Acordo de gás entre Israel e Europa transformará a geopolítica europeia e a segurança energética

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - COMENTÁRIO HEITOR DE PAOLA - 17 JUN, 2022 -

A plataforma do campo de gás natural Leviathan no Mar Mediterrâneo é fotografada da cidade costeira de Cesareia, no norte de Israel, em 24 de fevereiro de 2022. (Jack Guez/AFP via Getty Images)

hahahaha!!! Depois do Holocausto a Europa se ajoelhar diante de Israel, será o máximo, porque todos os países Europeus tiveram, direta ou indiretamente, participação no antissemitismo.

HEITOR DE PAOLA -


Israel se torna um ator importante no cenário energético mundial e ameaça diretamente a economia e a influência russas na Europa


Esta semana, Israel se posicionou oficialmente como um fornecedor natural para a Europa, um dos maiores mercados do planeta.



O anúncio de um acordo assinado por Israel, Egito e União Européia em 15 de junho no Fórum de Gás do Mediterrâneo Oriental será um grande negócio tanto para a Europa quanto para Israel. O esforço dos europeus para encontrar fontes alternativas de gás natural é resultado direto da invasão da Ucrânia pela Rússia.


Um grande negócio para a Europa e Israel


Durante décadas, a Europa dependeu do gás natural russo e das boas graças da Rússia para obter energia. Moscou repetidamente fechou o gás para as nações europeias à vontade como forma de influenciar a política.


A obtenção de novo acesso ao gás natural israelense permite que ela se afaste da Rússia como fonte de energia, principalmente para o fornecimento de gás natural.

Também é um grande avanço para Israel, pois aproveita seus campos de gás natural Leviathan ao largo de sua costa no Mediterrâneo Oriental como uma entrada para um fornecedor global de energia. O plano de transporte é simples e permitirá que as exportações de gás comecem mais cedo do que muitos esperavam.


Uma mudança nos planos


Inicialmente, o plano de longo prazo era construir um gasoduto dos campos de gás no Mediterrâneo Oriental para o Chipre, depois para a Grécia e para a Europa Ocidental. Esses planos foram contestados pela Turquia, que reivindica a propriedade do gás natural. Também reivindicou direitos territoriais a qualquer oleoduto que atravesse o Chipre ou cruze a linha marítima que a Turquia e a Líbia alegaram existir entre seus dois países.


Mas, de acordo com o novo acordo, não será necessário construir novos dutos, pelo menos não imediatamente. Em vez disso, o plano é usar dutos existentes que vão de Israel e Jordânia até as instalações de gás natural liquefeito do Egito. A partir daí, o gás natural liquefeito (GNL) será transportado diretamente para os mercados europeus através das rotas marítimas existentes para o(s) porto(s) europeu(s) dentro de alguns anos.


O ganho de Israel é a perda da Rússia


À medida que as exportações de GNL para a Europa aumentarem nos próximos dois anos, Israel obterá enormes entradas de receita de seus clientes europeus às custas da Rússia. Atualmente, a Europa depende da Rússia para cerca de 40% de seu fornecimento de gás natural. Em 2021, isso representou US$ 119 bilhões em receitas anuais provenientes da Europa para a Rússia. Os fluxos de receitas serão ainda maiores à medida que os preços da energia continuarem a subir. O gás natural é um ativo estratégico, pois é a maior parcela do comércio russo-europeu, compreendendo 36% do orçamento total do país.

A sede corporativa da Gazprom Germania, unidade alemã da empresa russa de gás natural Gazprom, em Berlim, em 30 de março de 2022. (Sean Gallup/Getty Images)

Uma vitória diplomática em todo o mundo árabe

O acordo é mais do que apenas um ganho econômico para Israel. Demonstra o quão bem Israel e seu parceiro árabe, o Egito, podem trabalhar juntos para seu benefício econômico mútuo.

Essa mensagem de cooperação e benefício mútuo será vista e ouvida em alto e bom som em todo o mundo árabe e islâmico. Não é uma ilusão pensar que a cooperação do Egito atrairá o mesmo de outras nações árabes que poderiam se beneficiar de melhores relações com Israel.


Além disso, quando os carregamentos de gás natural liquefeito começarem a chegar à Europa, isso alterará fundamentalmente o equilíbrio de poder entre a Rússia e a Europa.



Más notícias para a Rússia


Isso é uma boa notícia para a Europa e Israel, mas é uma notícia muito ruim para a Rússia e Vladimir Putin. Do ponto de vista econômico, o impacto da Europa abandonar a Rússia como fornecedora de petróleo e gás natural será catastrófico para a economia russa.


A Rússia pode ter que encontrar novos mercados rapidamente.


Vale a pena notar que a China já está comprando energia russa, proporcionando à Rússia receitas que rivalizam com o mercado europeu, mesmo a preços com desconto – mas isso pode não durar para sempre.


Mas o acordo de gás israelense-europeu também é muito problemático para a Rússia do ponto de vista geopolítico. Sem o poder de influenciar ou punir a Europa com ameaças de reter o fornecimento de gás natural, a Rússia terá muito pouco para influenciar a política europeia.


De fato, Moscou entende isso tão bem quanto qualquer um, o que adiciona um nível definido de complexidade, se não risco, ao novo acordo.


Como Moscou reagirá?


Como, por exemplo, Moscou vai ou poderia reagir a esse desenvolvimento?


Como observado, poderia ser considerado uma ameaça à Rússia, se não um ato econômico de guerra. Certamente não é uma privação de energia ou comida em si , mas o efeito líquido pode ser semelhante.


Moscou poderia interpretar o novo acordo de gás natural no contexto de que a UE e Israel (dois críticos proeminentes da invasão da Ucrânia) estão cooperando – se não conspirando – para privar a Rússia de seu mercado mais importante.


Isso é verdade. E isso poderia fazer com que os russos sofressem grandes dificuldades econômicas. Além disso, a influência geopolítica da Rússia na Europa e no resto do mundo também diminuiria.


Será que Moscou adotaria uma atitude de espera para ver em relação a Israel e à União Européia, esperando que seja capaz de convencer qualquer uma das partes a não seguir com o acordo?


Ou recorreria a um bloqueio naval de embarques de gás natural para a Europa para proteger seus interesses econômicos?


Muito pode depender do estado do resultado da guerra da Rússia contra a Ucrânia, que não é facilmente previsível. Mas uma vez que a Europa esteja livre do gás russo, não será mais refém da chantagem russa, embora ainda corra o risco de ser intimidada militarmente por Moscou.


Esse mesmo raciocínio também se aplica a Israel, e está ciente da presença militar da Rússia em sua fronteira norte. Mais guerra da Rússia sobre este acordo pode estar nas cartas.


Afinal, que outra carta a Rússia tem que jogar?


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele está baseado no sul da Califórnia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/israel-europe-gas-deal-will-transform-european-geopolitics-and-energy-security_4536752.html



16 views0 comments