos de saúde chineses, 80% dos ingredientes farmacêuticos ativos usados por fontes comerciais para produzir produtos acabados vêm da China e da Índia. No entanto, a audiência também revelou que a Índia depende da China para cerca de 80% de seus ingredientes farmacêuticos ativos.


Yanzhong Huang, membro sênior de saúde global do Conselho de Relações Exteriores, escreveu certa vez: “APIs (ingredientes farmacêuticos ativos) e intermediários químicos da China são de 35 a 40 por cento mais baratos do que os indianos”.


Também foi revelado que a indústria de medicamentos genéricos da China está prosperando à medida que as exportações para os EUA crescem rapidamente. Exemplos de medicamentos genéricos produzidos na China por empresas nacionais e vendidos nos Estados Unidos incluem: antibióticos, antidepressivos, pílulas anticoncepcionais, quimioterapia para tratamento de câncer em crianças e adultos, remédios para Alzheimer, HIV/AIDS, diabetes, Parkinson e epilepsia, para citar alguns.


Por exemplo, os Estados Unidos não podem mais fabricar antibióticos genéricos; e agora, a China é o principal fabricante de antibióticos.


Problemas de qualidade


Li Daokui, um economista da Universidade Tsinghua em Pequim, elogiou na Conferência Consultiva Política Nacional de Pequim em março de 2019: “Embora a sanção sobre os chips realmente tenha restringido a China, mas os sistemas médicos de alguns países desenvolvidos sofrerão com a redução das exportações da China, a maior exportadora do mundo de ingredientes para vitaminas e antibióticos.”


A audiência de 2019 também revelou que há 5.000 a 7.000 empresas registradas no setor farmacêutico da China. A China é a maior fonte global de medicamentos genéricos, ingredientes farmacêuticos e outros produtos para a saúde, incluindo suplementos dietéticos, produtos biológicos e dispositivos médicos.


Em seu depoimento, Gibson enfatizou que em 5 a 10 anos, os EUA praticamente não terão mais capacidade de fabricação de medicamentos genéricos, que representam 90% dos medicamentos americanos. “Estamos perdendo o controle sobre o fornecimento de nossos medicamentos e quando perdemos o controle sobre o fornecimento, perdemos o controle sobre a qualidade.” Um ponto chocante que ela disse foi: “É por isso que temos medicamentos para a pressão arterial com substâncias cancerígenas”.


Talvez os fatos soem um alerta. Na audiência, Gibson disse: “Em 2018, mais de 31.000 militares da ativa, veteranos e seus familiares foram notificados de que podem ter recebido medicamentos para pressão arterial contendo um ingrediente causador de câncer”. Além disso, o fato de o Departamento de Defesa adquirir medicamentos com base no preço, não na qualidade, coloca os americanos em risco em nível nacional.


“Mais de 10% dos medicamentos genéricos testados não atendem aos padrões de qualidade.” Disse Gibson.


Um mercado muito grande para ser ignorado


Huang, por outro lado, explicou que, sob o processo de licitação acirrada, o vencedor leva tudo, as farmacêuticas multinacionais perdem sua participação de mercado na China, mesmo com a garantia da alta qualidade de seus produtos.


Na verdade, como “nenhum dos escândalos de vacinas da China envolveu fabricantes estrangeiros”, como afirmou Huang, os consumidores chineses preferem produtos farmacêuticos importados de alta qualidade.


A China emergiu como o segundo maior mercado farmacêutico do mundo em receita, atrás apenas dos Estados Unidos. No entanto, as empresas de saúde e biotecnologia dos Estados Unidos continuam a enfrentar barreiras regulatórias e outras barreiras de mercado que limitam sua capacidade de vender na China e competir com as empresas chinesas, conforme afirmou o co-presidente Michael Wessel.


Na recomendação de política, Huang manifestou: “Devemos transmitir uma mensagem explícita ao lado chinês de que os produtos de saúde não devem ser usados como arma na guerra comercial EUA-China”.


CURIOSO COM AS FOTOS ABAIXO? Acesse a Home Page aqui.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/pharmaceutical-ingredients-a-strategic-weapon-of-chinas-communist-regime_3801520.html


20 views0 comments