Alan Tonelson comenta sobre "America First"

26/12/2019


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro



Especialista em política 'America First' elogia Trump sobre comércio, pede mais ação sobre política industrial e China

26 de dezembro de 2019 por Tom Ozimek


Um especialista em política econômica da “America First” elogiou o histórico do presidente Donald Trump no comércio e na economia doméstica, enquanto pedia mais ações para nutrir a indústria americana e protegê-la da principal rival mercantilista China.


Alan Tonelson, que fundou o blog de políticas públicas RealityChek , disse ao Epoch Times que as políticas econômicas internacionais de Trump cumpriram a promessa de conter o declínio da manufatura americana.


“Certamente acho que houve uma repugnância neste país que não teria ocorrido sem as chamadas 'guerras comerciais de Trump'. E, pelo menos, o mais importante, elas parecem ter provocado a continuação do offshoring” [deslocação industrial], disse Tonelson.


"Parece haver cada vez mais empresas que relutam em enviar a produção para o exterior por medo de serem prejudicadas pelas tarifas americanas em algum momento no futuro", acrescentou. "Ou eles simplesmente não querem entrar na mira do presidente Trump."


Enquanto elogiava as políticas da administração sobre comércio em geral, o especialista em políticas pediu medidas mais ousadas para alimentar as indústrias americanas.


"Embora eu tenha ficado muito satisfeito, geralmente, com o desempenho de Trump no comércio, acho que há muito mais a fazer sobre o que as pessoas chamariam de frente da política industrial".


Tonelson defendeu um papel federal ampliado no desenvolvimento de tecnologias, particularmente aquelas de importância estratégica para os Estados Unidos. Ele disse que gostaria de ver a Casa Branca tomar medidas mais ousadas para romper a relutância dos parlamentares republicanos "de se afastar de sua forte resistência ideológica à idéia de que o governo pode fazer qualquer coisa certa, exceto possivelmente a defesa nacional".


Apesar dos sucessos que a manufatura americana teve antes de Trump, ela ainda gera quase dois terços de todo o financiamento para pesquisa e desenvolvimento gasto anualmente pelo setor privado dos EUA.


"Então, se você deseja que os EUA continuem sendo uma economia de alta tecnologia, é muito difícil ver como isso acontece ou como continua, a menos que você mantenha uma forte base de fabricação doméstica", disse Tonelson.


Os "America Firsters" acrescentaram que desejavam ver um mecanismo que condicionaria os cortes nos impostos corporativos de Trump sobre o investimento de capital nos Estados Unidos, observando que as empresas usaram grande parte da redução de impostos para recompras de ações, o que "não aumenta ou fortalece base produtiva da economia americana”.


Tonelson disse que a política comercial de Trump foi impulsionada pela noção de que, a menos que os EUA aproveitem a oportunidade histórica de desafiar a China por práticas comerciais desleais, como roubo de tecnologia, a luta para salvar a manufatura americana poderá ser perdida.


“Se você ainda está em uma posição em que está permitindo que seus principais rivais comerciais subsistam da existência de seus principais setores, ou rouba sua propriedade intelectual por muito tempo, ou extorque essa propriedade intelectual assim que suas empresas começarem a se expandir no exterior, você provavelmente não chegará a lugar algum rapidamente”, disse Tonelson.


'America First' Versus 'Made In China 2025'


Tonelson disse que as ações hostis do Partido Comunista Chinês na arena econômica — incluindo ataques cibernéticos e roubo de propriedade intelectual — representam a "ameaça número um" à prosperidade e segurança americanas.


“Certamente, estou preocupado que uma China — pelo menos sob o tipo de regime que a governa desde 1949, esse tipo de China — conquistando a liderança tecnológica global possa colocar em risco muito a segurança e a prosperidade americanas simplesmente por meio de todas as várias ferramentas de cyber guerra que foi desenvolvida recentemente e que certamente continuará sendo incrementada”, afirmou. "Os chineses não demonstraram relutância em fazer guerra nesse sentido", acrescentou.


Especialistas em políticas argumentam que, por meio de sua política “Made In China 2025”, que visa o domínio global em 10 principais verticais tecnológicos, incluindo robótica e inteligência artificial, o regime chinês procura deslocar os Estados Unidos como a principal superpotência do mundo e prejudicar seus interesses.


"Os objetivos do plano não são apenas colocar a China no topo da cadeia de pesquisa e fabricação de suprimentos tecnológicos, mas, ao fazê-lo, destruir os concorrentes ocidentais", disse James Gorrie, colaborador do Epoch Times.


"Na sua essência, a economia chinesa se baseia em trapaça, roubo e horrorosa violência”, disse Gorrie. “De 1949 a 1979, a economia da China foi baseada no estado que roubava os poucos frutos do trabalho do povo chinês — e matava dezenas de milhões deles no processo. Depois que a China convidou empresas ocidentais para fabricar mercadorias lá, a economia da China continuou a roubar de sua própria população, mas expandiu seu escopo de roubo para roubar capital, tecnologia, PI e até fábricas inteiras de empresas ocidentais.


Tonelson apontou que a China não apenas depende da tecnologia roubada dos EUA na tentativa de ocupar o centro do mundo, mas também dos consumidores americanos para comprar os produtos da fabricação chinesa. Isso coloca um problema ético por si só, já que o trabalho na China comunista nem sempre é voluntário e às vezes ocorre com grave violação dos direitos humanos.


Um exemplo é o cerca de um milhão de uigures que foram amplamente relatados como tendo sido encarcerados em um complexo de centros de detenção e instalações de trabalho forçado em Xinjiang. Outra é a perseguição ao movimento espiritual do Falun Gong, alguns dos quais foram torturados até a morte em campos de trabalho que produzem produtos para exportação para os mercados ocidentais. [veja também Laogai System].


Os líderes americanos também reconhecem a ameaça representada pela hostilidade econômica chinesa.


O relatório do ano passado (pdf), concluindo uma investigação do Representante Comercial dos EUA sobre alegações de práticas comerciais desleais da China, descobriu que o regime havia recorrido a táticas como subsídios ilegais que prejudicam empresas americanas, transferências forçadas de tecnologia, intrusões cibernéticas e roubo de propriedade intelectual.


Mais recentemente, em uma audiência no congresso chamada “Espionagem não tradicional da China contra os Estados Unidos: as ameaças e as possíveis respostas políticas”, Chuck Grassley, presidente do Comitê Judiciário, expôs a ameaça comunista.


"No que diz respeito à espionagem, o diretor do FBI [Christopher] Wray disse: 'Não há país que seja nem próximo' da República Popular da China", disse Grassley na audiência de 12 de dezembro. “O general Keith Alexander chamou os ganhos estimados da China de espionagem econômica de até US $ 600 bilhões, 'a maior transferência de riqueza da história'.”


“Acredita-se que a China seja responsável por 50 a 80% do roubo internacional de propriedade intelectual em todo o mundo e mais de 90% da espionagem econômica com habilitação cibernética nos Estados Unidos. Os relatórios emitidos este ano pelo Escritório de Comércio e Manufatura da Casa Branca, o Representante de Comércio dos EUA e ODNI [Escritório do Diretor de Inteligência Nacional] relatam descobertas detalhadas sobre o papel da China como principal ciberataque e ladrão de propriedade intelectual e tecnologia americana.”


Tonelson disse esperar que Trump continue duro com a China.


“Embora ele tenha revertido apenas uma pequena porcentagem das tarifas existentes nos EUA, ele suspendeu sua ameaça de impor tarifas aos US $ 160 bilhões restantes em importações chinesas nos Estados Unidos que estavam isentas de impostos até agora, e eu pensei que era exatamente o momento errado para aliviar os chineses”, disse Tonelson.


Tonelson argumentou que a China agora está mais vulnerável e, portanto, provavelmente pisca primeiro na guerra comercial devido à tremenda alta relação dívida/PIB da China e à dependência de dólares dos mercados de exportação para comprar mercadorias como o petróleo que sustentam o crescimento econômico da China.


"A China não pode compensar o déficit construindo mais estradas e pontes para sempre", disse Tonelson sobre a necessidade de moeda estrangeira da China, acrescentando que a tensão política é outra vulnerabilidade que o regime chinês enfrenta.


"Não apenas considerando os crescentes problemas econômicos que eles estão enfrentando, há também muita pressão política causada pela crise de Hong Kong", disse Tonelson.


A chave é a Indústria de Transformação


"Se estamos falando especificamente sobre manufatura, eu apontaria que historicamente ela é a líder do país em crescimento da produtividade", disse Tonelson. “Se você valoriza o crescimento da produtividade, como deveria, deve estar muito preocupado com o fato de esse setor ter perdido essa liderança. Uma razão é que grande parte de seu elemento mais produtivo foi eliminado da existência ou enviado para o exterior.”


Tonelson escreveu livros sobre livre comércio, globalização e declínio industrial. Em “Rice to the Botton (Corrida para o Fundo): por que um excedente mundial de trabalhadores e um livre comércio descontrolado estão afundando os padrões de vida americanos”, ele argumentou que na época da adesão da China à Organização Mundial do Comércio (OMC) na virada do século, os Estados Unidos entrou em uma “competição global sem vitória” contra países de baixos salários. Ao alavancar os fracos direitos dos trabalhadores e os baixos padrões de segurança no local de trabalho, países como Índia e México — mas especialmente a China — conquistaram investimentos do Ocidente, causando a queda dos salários e dos padrões trabalhistas em todo o mundo.


Ele também argumentou que a competição de baixos salários atingiu muitos dos setores de maior salário dos Estados Unidos, como aeroespacial e software, acrescentando que o impacto negativo sobre a manufatura dos EUA não foi o resultado de forças de livre mercado com vantagens comparativas, onde os países se especializam naturalmente na produção de certos bens e produtos.


"Eu diria que relativamente pouco dessa vantagem comparativa foi resultado do livre exercício das forças do mercado", disse Tonelson. “Foi criado e distorcido continuamente por governos estrangeiros. Portanto, se você realmente acredita que o capitalismo de livre mercado é o caminho a percorrer e que o capitalismo de livre mercado é a melhor aposta para o mundo inteiro maximizar a prosperidade, a eficiência, o progresso tecnológico e assim por diante, então você deve estar muito preocupado com o subsídio das principais indústrias que é tão predominante em todos os lugares.”


“Os críticos da política comercial, especialmente do perfil America First, ficaram muito preocupados, durante os anos anteriores a Trump, que o então fracasso dos presidentes e congressos dos EUA em recuar adequadamente contra a pilhagem comercial — não apenas pela China, mas pelo Japão, Alemanha e praticamente todas as outras economias nacionais em que você poderia pensar — ameaçavam genuinamente transformar a manufatura doméstica americana no que você poderia chamar de cidadão global de segunda classe”, disse Tonelson.


Ele acrescentou que os "America Firsters" nunca estavam convencidos de que os Estados Unidos pudessem manter níveis satisfatórios de prosperidade, segurança nacional e soberania sem uma base industrial forte.


Enquanto Tonelson elogiou as políticas comerciais de Trump, argumentando que "vimos alguns sinais de algumas dessas tendências prejudiciais se revertendo", ele reconheceu que o progresso "certamente não chegou tão rápido quanto eu gostaria de ver". Tonelson culpou a reversão mais lenta do que o esperado do declínio da manufatura dos EUA pela necessidade de Trump garantir o apoio republicano diante das ameaças à sua presidência.


"Na defesa de Trump, ele ficou paralisado durante seus primeiros dois anos no cargo por sua clara conclusão de que não podia reverter a ortodoxia republicana, muitas vezes porque precisava do apoio republicano para impedir o impeachment", disse Tonelson. "Você pode dizer que ele ainda enfrenta essa ameaça, mas sua posição nas fileiras republicanas populares é tão forte agora, que ele não precisa se preocupar tanto."


O que é o nacionalismo econômico 'America First'?


Tonelson, que leciona amplamente sobre comércio americano e políticas econômicas mais amplas há 30 anos, disse ao Epoch Times que, em seu núcleo, a escola de nacionalismo econômico “America First” prioriza garantir a riqueza e a segurança dos EUA antes de tentar gerenciar assuntos globais.


"A idéia principal é melhorar a segurança, a prosperidade, a competitividade econômica e a independência política dos EUA, capitalizando a capacidade única deste país de prosperar independentemente das condições globais", explicou.


A escola de pensamento nacionalista econômico foi a abordagem dominante dos EUA à política econômica externa nos primeiros 60% da história do país, em meados da década de 1930.


"Foi substituído, começando por Pearl Harbor, pelo que hoje é chamado de 'globalismo' e o que nos dias anteriores a Trump costumava ser chamado de 'internacionalismo'", disse Tonelson.


Ele acrescentou que o que substituiu o nacionalismo econômico foi a idéia de que os Estados Unidos só poderiam alcançar níveis adequados de segurança, prosperidade e independência, promovendo grandes melhorias na economia global e nas condições de segurança global.


Tonelson disse que os "America Firsters" tentam mudar a noção da idéia de que os Estados Unidos deveriam se sacrificar economicamente e se expor a ameaças como um ataque nuclear, em um esforço para direcionar as condições globais em uma determinada direção, e que os EUA deveriam, em vez disso, se concentrar em gerenciar suas circunstâncias domésticas, sobre as quais tem muito mais controle.


“Certamente nos opomos fortemente ao que tem sido a prática internacionalista clara há décadas antes de Trump de sacrificar regularmente grandes porções da base econômica do país para manter relações de aliança suaves, para manter essa ordem econômica global. De fato, vemos que a abordagem globalista/internacionalista é uma ótima maneira de expor desnecessariamente os Estados Unidos a vários perigos e várias vulnerabilidades.”


A abordagem da America First é que, segundo Tonelson, é provável que os Estados Unidos não sejam capazes de orientar os assuntos globais em uma direção favorável o suficiente para servir como âncora de sua segurança nacional, “mas é mais do que amplamente forte e rico e sábio o suficiente para descobrir como prosperar o que quer que aconteça fora de suas fronteiras.”


"A estratégia da America First depende, em última análise, do país tentando controlar o que pode controlar de maneira plausível", disse ele. "Ou seja, desenvolvimentos e eventos dentro de suas próprias fronteiras, em vez de tentar controlar o que claramente é pelo menos muito mais difícil de controlar, ou seja, desenvolvimento e eventos fora de suas próprias fronteiras".


"Eu acho que Trump merece um crédito tremendo por abrir os olhos do sistema político americano para uma maneira fundamentalmente nova de alcançar objetivos críticos, econômicos e também de segurança nacional", acrescentou Tonelson. "E minha esperança é simplesmente que, se ele for reeleito para que o foco se torne mais agudo, que a implementação se torne mais consistente."



https://www.theepochtimes.com/america-first-policy-expert-hails-trump-on-trade-calls-for-more-action-on-industrial-policy-and-china_3183842.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube