Adivinha quem é a maior potência colonial do mundo agora?

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - MAI 16, 2022 -

O líder chinês Xi Jinping e o então presidente argentino Mauricio Macri participam de uma cerimônia de assinatura no Grande Salão do Povo em Pequim, China, em 17 de maio de 2017. (Damir Sagolj/Pool/Getty Images)

Neocolonialismo estratégico da China se estende à Argentina


Enquanto o mundo se concentrou na guerra na Ucrânia – e antes disso, na pandemia, no esmagamento de Hong Kong por Pequim, na situação no Oriente Médio e em outros grandes eventos – a China vem substituindo constantemente a influência dos EUA na América Latina.



As consequências não se limitam apenas a questões comerciais, econômicas e de mercado, embora todas sejam certamente importantes. As relações latino-americanas de Pequim também são de natureza bastante estratégica.


Alguém poderia imaginar que, dado que a influência dos EUA na Europa e no Oriente Médio está diminuindo, preservar nossa própria influência regional e segurança estaria em nossa lista de coisas a fazer. Assim, também, podemos fazer todo o possível para atenuar os movimentos estratégicos de nosso adversário tão perto de casa.



Mas, evidentemente, esse não é o caso.


Essa apatia dos Estados Unidos é, no mínimo, desconcertante, e não é um bom presságio para ninguém – exceto para a China.


O Colonialismo Suave de Pequim


A penetração da China na América Latina parece diferente de Cuba, o antigo estado cliente soviético da década de 1960. Uma conquista comunista aberta como Cuba em 1959 ou mesmo a descida da Venezuela ao inferno marxista nas últimas duas décadas é fácil de detectar e demonizar.


Embora, à primeira vista, a “apropriação” chinesa da América Latina pareça benigna, é um problema muito maior do que alguns possam imaginar. Como o último país a aderir à Iniciativa do Cinturão e Rota da China (sigla em inglês BRI, também conhecida como “Um Cinturão, Uma Rota”), a Argentina é um exemplo particularmente pungente das relações estrategicamente significativas, mas corruptas, de Pequim com líderes políticos.


Em vez de assumir uma nação com força militar, por assim dizer, o Partido Comunista Chinês (PCC) usa seu formidável poder financeiro para capturar ativos dentro das nações que podem ser usados para fortalecer a postura geopolítica da China. O líder do PCC, Xi Jinping, está de olho na América Latina em geral, e especificamente na Argentina, rica em recursos, há anos. Em 2017, ele a categorizou como uma “ extensão natural do BRI ”.


Conforme observado acima, a “extensão natural da BRI” não se limita apenas às relações comerciais. Sua política se estende à corrupção de líderes nacionais que, por sua vez, permitem que Pequim tenha mais liberdade para explorar os recursos da nação anfitriã.


Os ativos visados são tipicamente terras agrícolas, portos, direitos de pesca, projetos de infraestrutura, bem como políticos. Pequim descobriu que possuir a liderança por enriquecimento e influenciar os meios de comunicação para evitar críticas é uma maneira muito mais inteligente de controlar outro país.


O comércio com a China está crescendo


Pequim já está colhendo os frutos de seus esforços com Buenos Aires.


Tendo recentemente substituído o Brasil como o maior parceiro comercial da Argentina, Pequim está agora em uma posição vantajosa para expandir seu relacionamento positivo à medida que os números do comércio continuam aumentando. Esse fato por si só dá ao nosso principal adversário geopolítico maior influência sobre uma das nações mais ricas em recursos do hemisfério.


O PCC aprofundou seu domínio sobre Buenos Aires ao concordar em financiar vários grandes projetos de infraestrutura. Eles incluem usinas nucleares, barragens, ferrovias, energia solar e muito mais para o desenvolvimento conjunto das regiões urbanas e rurais da Argentina. Essa influência já valeu a pena com o acesso a outros ativos mais estratégicos.


Mineração de lítio de Pequim


O elemento de terras raras lítio é um componente crítico em produtos de alta tecnologia, desde sistemas de orientação de mísseis até baterias de carros elétricos. Como parte do “triângulo do lítio”, que inclui Chile e Bolívia, a Argentina é o quarto maior produtor de lítio do mundo. Não surpreendentemente, ele desempenha um papel significativo na estratégia contínua da China de controlar os suprimentos mundiais de metais estratégicos.


Essa estratégia explica o recente compromisso de Pequim de investir US$ 380 milhões no projeto de mineração Tres Quebradas.


Impulsionando o Yuan, vencendo o Dólar


Uma relação cambial bilateral também faz parte da campanha estratégica de Pequim para dominar a América Latina e além. Dado que a Argentina está em dívida com o FMI há décadas e que as políticas financeiras inflacionárias nos Estados Unidos acabam impactando a economia argentina, Buenos Aires está aberta a um novo arranjo cambial com a China.


Pode ou não beneficiar a Argentina no longo prazo, mas certamente ajuda a internacionalizar o yuan, o que prejudica o dólar e ajuda a China.


Entrando na corrida de armas anti-satélite?


A Argentina também abriga uma estação espacial de propriedade chinesa localizada no noroeste da Patagônia. Esta instalação secreta é administrada pelo Exército de Libertação Popular (Forças Armadas da China), o que efetivamente a torna uma base militar estrangeira avançada com implicações estratégicas.


O regime chinês controla totalmente a base e a terra sem quaisquer restrições do governo argentino. Nenhum imposto pode ser cobrado e nenhuma mão de obra local é permitida, mas a livre circulação da mão de obra chinesa é permitida. Em outras palavras, o governo argentino cedeu a soberania total de parte de seu território aos chineses.


O objetivo da base é suspeito, mas a inteligência dos EUA especula que é um espaçoporto para lançar armas anti-satélite.


A Argentina vai rir agora e chorar depois?


Por outro lado, com todas as informações e evidências de quão ruim pode ser uma parceria com o programa BRI da China, por que a liderança da Argentina concordaria em ir para a cama com Pequim?


Não é segredo que as nações que lidam com a China acabam sendo propriedade do PCC em armadilhas da dívida.


Além disso, como a maior nação prisional do mundo e a fonte e a causa da pandemia global do vírus do PCC, pode-se imaginar que a busca da China pelo colonialismo na Argentina – que tem poderosos sindicatos – provocaria indignação entre a multidão anticolonial.


Mas também não parece ser o caso.


Os EUA serão preteridos?


Um motivo pode ser que os Estados Unidos não estão prestando atenção à América Latina como a China certamente está. Outro pode ser que Pequim esteja fazendo a Buenos Aires uma oferta que simplesmente não pode — ou não quer — recusar.


Em ambos os casos, o poder e a influência americanos em toda a América Latina – nosso próprio “quintal”, por assim dizer – estão sendo diretamente desafiados pela China, a nação comunista mais poderosa da Terra.


Infelizmente, nossos líderes em Washington não estão fazendo praticamente nada a respeito.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele está baseado no sul da Califórnia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/guess-whos-the-worlds-greatest-colonial-power-now_4458603.html

27 views0 comments