Algum desses países pode substituir a China como a fábrica do mundo?

THE EPOCH TIMES - John Mac Ghlionn - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 17 OUT, 2022


A China está perdendo sua influência; está em declínio. Ao mesmo tempo, porém, a China, governada por um regime despótico, é responsável por 28,7% da produção industrial global (mais de 10% à frente de seu rival número 1, os Estados Unidos). Essa total dependência da China para a fabricação deve ser interrompida. Enquanto escrevo isso, três países estão trabalhando para desviar clientes da China. Será que seus esforços serão bem-sucedidos?

Funcionários da BMW são fotografados trabalhando em um processo de montagem de carros BMW em uma visita guiada durante a inauguração da nova fábrica de produção de carros BMW em San Luis Potosi, México, em 6 de junho de 2019. (Alfredo Estrella/AFP via Getty Images)

Falo por experiência quando digo o seguinte: a China comunista não é um lugar divertido para se viver. Além disso, com seus frequentes cortes de energia e a obsessão do Partido Comunista Chinês (PCC) com políticas “COVID-zero”, não é um lugar divertido para fazer negócios, também. Tal obsessão com a erradicação de uma doença endêmica limítrofe não conduz a uma sociedade saudável; na verdade, beira o patológico.



A cegueira total do PCC não passa despercebida em grandes empresas como Apple, Google e Samsung. Os três gigantes da tecnologia estão transferindo mais de suas operações para o Vietnã , lar da economia que mais cresce na Ásia e uma das economias de mais rápido crescimento do mundo.

Trabalhadores de uma fábrica de roupas estão fazendo ternos masculinos em uma fábrica em Hanói, Vietnã, em 24 de maio de 2019. (Manan Vatsyayana/AFP via Getty Images)

O Vietnã parece oferecer um ambiente consideravelmente mais favorável para grandes empresas fartas dos constantes bloqueios e interrupções na produção da China.


Como o autor Govi Snell relatou recentemente, devido à sua mão de obra barata e proximidade com a China, o Vietnã está atraindo um número crescente de empresas de renome. Greg Poling, diretor do programa do Sudeste Asiático no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), disse a Snell que muitas dessas empresas não veem mais futuro na China. Entre a guerra comercial com os Estados Unidos, o aumento dos custos trabalhistas e o fracasso completo das cadeias de suprimentos durante o COVID, disse Poling, a política “COVID-zero” do PCC deve ser vista como a palha que quebrou as costas do camelo.


A perda da China é o ganho do Vietnã. Veja a Foxconn, por exemplo, uma fabricante de smartphones para a Apple com sede em Taiwan. A empresa assinou recentemente um contrato de US$ 300 milhões com a Kinh Bac City, uma corporação vietnamita, para expandir suas instalações em Hanói, cidade localizada no norte do país.


A mudança pode ser monumental, considerando que a Foxconn – uma empresa que fez grande parte de seus negócios na China – está explorando a possibilidade de entrar no mundo da fabricação de semicondutores.


A Apple anunciou recentemente planos de transferir mais de sua produção da China para a Índia. Curiosamente, a Foxconn está atualmente fabricando o mais recente telefone da Apple, o iPhone14, em sua fábrica em Chennai, localizada no leste da Índia. Como o Vietnã, a Índia abriga uma economia em rápida expansão. Definido para se tornar o país mais populoso do mundo muito em breve, a Índia tem aspirações de se tornar um centro de fabricação mundial até o final da década. Tais aspirações parecem estar enraizadas na realidade. No ano passado, a Índia ficou em segundo lugar no Global Manufacturing Index, superando os Estados Unidos.

Um logotipo da Foxconn em um prédio no distrito de Tucheng, New Taipei City, Taiwan, em 6 de maio de 2022. (Sam Yeh/AFP via Getty Images)

Outro país com sonhos de se tornar um centro de produção de significado genuíno é o México. Em julho, o autor Jeremy Bliss perguntou, um tanto retoricamente, por que o México? Ele então expôs várias razões pelas quais as empresas, especialmente aquelas sediadas nos Estados Unidos, deveriam considerar seriamente a mudança de suas operações para o México.


Além de sua “localização ideal ao longo da fronteira sul dos EUA”, escreveu ele, o México oferece “acesso conveniente à América do Norte, bem como às rotas comerciais do Atlântico e do Pacífico”. De fato, ele tem tais vantagens. Além disso, ao comparar o custo de mão de obra e taxas de transporte do México com outros polos industriais, a nação norte-americana oferece um ambiente muito favorável. Por essas razões, observou Bliss, “o México pode conectar empresas a mais de um bilhão de consumidores e 60% do PIB mundial”. Isso explica por que tantas empresas – incluindo BMW, Nissan, Honda, Audi, Daimler, Mazda e Toyota – mudaram grande parte de suas operações para o México ou estão construindo novas fábricas de montagem lá.


Você, sem dúvida, notou que todas essas sete empresas são montadoras estrangeiras. Elas são atraídas para o México por causa da força de trabalho altamente qualificada do país, baixos custos de energia e acordos de livre comércio. O programa IMMEX, que entrou em vigor em 2006, permite que empresas estrangeiras realizem operações completas no México com estruturas de baixa tributação e custos trabalhistas significativamente reduzidos.


Isso nos traz de volta ao título deste pequeno artigo, algum desses países pode substituir a China como fábrica do mundo? Para muitos, a questão parece totalmente ridícula. Mas realmente não deveria. Se um número suficiente de empresas se afastar da China e direcionar seus negócios para outro lugar, o mundo poderá gradualmente se tornar menos dependente da China. Isso não será fácil e levará algum tempo, mas pode ser feito.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


John Mac Ghlionn é pesquisador e ensaísta. Ele cobre psicologia e relações sociais, e tem um grande interesse em disfunção social e manipulação de mídia. Seu trabalho foi publicado pelo New York Post, The Sydney Morning Herald, Newsweek, National Review e The Spectator US, entre outros.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/can-any-of-these-countries-replace-china-as-the-factory-of-the-world_4798306.html


12 views0 comments