A visita de Pelosi a Taiwan tornou 'mais difícil' para Biden acabar com as tarifas de Trump na China

- THE EPOCH TIMES - Andrew Thornebrooke - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - AUG 11, 2022 -

A secretária de Comércio Gina Raimondo testemunha no Capitólio, em Washington, em 11 de maio de 2022. (Brendan Smialowski/AFP via Getty Images)

O apoio da presidente da Câmara Nancy Pelosi (D-Calif.) a Taiwan complicou os esforços do governo Biden para reduzir as tarifas contra a China, segundo a secretária de Comércio, Gina Raimondo.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!



Raimondo disse que a controversa visita de Pelosi a Taiwan na semana passada tornou a estratégia do governo com a China “particularmente complicada”, em relação aos esforços do presidente Joe Biden para reduzir tarifas sobre mais de US$ 300 bilhões em produtos chineses.


“Certamente, isso tornou um pouco mais desafiador”, disse Raimondo durante uma entrevista em 10 de agosto com a Bloomberg. “É mais difícil, mas espero que possamos ir além disso e voltar a um lugar onde possamos ter mais dessas discussões.”


“Mas, eu sei que ele está olhando para isso. Conversamos sobre isso novamente recentemente, e espero que ele tome uma decisão em breve.”


A visita de Pelosi a Taiwan foi usada como pretexto pelo regime comunista da China para lançar uma série de exercícios militares de escalada no Indo-Pacífico, que atraiu indignação e condenação internacional. O incidente trouxe a já tensa relação sino-americana ao seu ponto mais baixo em décadas.


De acordo com Raimondo, isso também significa que Biden agora não pode desfazer algumas das políticas da era Trump destinadas a punir a China por seu roubo desenfreado de tecnologias americanas.


Biden vem explorando a possibilidade de encerrar algumas tarifas levantadas sobre produtos chineses pelo ex-presidente Donald Trump. No entanto, os representantes comerciais dos EUA alertaram contra a medida, dizendo que abriria mão desnecessariamente de uma parte da vantagem de negociação para a China.

Trump impôs tarifas sobre cerca de US$ 300 bilhões em importações chinesas em 2018. A medida foi uma resposta a uma investigação federal que concluiu que o regime comunista da China havia roubado propriedade intelectual de empresas americanas como parte de um esforço sistemático para forçar a transferência de tecnologia entre as nações.


Agora, Biden está considerando a remoção de algumas das tarifas – de microchips a camisetas – para combater a inflação recorde que se tornou uma marca registrada de sua presidência. Ao se livrar das tarifas, o governo espera reduzir o custo de vida das famílias americanas ao despejar produtos chineses baratos no mercado.


A administração não indicou quais funções específicas pode remover. Raimondo disse que Biden ainda está considerando o que fazer com as tarifas e “muito cauteloso” ao pesar suas opções.


Raimondo já foi criticada pelos interesses financeiros de sua família na China. O marido de Raimondo, Andy Moffit, é um alto executivo e consultor estratégico em uma empresa de tecnologia financiada parcialmente por capital de risco ligado ao Partido Comunista Chinês ( PCC ). Ela e o marido também possuem uma participação financeira na Tencent, empresa controladora do WeChat, uma plataforma de mídia social usada pelo PCC para monitorar e coletar dados pessoais de usuários internacionais.


Trump baniu o WeChat dos Estados Unidos em 2020, citando preocupações de segurança nacional. Mas Biden revogou a proibição em 2021 e deu ao departamento de Raimondo o controle sobre a investigação da plataforma.


Andrew Thornebrooke é repórter do Epoch Times cobrindo questões relacionadas à China com foco em defesa, assuntos militares e segurança nacional. Ele tem mestrado em história militar pela Universidade de Norwich.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/pelosi-made-it-harder-for-biden-to-end-trumps-china-tariffs-commerce-secretary_4658221.html



7 views0 comments