Aeronaves militares chinesas entram na zona de defesa aérea de Taiwan após invasão da Ucrânia

- THE EPOCH TIMES - Andrew Thornebrooke - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 24 FEV, 2022 -

Nove aeronaves chinesas entraram na Zona de Identificação de Defesa Aérea de Taiwan (sigla em inglês ADIZ) nas horas seguintes à invasão da Ucrânia pela Rússia. Os meios aéreos taiwaneses foram acionados em resposta, de acordo com o Ministério da Defesa de Taiwan.


O Partido Comunista Chinês (PCC) enviou tais incursões ao espaço aéreo de Taiwan continuamente nos últimos dois anos, em uma aparente tentativa de intimidar e esgotar as forças armadas de Taiwan.


A surtida de 24 de fevereiro marcou a 13ª incursão este mês, mas estava bem longe da última incursão em larga escala no final de janeiro, quando os militares chineses enviaram 39 aeronaves para o ADIZ de Taiwan.


O ADIZ não é o espaço aéreo diretamente sobre a nação insular, mas na área imediatamente circundante, onde a identificação, informações de localização e controle governamental de aeronaves são necessários para fins de segurança. Aviões militares taiwaneses são enviados para responder a cada uma dessas incursões.


O PCC afirma que Taiwan, que é autogovernada desde 1949, é uma província separatista. O líder chinês Xi Jinping prometeu “reunificar” a ilha com o continente e não descartou o uso da força para fazê-lo.


O Ministério da Defesa de Taiwan disse que a última incursão incluiu oito caças e uma aeronave de reconhecimento.


O incidente ocorre enquanto a liderança de Taiwan observa com preocupação a atual crise na Ucrânia. Especialistas em defesa e segurança acreditam que a resposta internacional a essa crise pode informar a estratégia do PCC para uma futura invasão de Taiwan.


Os líderes de Taiwan têm feito questão de salientar que as ações da Rússia na Ucrânia são emblemáticas de uma luta maior entre o autoritarismo e um modo de vida democrático.

“O povo e o governo de Taiwan estão com a Ucrânia”, escreveu o vice-presidente de Taiwan, Lai Ching-te, em um tweet. “O princípio da autodeterminação não pode ser apagado pela força bruta.”


Caças taiwaneses e mísseis de defesa aérea foram implantados para monitorar a incursão de 24 de fevereiro, para uma resposta padrão.


Embora Taipei não tenha relatado nenhum movimento incomum de tropas do PCC, o governo da ilha aumentou seu nível de alerta e pediu maior prontidão de combate.


A perspectiva de invasão do continente suscitou preocupação com a política dos EUA chamada de “ambiguidade estratégica”, sob a qual não confirmará nem negará abertamente sua disposição de se engajar em uma defesa militar da ilha. Sob a Lei de Relações de Taiwan de 1979 , no entanto, os Estados Unidos são obrigados a fornecer à ilha os meios para sustentar suas capacidades de autodefesa.


Enquanto isso, uma pesquisa realizada pelo Trafalgar Group em janeiro descobriu que a maioria dos americanos de todas as afiliações políticas apoia uma potencial defesa militar dos EUA de Taiwan no caso de uma invasão de Pequim.


Em outubro de 2021, a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, prometeu que a ilha autogovernada defenderia a si mesma e seu “modo de vida livre e democrático” da agressão do PCC a todo custo.


Andrew Thornebrooke é repórter do Epoch Times cobrindo questões relacionadas à China com foco em defesa, assuntos militares e segurança nacional. Ele tem mestrado em história militar pela Universidade de Norwich.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


17 views0 comments