top of page

Amazon censura críticas à China

THE EPOCH TIMES - Anders Corr - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 23 FEV, 2023


A empresa, com sede em Seattle e Arlington, faz muitos negócios com a China, de onde vende grandes quantidades de produtos importados em seus mercados principais dos Estados Unidos, Europa e Japão.


A Amazon está preocupada com autores e editores altamente críticos do Partido Comunista Chinês (PCC).


A empresa, com sede em Seattle e Arlington, faz muitos negócios com a China, de onde vende grandes quantidades de produtos importados em seus mercados principais dos Estados Unidos, Europa e Japão.



De acordo com a EcomCrew, mais de 63% de todos os vendedores terceirizados da Amazon são da China (incluindo Hong Kong). A Amazon obscurece esse fato crucial ao não listar automaticamente o país de origem dos produtos que vende.


Dada a dependência de abastecimento da China, a recente censura da Amazon a uma resenha de livro crítica ao líder chinês Xi Jinping e ao PCCh levanta questões sobre preconceito.


Paul Kenchington, um resenhista da Grã-Bretanha, tentou publicar sua resenha de "Conexão China: Trinta anos dentro e ao redor da tirania do Partido Comunista Chinês" de Benedict Rogers em 6 de fevereiro e foi informado pela Amazon em 9 de fevereiro que foi rejeitado devido a "conteúdo impróprio".


O revisor o reenviou sem seu nome no final — o que ele achou que poderia ser o problema — e a revisão foi novamente rejeitada, desta vez com a ameaça de remover seus privilégios da comunidade.

Benedict Rogers, cofundador e executivo-chefe do grupo de direitos humanos Hong Kong Watch, com sede no Reino Unido, fala no National Press Club em Washington em 15 de julho de 2019. (Lynn Lin/The Epoch Times)

Nenhuma das comunicações com Kenchington, a segunda das quais ele considerou “bastante rude”, especificou o que exatamente a Amazon considerou inapropriado sobre a revisão.


A Amazon não respondeu aos pedidos de informações adicionais de Kenchington ou do Epoch Times.


A crítica censurada afirmava: "O retorno de Xi Jinping à opressão violenta do tipo Mao e ao controle autoritário stalinista é realmente algo que o mundo deveria se sentar e tomar nota."


A Amazon considera isso um “ataque às pessoas das quais você discorda”, que é proibido pelas diretrizes da comunidade?


A Amazon não removeu as críticas aos presidentes dos EUA, Donald Trump ou Joe Biden. Por que o padrão duplo quando se trata de Xi?


A rejeição da revisão é, portanto, uma violação tendenciosa da liberdade de expressão, especialmente devido ao poder de quase monopólio da Amazon sobre o comércio eletrônico em seus principais mercados? Seria necessário que o Congresso levasse o fundador e presidente executivo da Amazon, Jeff Bezos, a um comitê para obter uma resposta decente a uma pergunta simples?


Kenchington escreveu na crítica: “Os capítulos sobre 'Hong Kong', 'Cristianismo Sob Fogo', 'Tibete', 'Genocídio Uigur' e envolvimento chinês na extração forçada de órgãos humanos foram para mim uma revelação chocante que me deixou muito zangado com as políticas chinesas e o sistema político do Partido Comunista Chinês (PCC).

Mais de uma dúzia de pessoas de Hong Kong estão segurando luminárias de LED e velas eletrônicas para exibir as palavras “Prisioneiros políticos livres de HK” no topo da Lion Rock em Hong Kong em 31 de dezembro de 2022. (Hui Tat/The Epoch Times)

A censura foi porque o autor disse que o genocídio o deixou “irritado”?


Qual é a emoção apropriada em resposta ao genocídio? Tristeza? Temor? Nenhum deles sozinho teria ajudado o povo judeu, por exemplo, a se defender do Holocausto.


O primeiro-ministro da Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial, Winston Churchill, tentou manter um temperamento equilibrado e certa vez observou que “um homem é tão grande quanto as coisas que o deixam com raiva” [Churchill estava com raiva — de Hitler e da máquina de guerra nazista — e como esse objeto de sua raiva era grande, fazendo de Churchill um homem “grande” seguindo a lógica de sua citação].


Mas a raiva sem dúvida tem um lugar na defesa do país e dos direitos humanos de forma mais ampla. Churchill estava com raiva de Adolf Hitler, por exemplo, chamando-o de “mau” e comparando-o ao “diabo”.


Aparentemente, as diretrizes da comunidade da Amazon teriam censurado Churchill na época.


No entanto, Churchill usou sua raiva nesse caso com bons resultados, explicando que devemos ser “ferozes” em oposição aos nazistas. Alguém estremece ao imaginar como a história teria mudado para pior se Hitler não tivesse deixado Churchill suficientemente zangado para responder com uma defesa feroz não apenas da Grã-Bretanha, mas de toda a Europa.


Rogers enquadrou a censura da Amazon no contexto das amplas operações de influência do PCC em todo o mundo.


“Se a decisão da Amazon de rejeitar este endosso ao meu livro não foi acidental, isso ilustraria que esta é outra arena onde o PCC instilou medo e ganhou influência”, escreveu ele.


“É um dia triste quando a censura, por medo de perturbar Pequim, chega a negar a uma pessoa na Grã-Bretanha o direito de postar uma resenha de um livro sobre a China.”


O editor canadense do livro, Dean Baxendale, observou que “esta não é a primeira vez que resenhas e/ou descrições de livros são censuradas pela Amazon para não ofender a sensibilidade daqueles que governam a China”.


Ele mencionou outro de seus livros, “Cegueira Deliberada: Como uma rede de Narcos, Magnatas e Senhores do PCC se infiltrou no Ocidente”, de Sam Cooper, cuja descrição ele disse que a Amazon também censurou. “Cegueira Deliberada” cobre ligações entre o PCCh, tráfico de drogas ilegais, jogos de azar, lavagem de dinheiro e políticos canadenses.


Divulgação completa: Meu último livro também foi publicado pela Baxendale’s Optimum Publishing International.


“Em algum momento, Bezos e a Amazon precisarão escolher entre obter mais lucro apoiando o trabalho escravo em Xinjiang ou encontrar coragem para defender a liberdade e a democracia realinhando as cadeias de suprimentos para empresas e nações que defendem uma sólida estrutura ESG.”, continuou Baxendale.


Em contraste com a Amazon, a Waterstones, uma vendedora de livros on-line, permitiu que a crítica de Kenchington permanecesse. Ele terminou com um pensamento sobre a “Conexão China” de Rogers que Bezos deveria levar a sério.

“Este livro não é fácil de ler; na verdade, é uma tarefa difícil, mas OBRIGATÓRIA para quem quer entender a ameaça real que a China representa.”



8 views0 comments
bottom of page