Agência 610: Luta pelo poder dentro do PCC se intensifica

- THE EPOCH TIMES - Chen Simin - Tradução César Tonheiro - 2 NOV, 2021 -

(Da esquerda para a direita) O líder chinês Xi Jinping e os ex-líderes do Partido Comunista Chinês Jiang Zemin e Hu Jintao participam de um desfile militar na Praça Tiananmen, em Pequim, em 3 de setembro de 2015. (Greg Baker / AFP / Getty Images)

A luta pelo poder dentro do PCC se intensifica à medida que os principais oficiais da Agência 610 semelhante à Gestapo são eliminados


Em meio à recente campanha anticorrupção de Xi Jinping, que visa o sistema político e jurídico da China, muitos funcionários recentemente destituídos faziam parte da “Agência 610”.


Em 24 de outubro, a província de Jiangsu, no leste da China, anunciou que Chen Yizhong, ex-vice-diretor do departamento de segurança pública da província, está sob investigação. O anúncio também mencionou o cargo anterior de Chen como diretor regional da Agência 610.


A Agência 610 é uma organização parecida com a Gestapo que foi estabelecida pelo Partido Comunista Chinês (PCC) sob o ex-líder Jiang Zemin em 10 de junho de 1999 — daí seu nome — formalmente conhecido como “Grupo de Liderança Central para Prevenir e Lidar com Religiões Heréticas.”


Foi estabelecido com o único propósito de levar a cabo a perseguição ao Falun Gong, uma prática de meditação espiritual baseada nos princípios da verdade, compaixão e tolerância. A prática se tornou enormemente popular — com cerca de 100 milhões de adeptos na China em 1999, de acordo com estimativas oficiais. Ameaçado por este número, que era maior do que o número de membros do Partido, Jiang ordenou a repressão brutal dos praticantes do Falun Gong.


A Agência 610 raramente era vista em relatórios do governo e tinha sido a organização mais secreta dentro do PCCh até 2013, quando foi exposta ao público pela primeira vez.

Cinco diretores / vice-diretores demitidos da Agência 610. (The Epoch Times)

Xi iniciou a campanha anticorrupção depois de assumir o cargo em 2012. A maioria dos funcionários expurgados fazia parte da facção política de Jiang.


Quando Li Dongsheng foi removido de seu cargo como vice-ministro da segurança pública em dezembro de 2013, Pequim também revelou que ele era o diretor da Agência 610 na época.


O anúncio é digno de nota porque foi a primeira vez que o PCC confirmou publicamente a existência da Agência 610.


Desde então, o público passou a ver mais agentes 610 retirados de seus cargos. Su Rong, ex-vice-presidente da Conferência Consultiva Política do PCCh e ex-chefe da Agência 610 da província de Jilin, foi investigado em 2014 e condenado à prisão perpétua. Zhou Yongkang, ex-secretário da Comissão Central de Assuntos Políticos e Jurídicos e ex-chefe do Escritório 610 central (2007-2012), foi condenado por vários crimes em 2015 e recebeu uma sentença de prisão perpétua.


Este ano marca o fim do segundo mandato de Xi, e ele não diminuiu seus esforços de “limpar” o sistema político e jurídico do PCCh. Enquanto Xi busca a reeleição no ano que vem, ele quer garantir que seus rivais políticos não atrapalhem seu caminho até o 20º Congresso Nacional.


Durante o primeiro semestre deste ano, o principal órgão disciplinar do PCC divulgou pelo menos quatro oficiais expurgados que ocuparam cargos na Agência 610.


Agentes 610 recentemente eliminados


Os agentes 610 que foram destituídos de seus cargos em outubro são os seguintes: Peng Bo, ex-diretor adjunto da Agência 610, foi processado; Sun Lijun, ex-vice-diretor da Agência 610, foi expulso do PCC por “formar facções” e “colocar em risco a segurança política”; Fu Zhenghua, ex-ministro da Justiça, ex-vice-ministro de Segurança Pública e ex-diretor da Agência 610, está sendo investigado por “graves violações da lei e da disciplina”; e Chen Yizhong, diretor da Agência 610, membro do Comitê Provincial do Partido em Jiangsu, está sob investigação.


Já em 2016, o cão de guarda disciplinar do PCC enviou uma equipe de inspeção para a Central da Agência 610. A equipe de inspeção apresentou um relatório, alegando que os então dirigentes da Central da Agência 610 não conseguiram defender consistentemente a ideologia política de Xi — em outras palavras, eles eram desleais a Xi.


Em 2018, Xi dissolveu a Central da Agência 610. Em seguida, foi incorporada ao Comitê de Assuntos Políticos e Jurídicos do Ministério de Segurança Pública e Assuntos Jurídicos (CAPL).


No entanto, a Agência 610 nunca teve uma base legal para sua existência, pois não tem a aprovação da legislatura do PCC (o Congresso Nacional do Povo), nem do Politburo, o principal órgão de tomada de decisão do PCCh.


“Nenhuma legislação foi aprovada estabelecendo-o [e] nenhuma disposição delineava formalmente seu mandato”, disse Sarah Cook, analista sênior de pesquisa da ONG americana Freedom House, ao Epoch Times em um relatório de 2020.


“A verdadeira razão [da ordem de Xi de dissolver a Agência 610 é provavelmente o poder de seus [agentes 610]. Não é porque eles são corruptos, mas porque depois de terem esse poder, eles não darão ouvidos a Xi”, disse o comentarista de atualidades da China, Heng He, à edição do Epoch Times em chinês.

Os sistemas de segurança pública, judicial e legal do PCCh têm poder, armas e dinheiro. Sua lealdade é a principal preocupação de Xi.


De acordo com um relatório da Freedom House, “O orçamento anual estimado para todas as 6 a 10 filiais de agências em todo o país é de 879 milhões de yuans [aprox. US $ 135 milhões].”


Além disso, vários proprietários de negócios importantes têm ligações com os rivais políticos de Xi, incluindo Jack Ma, fundador e ex-CEO da gigante de comércio eletrônico Alibaba, e Xu Jiayin, fundador da gigante imobiliária Evergrande, profundamente endividada.


Em uma reunião em janeiro com o corpo disciplinar do PCCh, Xi aludiu que ele derrubaria oficiais "duas caras" e advertiu que a corrupção tomou conta dos círculos políticos e empresariais, que "ameaçam a segurança política do Partido e do estado.”


Apesar da incorporação ao CAPL, a Agência 610 ainda é uma organização independente e existe de forma mais secreta dentro do sistema político e jurídico do PCCh, de acordo com Heng.


Lutas políticas internas


A Agência 610 que foi supostamente desmontada atraiu mais uma vez a atenção como resultado da última rodada de expurgos de oficiais de alto escalão.


De acordo com os anúncios oficiais do PCCh, Fu Zhenghua e outros oficiais de alto escalão usaram seu poder no sistema político e legal para formar grupos de interesse ou facções políticas, cujo objetivo principal é conspirar contra um alvo maior.


Alguns observadores perguntariam o seguinte: Já que Zhou Yongkang, o ex-czar do cargo 610, foi expurgado há alguns anos, então a quem esses oficiais expurgados estavam ouvindo? E o que eles queriam?


O DuoWei News, um meio de propaganda baseado em Pequim visando chineses no exterior, publicou um artigo em 15 de outubro, alegando que a Agência 610 foi estabelecida durante uma reunião especial do Politburo convocada por Jiang Zemin em 7 de junho de 1999.


O artigo dizia que desde o estabelecimento da Agência 610, os três primeiros-ministros chineses — Zhu Rongji, Wen Jiabao e Li Keqiang — não assinaram a nomeação e as ordens de destituição dos diretores e vice-diretores. Um dos motivos é que a Agência 610 lidou diretamente com a perseguição ao Falun Gong, que é considerado um assunto “delicado”. Além disso, não há documento oficial que estipule os deveres e responsabilidades da Agência 610, que se reporta diretamente ao comitê permanente do Politburo do PCCh, de acordo com o DuoWei News.


O Falun Gong é perseguido há 22 anos e tem sido o foco internacional dos abusos dos direitos humanos na China.


O Departamento de Estado dos EUA anunciou em 12 de maio as sanções contra Yu Hui, ex-diretor da Agência 610 em Chengdu, província de Sichuan, por seu papel na perseguição ao Falun Gong. Yu e seus familiares imediatos foram proibidos de entrar nos Estados Unidos.

O Secretário de Estado Antony Blinken fala em uma entrevista coletiva para anunciar o Relatório Anual de Liberdade Religiosa Internacional no Departamento de Estado em Washington, em 12 de maio de 2021. (Andrew Harnik / Pool / AFP via Getty Images)

A Agência 610 foi reconhecida pela comunidade global por seu papel na execução dos abusos dos direitos humanos notórios do PCCh. Alguns especialistas fora da China veem a medida anticorrupção de Xi contra esses oficiais 610 como um sinal de sua intenção de cortar relações com o aparato de perseguição.


Além de seu papel na perseguição do Falun Gong, a Agência 610 é uma instituição extralegal que usa seu poder e recursos para coletar informações para a facção de Jiang atacar oponentes políticos e planejar um golpe de estado.


Ele atacou Hu Jintao, ex-líder do PCCh que sucedeu Jiang, e agora está ameaçando a autoridade de Xi.


Portanto, o recente expurgo de oficiais 610 reflete a feroz luta pelo poder que se intensificou entre os oficiais de alto escalão do PCCh, enquanto Xi busca assegurar sua liderança.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Chen Simin é um escritor freelance que frequentemente analisa os assuntos atuais da China. Ela contribui para o Epoch Times desde 2011.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/power-struggle-within-ccp-intensifies-as-top-officials-of-gestapo-like-office-purged_4079240.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


71 views0 comments