Alemanha: Covid-19 Desencadeia Nova Onda de Antissemitismo

- THE GATESTONE INSTITUTE - 15 Mar, 2021 -

Soeren Kern - TRADUÇÃO: Joseph Skilnik

Alguns manifestantes banalizavam o Holocausto ao se colocarem no mesmo patamar dos judeus perseguidos pelo regime nazista e ao se referirem a si próprios como combatentes da resistência que se opõem a um governo hipoteticamente não democrático. Entre os manifestantes também havia aqueles que alegavam que as quarentenas impostas pelo governo eram idênticas aos campos de prisioneiros da era nazista Foto: um manifestante com um cartaz comparando a Lei de Proteção ao Cidadão do governo da Chanceler Angela Merkel ao Decreto para a Proteção do Povo e do Estado de 1933 de Adolf Hitler, enquanto a polícia dispersa uma manifestação contra as medidas destinadas a limitar a disseminação do coronavírus, em 18 de novembro de 2020 em Berlim. (Foto: Tobias Schwarz/AFP via Getty Images)
  • A polícia alemã reportou um total de 2.275 crimes de ódio antissemita, seis por dia em média em 2020, de acordo com dados preliminares fornecidos pelo governo federal. Este número representa um aumento de mais de 10% em relação ao mesmo período do ano anterior no número de crimes antissemitas, o que por si só já foi um recorde para esse tipo de crime... A polícia conseguiu identificar 1.367 suspeitos, no entanto somente cinco pessoas foram presas.

  • Ainda não está claro porque um número infinitesimal de criminosos pagou pelos seus crimes, acima de tudo quando funcionários do governo afirmam reiteradamente que combater o antissemitismo é prioridade máxima. Uma razão talvez seja por ser politicamente incorreto identificar os verdadeiros suspeitos.

  • A polícia alemã, provavelmente atuando segundo as ordens das autoridades políticas, sistematicamente atribui os crimes de ódio antissemita não resolvidos à extrema direita.

  • "Por que a maioria dos ataques antissemitas são atribuídos aos alemães de 'direita'? Dá para desconfiar de motivação política por trás disso, o recrudescimento do antissemitismo pode ser usado politicamente como arma 'contra a direita'." — Tichys Einblick.

  • "Há muito tempo que ocorrem críticas de especialistas de que a atribuição da vasta maioria dos casos de antissemitismo a extremistas de direita é incorreta e que a outros grupos de marginais, como por exemplo, nos círculos islamistas e muçulmanos, é dada pequeníssima atenção." — Die Welt.

  • "Mesmo hoje, o antissemitismo não é apenas um fenômeno existente nos rincões da extrema-direita. Ele marca presença no coração da nossa sociedade." — Heiko Mass, Ministro das Relações Exteriores da Alemanha.


Um sem-número de crimes de ódio antissemita atingiu o auge de duas décadas em 2020 na Alemanha, de acordo com novas estatísticas divulgadas pelo governo alemão. O antissemitismo na Alemanha vem aumentando gradativamente nos últimos anos, alimentado em parte por ativistas anti-Israel de extrema esquerda e pela migração em massa do mundo muçulmano. Agora o problema está sendo exacerbado pela pandemia do Coronavírus, que os teóricos da conspiração de extrema direita estão culpando os judeus e Israel.


A polícia alemã reportou um total de 2.275 crimes de ódio antissemita, seis por dia em média em 2020, de acordo com dados preliminares fornecidos pelo governo federal. Este número representa um aumento de mais de 10% em relação ao mesmo período do ano passado no número de crimes antissemitas, o que por si só já foi um recorde para esse tipo de crime. Os dados oficiais representam apenas e tão somente os crimes com registros de boletim de ocorrência, o número verdadeiro de incidentes é provavelmente muito mais alto.


Os novos dados, publicados em 11 de fevereiro pelo jornal Tagesspiegel, mostram que a polícia conseguiu identificar 1.367 suspeitos, no entanto somente cinco pessoas foram presas. As estatísticas também mostram que 55 (cerca de 2,5%) dos crimes envolveram violência. Isto sugere que a maioria dos demais incidentes envolveram discurso de ódio antissemita na Internet, danos à propriedade ou crimes de propaganda, como pichações antissemitas.

O número de crimes antissemitas registrados em 2020 foi o maior desde que a Polícia Federal Criminal (Bundeskriminalamt, BKA) introduziu o assim chamado sistema de gravação para Crimes de Motivação Política (Politisch motivierte Kriminalität, PMK) em 2001.


Identificando os Criminosos


Ainda não está claro porque um número infinitesimal de criminosos pagou pelos seus crimes, acima de tudo quando funcionários do governo afirmam reiteradamente que combater o antissemitismo é prioridade máxima. Uma razão talvez seja por ser politicamente incorreto identificar os verdadeiros suspeitos.



LEIA MAIS:

https://pt.gatestoneinstitute.org/17174/alemanha-covid19-antissemitismo


13 views0 comments