Ano do caracol

18/10/2019


- SOUTH CHINA MORNING POST -

Tradução César Tonheiro





Em 2017, o Partido Comunista da China (PCC) formalizou a nova rota da seda — Belt & Road Initiative (BRI), também denominado One Belt, One Road (OBOR) — um projeto deveras ambicioso que abrangeria pelo menos 68 países com um investimento de até US $ 8 trilhões para uma vasta rede de infraestrutura de transporte, energia e telecomunicações ligando a Europa, África e Ásia. Esse montante por si só era questionável, a dúvida era se o governo Chinês poderia suportá-lo, mas o PCC queria mais e aventou que ainda seriam necessários mais US $ 26 trilhões nos projetos de infra-estrutura na Ásia até 2030. (aqui e aqui). Como se vê, Xi Jinping, na ânsia de infligir um revés à supremacia dos EUA para tornar a China a potencia proeminente no cenário mundial, dá ares que calculou mal o momento e subestimou a resiliência do oponente, que conta com a intrepidez de Donald Trump e uma equipe hawkish tremendamente preparada para o embate.


Pelos desdobramentos se pode vislumbrar o que está por vir — confira:


A economia da China deve afundar ainda mais com a guerra comercial dos EUA e a crise da carne de porco — o baixo crescimento é o pior em quase três décadas.













A economia cresceu 6,0% no terceiro trimestre, e os analistas esperam que ela desacelere ainda mais no trimestre final e em 2020, conforme as tarifas aumentam a questão.


A guerra comercial é apenas um dos muitos problemas que a China enfrenta, com a crise da carne de porco e questões de consumo também pesando sobre o crescimento da segunda maior economia do mundo.


Finbarr Bermingham

Kathleen Magramo

18 out, 2019


Os três meses miseráveis da economia chinesa foram limitados pelo menor crescimento registrado na sexta-feira e pela expectativa de que, com as densas nuvens negras no horizonte, as coisas provavelmente piorem.


No terceiro trimestre de 2019, a economia da China cresceu 6,0%, a taxa mais baixa desde que os registros trimestrais começaram 27 anos atrás e pior que o esperado. Isso significa que o crescimento está agora no piso da escala alvo de Pequim entre 6,0 e 6,5 por cento em 2019. A maioria dos analistas espera que ela permaneça dentro da meta para o ano como um todo, mas muitos pensam que a taxa cairá para menos de 6,0% no último trimestre.


"Na verdade, ainda acreditamos que a desaceleração do crescimento real possa ser pior do que os números oficiais", disseram analistas da Nomura, enfatizando o pessimismo que agora é generalizado em relação à segunda maior economia do mundo.


Embora a diferença material em um ponto percentual ou dois do crescimento econômico seja escassa, para Pequim o simbolismo é enorme. Uma economia forte é frequentemente oferecida como justificativa para o governo não democrático do Partido Comunista do povo chinês.


[Piadas e cantigas rítmicas em todo o país culpam categoricamente o Partido Comunista: "Se não erradicarmos a corrupção, o país perecerá; se nós erradicarmos a corrupção, o Partido perecerá"].


Num estágio em que o país luta para conter uma crise da peste suína que está atingindo o bolso dos cidadãos e uma guerra comercial com os Estados Unidos, que está cortando a produção e as exportações das fábricas, o governo está sob pressão para garantir que cumpra o que prometeu.


“Acreditamos que eles ainda estão no caminho certo para atingir o limite inferior da meta de 2019, cerca de 6,1%. O crescimento para 2020 ficará abaixo desse valor, em torno de 5,8%”, disse Carlos Casanova, economista da seguradora Ásia-Pacífico Coface. "A questão permanece: por que a China não está fazendo mais para impulsionar o crescimento?"


A previsão de Casanova está alinhada com a do Fundo Monetário Internacional (FMI), que no início da semana disse que a guerra comercial EUA-China foi o maior risco para a economia global, instando ambas as partes a fazerem um acordo o mais rápido possível. Um acordo pode oferecer algum alívio para os dois lados — especialmente se levar ao adiamento de tarifas sobre o restante dos produtos chineses, que deve entrar em vigor em dezembro.


Essas tarifas, se não forem adiadas, exacerbarão significativamente os problemas econômicos da China. A empresa de pesquisa Oxford Economics disse que o crescimento pode cair para 5,7% em 2020, excluindo o impacto das tarifas de 15 de dezembro, que atingirão bens de consumo chineses como smartphones e televisores pela primeira vez.


"No momento, estamos vendo o impacto das parcelas tarifárias anteriores, que já eram bastante altas e cobriam muitos produtos exportados para os EUA", disse Tommy Wu, economista sênior da Oxford Economics. Se a próxima rodada de tarifas entrar em vigor em dezembro, Wu disse que o crescimento do produto interno bruto (PIB) pode cair para até 5,5% em 2020.


No entanto, a guerra comercial é apenas um dos muitos desafios que a economia da China enfrenta. Os dados de sexta-feira divulgados pelo Bureau Nacional de Estatística em Pequim mostraram que as exportações líquidas agora contribuem menos de um quinto para o crescimento econômico da China, quando eram anteriormente um dos motores que impulsionaram décadas de crescimento econômico de dois dígitos, juntamente com o investimento. Mesmo sem a guerra comercial, disse Casanova, da Coface, a economia da China ainda teria crescido a 6,3% no terceiro trimestre.


Agora, com o consumo contribuindo 60% para o PIB, muitos dos desafios são domésticos. Os números de vendas no varejo divulgados na sexta-feira aceleraram modestamente para 7,8%, ante 7,5% no mês anterior, mas permaneceram abaixo das taxas de crescimento no início do ano e bem abaixo das taxas de dois dígitos dos anos anteriores. As preocupações com a demanda doméstica chinesa já haviam sido confirmadas por uma queda de 8,5% nas importações de setembro, os dados da alfândega chinesa foram exibidos no início desta semana.


Os consumidores também estão sendo atingidos pela epidemia de peste suína africana, que agora chegará a 2020. A produção de carne de porco é responsável por cerca de 1,0% da economia chinesa e a Nomura espera que a produção caia 40% no último trimestre deste ano, após um colapso de 23% (do plantel) no terceiro trimestre devido à doença que assola o rebanho suíno da China.


[Em seu último relatório sobre os negócios de suínos do país, divulgado em 16 de agosto, o Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China afirmou que a quantidade de porcos vivos em julho era 32,2% menor que no mesmo período do ano passado. Enquanto isso, a quantidade de porcas reprodutoras era 31,9% menor]


[A escassez fez com que os preços da carne de porco disparassem . Diferentes cortes de carne de porco foram estimados em mais de US $ 6,89/libra (equivalente a 500 gramas). De acordo com o Banco Mundial , a renda média anual per capita na China era de US $ 18.140 em 2018, ou aproximadamente US $ 49,7 por dia]


Isso, por si só, reduziria uma fração do crescimento econômico final do ano, com o consumidor chinês pagando um preço mais alto pela carne mais popular do país.


"O declínio na oferta de suínos que já ocorreu sugere que, no início do próximo ano, a inflação dos preços da carne suína provavelmente dobrará novamente em relação à alta de 11 anos de setembro, pesando na confiança do consumidor e na renda real", disse Martin Lynge Rasmussen, analista na Capital Economics.


Os números de empregos para setembro, também divulgados na sexta-feira, foram constantes, mas os analistas temem que quanto mais o crescimento econômico diminua, maior o risco de perda de empregos.


"Uma coisa que mais preocupa o governo chinês não é a velocidade do crescimento, mas o emprego", acrescentou Wu, da Oxford Economics. "Se o crescimento do PIB ficar muito lento, será mais difícil manter os níveis de emprego".



Artigo original:

https://www.scmp.com/economy/china-economy/article/3033600/china-economy-set-sink-further-us-trade-war-and-pork-crisis

24 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online