A verdadeira China e o lado negativo da arrogância

- THE EPOCH TIMES - James Gorrie - Tradução César Tonheiro - 30 NOV, 2021 -

Como uma Pequim agressiva está perdendo amigos e influência no mundo, e o que isso significa para o mundo


Grande parte do mundo está tendo um momento esclarecedor com a China.


Lembre-se de que a China começou a última década posicionando-se como um benfeitor global. Seu Belt and Road Initiative (BRI) era considerado um programa de ajuda e desenvolvimento estrangeiro benéfico. Outros esforços de alcance econômico e cultural forneceram às nações financiamento e intercâmbios culturais que serviram bem a Pequim.


O brilho está se apagando


Mas as armadilhas da dívida de ajuda externa e escândalos de spyware certamente tiraram um pouco do brilho da reputação global da China. O mundo começou a abrir seus olhos.


Então, o lançamento e a disseminação da pandemia do vírus do PCCh, junto com o acúmulo de suprimentos médicos e acusações de Pequim sobre as falhas de resposta do Ocidente, destruiu qualquer boa vontade remanescente que os líderes do Partido Comunista Chinês ( PCCh ) trabalharam tanto para vender ao mundo no passado.


Matar milhões e rir disso foi demasiadamente grande para ser ignorado.


Hoje, as nações ao redor do mundo estão vendo cada vez mais o regime chinês como uma grande ameaça. Na verdade, nas últimas semanas, Grã-Bretanha, França e quase duas dúzias de países africanos criticaram oficialmente a China por sua demora em relação à pandemia.


Além do mais, o Japão mudou inequivocamente sua política externa para desafiar diretamente as ambições de reunificação da China em relação a Taiwan. (Mais sobre isso em um próximo artigo). Hoje, no final de 2021, Pequim se revelou nem benfeitor nem parceiro, mas sim um predador voraz.


PCC: Uma obscenidade dos direitos humanos


Internamente, o comportamento do PCC em relação a seus cidadãos é uma obscenidade dos direitos humanos, sob qualquer aspecto. Não há maneira justificável de adocicar isso. Xi Jinping fez todo o possível para conter a agitação civil e manter o controle do poder dentro do Partido. O vírus PCC desempenhou um grande papel nesses esforços, mas não foi o único fator.


O líder neo-maoísta da China também tem estado muito ocupado reescrevendo a história para sua própria autoglorificação, senão uma completa elevação ao status de um deus. Em um nível mais básico, todas as imagens ou referências ao Ursinho Pooh - o urso animado com o qual Xi tem uma semelhança razoável - tornaram-se um símbolo de resistência ou desrespeito ao líder todo-poderoso e foi proibido na China alguns anos atrás.

O líder chinês Xi Jinping é aplaudido por delegados usando máscaras protetoras ao chegar na abertura do Congresso Nacional no Grande Salão do Povo em Pequim, China, em 22 de maio de 2020. (Kevin Frayer / Getty Images)

Não há realmente necessidade de banir o pobre Urso Pooh. Com milhões nos campos de trabalhos forçados, estado de vigilância policial, presos políticos, opressão social e econômica e esmagamento de Hong Kong, atualmente ninguém está confundindo Xi com adorável faz de conta do personagem do desenho animado - isso é certo.


Os grandes planos de um líder transformador


O fato de que as visões desfavoráveis da China em todo o mundo estão em níveis máximos representa um grande desafio para Pequim.


Ou não é?


Mais especificamente, os líderes do PCCh acharão que vale a pena gastar todo o tempo e esforço para reconstruir sua reputação destruída com uma nova política externa e mais cooperativa?


Por um lado, declarações políticas recentes de Xi deram aparência a isso. Os apelos por respeito mútuo e cooperação parecem terrivelmente maravilhosos. Certamente é fácil dizer essas coisas, que são exatamente o tipo de palavra que o mundo quer ouvir.


Por outro lado, a elevação oficial, senão pseudo-religiosa, de Xi ao grande líder transformador da China faz com que os pronunciamentos humildes e conciliatórios pareçam um tanto estranhos e indignos de um grande líder transformador, não é?


Além desse fato óbvio, há outro que deve ser avaliado com cuidado. Ou seja, todos os grandes líderes transformadores são mortais, não importa o que o serviço oficial de notícias possa dizer.


Reconhecidamente, nenhum novo terreno foi aberto lá. Mas, dadas as ambições e planos de Xi para o domínio incontestável da China no mundo, passar a próxima década ou duas reabilitando a boa fé diplomática do país simplesmente não está nas cartas. Aos 68 anos, ex-fumante inveterado, Xi é um homem com pressa de realizar suas ambições.


Uma janela de oportunidade hipersônica

Além do mais, com seu sistema de entrega nuclear hipersônico, o regime chinês tem uma vantagem militar definitiva sobre os Estados Unidos. Ao mesmo tempo, a liderança dos EUA é considerada a mais fraca em décadas. Tão importante é o fato de que a economia da China está entrando em colapso e sua população está envelhecendo rapidamente.


Do ponto de vista de Pequim, poderia haver um momento melhor para a política externa do “Lobo Guerreiro”? Essa nova virada na diplomacia não hesita em defender os interesses nacionais da China de maneiras confrontadoras. Certamente parece explicar a nova agressão de Pequim no cenário mundial.


A militarização contínua do Mar do Sul da China pelo PCCh, o conflito armado com a Índia, as ameaças de ataque nuclear contra a Austrália e as crescentes ações militares destinadas a Taiwan somente no ano passado parecem apontar para uma China mais impaciente.


Além disso, parece que Pequim realmente não se importa como - ou - o que o mundo pensa da China. Os insultos verbais regulares de outros líderes e ameaças não são indicativos de um poder global que pretende construir boa vontade em todo o mundo.


Em suma, a China comunista prefere ser temida do que amada, em vez de ambos. O lado negativo provavelmente afetará a todos de forma bastante negativa, incluindo a China, conforme o PCCh revela sua verdadeira face para o mundo.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele mora no sul da Califórnia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/the-real-china-and-the-downside-of-arrogance_4129287.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


21 views0 comments