Alinhamento ideológico levando a América em direção ao totalitarismo, alertam especialistas

- THE EPOCH TIMES - 21 Jan, 2021 -

Petr Svab - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -


Preocupações com a relação entre grande tecnologia, grande mídia e grande governo


A formação de um estado totalitário está quase concluída na América, à medida que os atores mais poderosos dos setores público e privado se unem por trás da ideia de que ações para eliminar a dissidência podem ser justificadas, de acordo com vários especialistas em ideologias totalitárias modernas.



Embora muitos tenham alertado sobre a ascensão do fascismo ou do socialismo na “terra dos livres”, as ideias têm sido amplamente vagas ou fragmentadas, com foco em eventos ou atores individuais. Eventos recentes, no entanto, indicam que peças aparentemente desconectadas do quebra-cabeça da opressão estão se encaixando para formar um sistema abrangente, de acordo com Michael Rectenwald, um professor aposentado de artes liberais da Universidade de Nova York.


Mas muitos americanos, ao que parece, foram pegos de surpresa ou nem mesmo estão cientes do regime recém-formado, como a ideia de parlamentares eleitos, burocratas do governo, grandes corporações, grupo de pessoas com grande influência ou poder, vulgo establishment, think tanks e organizações sem fins lucrativos, a velha mídia, e mesmo movimentos aparentemente populares, todos trabalhando em conjunto para algum propósito maligno, parecem absurdos. Uma grande parte do país está em uma conspiração?


A realidade agora emerge de que nenhuma conspiração massiva era de fato necessária — apenas um alinhamento ideológico e alguma coordenação informal, argumenta Rectenwald.

Apesar da falta de uma organização formal abrangente, o regime socialista americano é de fato totalitário, já que a raiz de sua ideologia requer coerção com motivação política, disse ele ao Epoch Times. O poder do regime ainda não é absoluto, mas está se tornando cada vez mais eficaz à medida que corrói os valores, verificações e equilíbrios contra a tirania estabelecidos pelas crenças tradicionais e consagradas na fundação americana.


Os efeitos podem ser vistos em toda a sociedade. Os americanos, independentemente de sua renda, demografia ou estatura social, estão sendo demitidos de empregos, sendo privados de acesso a serviços básicos, como bancos e mídia social, ou tendo seus negócios paralisados por expressarem opiniões políticas e pertencerem a uma determinada subclasse política. O acesso a fontes de informação não sancionadas pelo regime está se tornando cada vez mais difícil. Algumas figuras de poder e influência estão esboçando a próxima etapa, rotulando grandes segmentos da sociedade como "extremistas" e terroristas em potencial que precisam ser "desprogramados".


Embora o início do regime pareça estar ligado aos eventos dos últimos anos — a presidência de Donald Trump, a pandemia do vírus PCC (Partido Comunista Chinês), a intrusão do Capitólio em 6 de janeiro — suas raízes remontam a décadas.


É realmente totalitário?


Os regimes totalitários são comumente entendidos como constituindo um governo chefiado por um ditador que rege a economia, censura a mídia e reprime a dissidência pela força. Esse não é o caso na América, mas também é um mal-entendido de como esses regimes funcionam, indica a literatura sobre totalitarismo.


Para reivindicar o poder, os regimes não precisam inicialmente controlar todos os aspectos da sociedade por meio do governo.


Adolf Hitler, líder do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores na Alemanha nazista, usou vários meios para controlar a economia, incluindo obter a concordância dos líderes da indústria voluntariamente, por meio de intimidação ou por meio da substituição dos executivos por partidários leais.


Da mesma forma, o regime que surge na América depende de executivos corporativos para implementar sua agenda voluntariamente, mas também por meio da intimidação de brigadas online de ativistas e jornalistas que tomam a iniciativa de lançar campanhas de relações públicas negativas e boicotes para progredir em sua estrutura social preferida.


Além disso, Hitler inicialmente não controlava a disseminação de informações por meio da censura do governo, mas sim por meio de suas brigadas de bandidos de rua, os “camisas marrons”, que intimidavam e impediam fisicamente seus oponentes de falar publicamente.

A tática é paralela aos esforços frequentemente bem-sucedidos de “anular” e “suprimir” oradores públicos por ativistas e atores violentos, como a Antifa.


A mídia dissidente na América ainda não foi silenciada diretamente pelo governo. Mas eles são bloqueados de outras maneiras.


Na era digital, a mídia depende amplamente de alcançar e aumentar seu público por meio de mídias sociais e mecanismos de pesquisa na web, dominados pelo Facebook e Google. Ambas as empresas dispõem de mecanismos para reprimir a mídia dissidente.


O Google dá preferência em seus resultados de pesquisa a fontes que considera “oficiais”. Os resultados da pesquisa indicam que a empresa tende a considerar a mídia ideologicamente próxima a ela como sendo mais confiável. Essa mídia pode, então, produzir peças de sucesso sobre seus concorrentes, dando ao Google a justificativa para reduzir a “autoridade” dos dissidentes.


O Facebook emprega verificadores de fatos terceirizados que têm o arbítrio de rotular o conteúdo como “falso” e, assim, reduzir o público em sua plataforma. Praticamente todos os verificadores de fatos focados em conteúdo americano estão ideologicamente alinhados com o Facebook.


As tentativas de configurar mídias sociais alternativas encontraram obstáculos ainda mais fundamentais, conforme demonstrado pelo Parler, cujo aplicativo móvel foi encerrado pelo Google e pela Apple, enquanto a empresa foi expulsa dos servidores da Amazon.


Na medida em que um regime totalitário exige um estado policialesco, não existe nenhuma lei na América que vise explicitamente aos dissidentes. Mas existem sinais preocupantes de uma aplicação seletiva e politicamente motivada. Os sinais remontam ao fato de que o Serviço da Receita Federal dos EUA ter como alvo os grupos do Tea Party ou diferente tratamento ao ex-conselheiro do Trump, tenente-general Michael Flynn e o ex-vice-diretor do FBI Andrew McCabe — ambos supostamente mentindo para os investigadores, mas apenas um foi processado. A situação pode piorar ainda mais à medida que as restrições ligadas ao vírus PCC vêem amplas faixas de comportamento humano comum sendo consideradas “ilegais”, abrindo a porta para alvos políticos quase universais.


“Acho que o meio pelo qual um estado policialesco está sendo estabelecido é a demonização dos apoiadores de Trump e o provável uso de passaportes médicos para instituir o equivalente efetivo de contagens de crédito social”, disse Rectenwald.


Embora a lealdade ao governo e a um partido político específico desempenhe um papel importante, é a lealdade à raiz ideológica do totalitarismo que lhe provê seus soldados rasos, indica a literatura sobre o assunto.


Ideologia totalitária


O elemento “que mantém o totalitarismo unido como um composto de elementos intelectuais” é a ambição de fundamentalmente reimaginar a sociedade - “a intenção de criar um 'Novo Homem'”, explicou o autor Richard Shorten em “Modernism and Totalitarism: Rethinking the Intellectual Sources of Nazism and Stalinism, 1945 to the Present.”


Várias ideologias enquadraram a ambição de maneira diferente, com base no que postularam como a chave para a transformação.


Karl Marx, co-autor do Manifesto Comunista, via o controle da economia como primário, descrevendo o socialismo como “o homem socializado, os produtores associados, regulando racionalmente seu intercâmbio com a Natureza, trazendo-o sob seu controle comum, em vez de ser governado por ela como pelas forças cegas da Natureza", em seu livro Das Kapital.


Adolf Hitler, líder do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores na Alemanha nazista, via a raça como prioridade. As pessoas se tornariam “socializadas” — isso é transformado e aperfeiçoado — removendo judeus e outras raças supostamente “inferiores” da sociedade, afirmou ele.


A mais dominante entre as ideologias atuais origina-se das chamadas “teorias críticas”, em que a sociedade aperfeiçoada é definida por “equidade”, o que significa eliminação de diferenças de resultados para pessoas em categorias demográficas consideradas historicamente marginalizadas. O objetivo deve ser alcançado eliminando a sempre presente “supremacia branca”, como os ideólogos a definam atualmente.


Embora tais ideologias comumente prescrevam o coletivismo, clamando por unificação nacional ou mesmo internacional por trás de sua agenda, elas são elitistas e ditatoriais na prática, pois descobrem que a humanidade nunca “acordou” o suficiente para seguir sua agenda voluntariamente.


Nas profecias de Marx, a revolução deveria ocorrer espontaneamente. Ainda assim, nunca o fez, levando Vladimir Lenin, o primeiro chefe da União Soviética, a concluir que a revolução finalmente precisará de liderança.


“A ideia é que você tem algum partido esclarecido ... que entende o problema do proletariado melhor do que o proletariado e vai conduzi-los através da revolução que eles precisam ter para um bem maior”, explicou James Lindsay, autor de “Teorias cínicas: como a bolsa de estudos ativista fez tudo sobre raça, gênero e identidade — e por que isso prejudica a todos.”


Elementos dessa base intelectual podem ser encontrados nas ideologias de muitas forças políticas atuais, desde neonazistas, anarco-comunistas e até progressistas e, em certa medida, até mesmo neoliberais e neoconservadores, reconheceu Lindsay.


“É por isso que você vê tantas pessoas hoje dizendo que as únicas respostas possíveis são um retorno total ao liberalismo clássico ou uma rejeição completa do liberalismo, inteiramente disposto a criar o progressismo, o neoliberalismo, etc.”, disse ele.


Isso não quer dizer que essas ideologias estejam defendendo abertamente o totalitarismo, mas sim que inevitavelmente levam a ele.


O roteiro pode ser resumido da seguinte forma:


1. Há algo fundamental e intoleravelmente errado com a realidade atual

2. Há um plano para consertá-lo, exigindo adesão de toda a sociedade

3. Pessoas que se opõem ao plano precisam ser educadas sobre o plano para que o aceitem

4. Pessoas que resistem à persuasão precisam ser reeducadas, mesmo contra sua vontade

5. Pessoas que não vão aceitar o plano não importa, precisam ser retiradas da sociedade.


“Acho que essa é a ideia geral”, disse Lindsay. “Podemos fazer o mundo do jeito que queremos se todos nós apenas entrarmos na mesma página e no mesmo projeto. Francamente, é um desastre.”


Os pontos quatro e cinco agora parecem estar em andamento.


O ex-executivo do Facebook, Alex Stamos, recentemente rotulou o questionamento generalizado dos resultados das eleições de 2020 como "extremismo violento", que as empresas de mídia social deveriam erradicar da mesma forma que combateram o conteúdo de recrutamento online do grupo terrorista ISIS.


A “questão central”, disse ele, é que “demos muita margem de manobra, tanto na mídia tradicional quanto na mídia social, para que as pessoas tenham uma gama muito ampla de pontos de vista políticos” e isso levou ao surgimento de meios alternativos "cada vez mais radicais" como OAN e Newsmax.


Stamos então refletiu sobre como reformar os americanos que se sintonizaram com os dissidentes.


“Como você traz essas pessoas de volta à corrente principal da reportagem baseada em fatos e tenta colocar todos nós de volta na mesma realidade consensual?” ele questionou em uma entrevista à CNN.


“E você pode? Isso é possível?" O apresentador da CNN, Brian Stelter, indagou.


A lógica é a seguinte: Trump afirmou que a eleição foi roubada por meio de fraude e outras ilegalidades. Isso não foi provado em tribunal e, portanto, é falso. As pessoas que invadiram o Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro e conseguiram invadir e atrapalhar a contagem dos votos eleitorais o fizeram porque acreditaram que a eleição foi roubada. Portanto, qualquer pessoa que questione a legitimidade dos resultados das eleições é um extremista e potencialmente um terrorista.


Com dezenas de milhares de soldados reunidos para guardar a posse do presidente eleito Joe Biden, o deputado Steve Cohen (D-Tenn.) disse recentemente à CNN que todos os membros da guarda que votaram em Trump pertencem a um "grupo suspeito" que "pode querer fazer algo”, aludindo a líderes anteriores de outros países que foram “mortos por seu próprio povo”.


O ex-diretor do FBI James Comey disse recentemente que o Partido Republicano precisa ser "destruído ou mudado".


“Eles querem um estado de partido único”, comentou o cineasta conservador Dinesh D'Souza em um podcast recente. “Isso não quer dizer que eles não queiram oposição. Eles querem uma oposição simbólica. Eles querem que os republicanos possam dizer que tipo de republicano é adequado”.


Assim como Marx atribuiu os males do mundo aos capitalistas e Hitler aos judeus, o regime atual tende a culpar várias permutações da "supremacia branca".


“Expulse os membros republicanos do Congresso que incitaram a tentativa de golpe da supremacia branca”, disse a deputada Cori Bush (D-Mo.) em um tweet recente, obtendo cerca de 300.000 curtidas.


Ela estava se referindo aos legisladores republicanos que levantaram objeções em 6 de janeiro aos resultados das eleições no Arizona e na Pensilvânia. Suas objeções foram rejeitadas.


“As agências de espionagem dos EUA podem parar o terror branco?” Jeff Stein do Daily Beast perguntou em uma manchete recente, concluindo que uma chamada para a "polícia secreta" para farejar americanos "extremistas" "pode muito bem receber atenção renovada".


Sob o regime, as alegações de fraude eleitoral — questionando de fato a legitimidade do líder — tornaram-se um incitamento ao terrorismo. O YouTube (propriedade do Google), o Facebook e o Twitter baniram o conteúdo que afirma que a eleição foi fraudada ou estão colocando tarjas de advertência. O executivo-chefe do Twitter, Jack Dorsey, disse recentemente que banir a conta do presidente era apenas o começo.


A abordagem reflete de perto a do regime comunista chinês, que comumente visa dissidentes por "subverter" o estado ou "espalhar boatos".


Qual é a alternativa?


Se os apelos para reorganizar radicalmente o mundo são inerentemente totalitários, como o mundo pode evitá-los? A pergunta parece ser sua própria resposta. Se o totalitarismo requer inerentemente lealdade a sua ideologia, ele não pode existir em uma sociedade sem tal lealdade.


Os Estados Unidos foram fundados na ideia de que os direitos individuais são dados por Deus e inalienáveis. A ideia, enraizada nas crenças tradicionais de que a moralidade humana é de origem divina, é um baluarte contra qualquer tentativa de atacar os direitos das pessoas, mesmo para o seu próprio bem.


“Se você não acredita em um Deus real, suplique um ideal de Deus sobre o assunto ... Temos que suplicar a algum árbitro que esteja acima e além de nossos próprios conceitos e preconceitos para garantir esse tipo de direito. (…) Porque, de outra forma, você tem essa situação infinitamente suscetível em que pessoas com poder e potencial meios coercitivos podem suprimir e determinar a eliminação de direitos ao livre arbítrio”, disse Rectenwald.


Follow Petr on Twitter: @petrsvab


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/one-party-rule-ideological-nexus-of-big-tech-big-media-big-government-is-totalitarianism-experts-say_3664663.html

13 views0 comments

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online