A tomada de poder de Xi Jinping assusta investidores da China

FORBES - Robert Olsen - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 24 OUT, 2022


Os mercados da China caíram na segunda-feira depois que o presidente Xi Jinping consolidou ainda mais seu controle do poder ao empilhar o órgão decisório mais poderoso do partido com seus principais aliados e garantir um terceiro mandato.

Xi Jinping waves as he leaves after speaking at a press event with members of the new Standing Committee of the Politburo at The Great Hall of People on October 23, 2022 in Beijing, China. KEVIN FRAYER/GETTY IMAGES

O índice Hang Seng de Hong Kong caiu quase 6,4%, para 15.180 pontos, o segundo nível mais baixo desde a crise financeira de 2008. Os gigantes de tecnologia chineses Tencent e Meituan caíram até 10,2% e 13,8%, respectivamente. Os magnatas bilionários por trás das empresas — Ma Huateng, da Tencent, e Wang Xing, da Meituan — viram mais de US $ 1 bilhão de sua riqueza ser eliminados em poucas horas, tornando-os entre os piores desempenhos na lista de bilionários em tempo real do mundo na segunda-feira.



O índice de referência CSI 300 de Xangai caiu cerca de 2,9% na segunda-feira, elevando a queda do indicador no ano para mais de 26%. O yuan onshore enfraqueceu em relação ao dólar para seu nível mais baixo desde a crise financeira.


No domingo, Xi revelou a formação do Comitê Permanente do Politburo, o principal órgão de governo da China. Os outros seis homens do comitê são vistos como leais com laços estreitos com Xi, e nenhum é de facções rivais dentro do Partido Comunista.


Analistas dizem que os investidores estão ficando cada vez mais ansiosos com a contínua pressão regulatória da nova liderança sobre as empresas privadas, bem como com a rígida política Covid-Zero do país, que não mostra sinais de abrandar. No discurso de abertura de Xi, proferido durante o congresso da semana, ele elogiou as medidas de prevenção da Covid da China como uma “guerra popular” para combater o coronavírus e proteger vidas.


Essas medidas, juntamente com uma ênfase contínua em áreas como segurança, regulação do mercado imobiliário e promoção da prosperidade comum, decepcionaram os investidores que buscavam sinais de flexibilização regulatória.

“A preocupação é que o presidente Xi agora tenha poder irrestrito para aprovar políticas que não são amigáveis ao mercado”, diz Justin Tang, chefe de pesquisa asiática com sede em Cingapura no grupo consultivo United First Partners.


Dickie Wong, diretor executivo da Kingston Securities, com sede em Hong Kong, também diz que o congresso do partido deu aos investidores poucos motivos para comemorar. Ele acrescenta que também há preocupações crescentes sobre a escalada das tensões entre a China e os EUA.


Em uma crítica velada dirigida a Washington, Xi disse em seu discurso de abertura que a China se levantou contra o unilateralismo, o protecionismo e o “bullying”. Ele também prometeu fortalecer a autoconfiança da China em tecnologias críticas, assim como o governo Biden estava emitindo um conjunto abrangente de medidas destinadas a restringir seu acesso a equipamentos avançados de fabricação de chips.


A economia chinesa, entretanto, mostrou sinais de recuperação, mas as suas perspetivas de crescimento a longo prazo permanecem nebulosas. O Produto Interno Bruto (PIB) subiu 3,9% no terceiro trimestre, acima do esperado, em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com dados divulgados hoje, que originalmente estavam programados para serem publicados em 18 de outubro, porém foram adiados devido ao congresso do partido.


Mas com poucos sinais apontando para um relaxamento das rígidas medidas de Covid do país que a Fitch Ratings diz ter “sufocado o consumo e exacerbado a incerteza dos negócios”, o crescimento econômico do país provavelmente desaceleraria para 2,8% este ano, bem abaixo da meta inicial de cerca de 5,5%, de acordo com a agência de rating.


Xi disse que a China continuará a colocar o desenvolvimento como prioridade máxima e diz que deseja que o país embarque em uma trajetória de crescimento de alta qualidade como parte de seu rejuvenescimento nacional, termo que se refere a alcançar padrões de vida mais elevados e possuindo tecnologias avançadas comparáveis às dos países ocidentais.


Robert Olsen é um editor sênior baseado em Hong Kong, cobrindo as notícias de negócios da Ásia. A carreira no jornalismo inclui vários cargos de reportagem e edição na Forbes e na Bloomberg. Anteriormente, trabalhou na British.


ORIGINAL >

https://www.forbes.com/sites/robertolsen/2022/10/24/xi-jinpings-power-grab-spooks-china-investors/?sh=55b32eb65e4b

6 views0 comments